Home Festivais 41ª Mostra Internacional de SP: Selfie
41ª Mostra Internacional de SP: Selfie
CINÉFILOS
30 out 2017 | Por Jornalismo Júnior

Este filme faz parte da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Para mais resenhas do festival, clique aqui.

Um típico integrante da classe média alta espanhola. Uma casa grande, um carro e empregados a seu dispor. Faz MBA na mais cara faculdade da cidade e mora com os pais. Assim nos é apresentado Bosco (Santiago Alverú), o protagonista de Selfie (2017). O longa espanhol é dirigido por Víctor García León e tem como enredo a reviravolta que ocorre na vida do protagonista quando seu pai é preso por envolvimento em crime de corrupção.

Selfie

Imagem: reprodução

Bosco tinha uma vida estável com sua namorada, amigos e família sempre por perto. Seu pai épolítico de um partido de direita e, quando é descoberto por seus crimes, não só é preso como também tem sua casa, móveis e fortuna apreendidos. A partir deste momento cada membro da família precisa seguir um rumo diferente para encontrar onde morar e conseguir se sustentar, algo que Bosco nunca havia feito na vida.

O filme é feito em estilo documentário: uma câmera segue Bosco todos os dias desde o momento em que era sustentado pelos pais até a luta para conseguir o sustento por si só. Em nenhum momento é explicado porque a câmera está ali ou como ela é capaz de seguir Bosco a todo o tempo, até mesmo em lugares e situações que ela não deveria estar. Por outro lado, essa perseguição da câmera pode representar a atenção que o personagem está acostumado a receber o tempo todo, pois ele faz questão de explicitar as suas reclamações, indignações e opiniões ao expectador com frequência. Também não sabemos se Bosco está conversando com o misterioso cinegrafista, com o próprio público ou – o mais provável – apenas consigo mesmo para reforçar seu ego.

A caracterização do protagonista é tão estereotipada que chega a ser uma mistura entre o ridículo e o engraçado. Ele se mostra contra preconceitos, machismo, racismo e xenofobia ao mesmo tempo que acredita que qualquer um pode se tornar rico se quiser. Além disso, ao apresentar os luxos de seu dia a dia, faz questão de tentar ser humilde e dizer que possui o mesmo tanto que um cidadão comum. Por esse motivo, a atuação de Bosco se mostra um pouco forçada e difícil de acreditar.

Todas as opiniões do personagem  anteriormente apresentadas são claramente derrubadas quando ele passa a morar com Ramón (Javier Caramiñana), um jovem de esquerda que estuda o dia inteiro para passar em um teste e trabalha a noite como garçom. Quem convenceu Ramón a aceitar Bosco em seu apartamento – mesmo sem dinheiro para pagar o aluguel – foi Macarena (Macarena Sanz), uma jovem professora com deficiência visual que acaba por se apaixonar pelo protagonista. É ela também que consegue um emprego para Bosco como administrador em um centro para pessoas deficientes, onde ela mesma leciona.

É nesse centro que ele mostra a pessoa egoísta que é. Além de não ter paciência para lidar com os deficientes, não se importa com Macarena, não entende suas limitações e mantém uma relação por comodismo. Uma das cenas em que fica claro seu egoísmo é quando ele deixa Macarena desamparada em uma festa e mente para ela em relação a onde estavam indo ou o que estava se passando no local.

Ao final do filme, esperava-se uma certa evolução do protagonista para se tornar alguém mais compreensivo e menos individualista, talvez com um maior embate entre questões ideológicas. Essa expectativa, porém, não se concretiza. Não é possível perceber grandes avanços no comportamento de Bosco ou um momento em que fosse visível sua mudança. A questão ideológica está mais presente de forma indireta, contrastando diferentes estilos de vida e diferentes pessoas.

Frente a tantos filmes em cartaz na Mostra Internacional de Cinema, o longa não apresenta nada de inovador ou imperdível, mesmo que possa ser interessante para o cinéfilo que se interessa pelo tema ou para quem queira dar algumas risadas ao ver um jovem adulto mimado tendo que lutar por alguma coisa pela primeira vez na vida.

Selfie faz parte da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Assista ao trailer:

por Maria Clara Rossini 
mariaclararossini@usp.br

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*