Home Lançamentos Netflix: A lavanderia de 96 minutos do seu tempo
Netflix: A lavanderia de 96 minutos do seu tempo
CINÉFILOS
18 jun 2020 | Por Marina Bittencourt (maribcg@usp.br)

A Lavanderia (The Laundromat, 2019), distribuído pela Netflix,  é uma tentativa de sátira sobre as leis tributárias americanas que permitiram uma sequência de fraudes, descobertas com o caso dos Papéis do Panamá (Panama Papers) em 2016. O roteirista, Scott Z. Burns, faz uma escolha ousada no método de narrativa ao conectar todas as histórias, aparentemente aleatórias, com um elemento narrativo simplório dos narradores, também personagens.

O filme começa com uma abertura clássica hollywoodiana dos anos 1970: dois homens de terno (Antonio Banderas e Gary Oldman) andam em direção à câmera se afastando cada vez mais da tela verde ao fundo enquanto realizam um monólogo sobre a ironia do dinheiro moderno, e o fato de ser nada mais nada menos que um acordo social sobre o invisível.  

Depois disso, temos a história de Ellen (Meryl Streep) e Joe (James Cromwell), um casal de idosos que visita o lugar da sua lua de mel e embarca num passeio de barco. O passeio rapidamente acaba com o naufrágio do barco no lago e resulta na morte de Joe e outros 20 passageiros a bordo. 

O conflito principal do longa surge quando o capitão do barco ― também dono da empresa responsável pelo passeio, Shoreline Cruises, ― descobre um problema com a seguradora que o impossibilita de pagar a indenização. Para tirar satisfação com a seguradora, Ellen começa a investigar e então somos levados para o enredo principal.

A produção é separada em cinco histórias, intituladas como cinco segredos. Todas elas são apresentadas e narradas por Gary Oldman e Antonio Banderas, que mais tarde são apresentados como Mossack e Fonseca, respectivamente, advogados que possuem uma firma de advocacia no Panamá e realizam o serviço de criação de empresas fachadas para depósito de grandes fortunas de diversos clientes globais para manterem seus dinheiros em paraísos fiscais. 

A trama tem uma sensação didática ao explicar, de forma extremamente simples, o significado de diversos conceitos, tais como paraíso fiscal, empresas fachadas (offshores), evasão tributária, entre outros. 

 

Mossack e Fonseca de A Lavanderia em uma de suas explicações sobre o esquema. Imagem: [Netflix]

Mossack e Fonseca em uma de suas explicações sobre o esquema. Imagem: [Netflix]

Não há, no entanto, uma sensação dinâmica. Os altos e baixos esperados em filmes não estão presente. Tudo acontece de forma linear, e as histórias contadas ― que se mostram como uma tentativa de dinamizar os eventos ― acabam se tornando apenas mais um recurso para a estabilização da obra ao introduzir a narração dos advogados.

De início ao fim o longa não possui um clímax, um conflito principal propriamente dito, ou mesmo uma história. É apresentado como uma junção de fatos e acontecimentos colocados em um grande embaralhador para uma tentativa de crítica ― pouco criativa e original ― do sistema tributário americano. Para uma sátira, ou tentativa de crítica despojada, falta humor e criatividade. 

Além do filme  não ter nada marcante na sua construção e não passar de mais uma vítima das produções em massa da Netflix, as atuações de Streep, Banderas e Oldman combinam com esse padrão. Performances genéricas, medíocres quando comparadas ao histórico dos atores. Com o roteiro extremamente fraco teria sido um milagre se elas tivessem sido qualquer coisa a mais do que ok. De fato, o que resume o longa é isso: genérico, da trilha à fotografia, performances e construção do enredo.

Apesar de ser baseado em fatos reais, envolvendo casos até como o da Odebrecht, o roteirista e o diretor pouco se aproveitam disso. Continuam, por 96 minutos, jogando casos e histórias rápidas demais para despertar interesse ao telespectador e pouco relevantes para o final que Mossack e Fonseca possuem. 

A Lavanderia já está disponível para os assinantes da Netflix. Confira o trailer: 

 

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Madam C. J. Walker: A Visionária da Beleza - Jornalismo Júnior
[…] Há quantos negros presidentes de empresas? Quantas mulheres negras comandam negócios? É possível perceber que são poucos. Se o cenário já é limitado hoje, no século passado era mais raro ainda ver uma mulher preta empreendedora. Mas uma das exceções era Madam C. J. Walker, que conseguiu realizar seus sonhos mesmo com vários obstáculos pessoais e sociais. Sua trajetória foi tão fascinante que se transformou em uma minissérie da Netflix. […]
28 jun 2020
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*