Home Lançamentos Cães indies, gatos roqueiros: estreia a afável animação chinesa “Rock Dog”
Cães indies, gatos roqueiros: estreia a afável animação chinesa “Rock Dog”
CINÉFILOS
04 maio 2017 | Por Jornalismo Júnior

Perfeito pra assistir com o irmãozinho numa tarde de domingo, recheado de humor inocente (e uma ou outra piadinha pros crescidos, como o lobo chefão Linnuxx ameaçando cortar o plano de saúde de um dos funcionários) e um otimismo comovente, Rock Dog – No Faro do Sucesso (Rock Dog, 2016) pode não ter a animação de ponta de estúdios como a Pixar ou uma história tridimensional e surpreendente, mas vai te manter bem entretido durante seus oitenta minutos de duração.

Baseada nos quadrinhos do rockeiro Zheng Jun, Rock Dog é a animação mais cara de produção totalmente chinesa de todos os tempos, tendo custado por volta de 60 milhões de dólares. Sua estreia no país de origem, em julho de 2016, envolveu controvérsias: a maior rede de cinemas da China, Wanda, pode ter tentado restringir o número de salas que exibiriam o filme. No total, apenas sete salas em todo o país exibiu a produção – o que fez do filme um grande fracasso por lá.
Além disso, uma tragédia fez o lançamento internacional do longa ser adiado: um acidente de mountain bike levou um dos produtores do longa, David Miller, à morte, aos 57 anos. O filme ganhou uma merecida dedicatória a Miller anterior aos créditos. A ex-esposa do produtor, Holly Scoren-Miller, conta que David amava filmes que inspirassem pessoas a seguir seus sonhos – e esse é, a todo tempo, a mensagem de Rock Dog.

image2

Um flashback em uma surpreendente estética 2D dá início ao filme, ambientando o espectador na Montanha Nevada – onde Bodi, o simpático Mastim Tibetano que será nosso protagonista, nasceu. Quem narra é o iaque Fleetwood Yak (pegou a referência?), que atua como uma espécie de guru para Bodi e seu pai. Montanha Nevada é habitada por ovelhas, e é um típico vilarejo tibetano – exceto pelo salão de beleza que faz uma engenhosa parceria com uma pequena indústria têxtil, fornecendo a lã cortada do “cabelo” de seus clientes. As ovelhinhas não são lá tão espertas, sendo tema de inúmeras piadinhas durante a trama. O conflito começa quando se conta sobre um ataque da vila por uma alcateia de lobos, que mudou radicalmente a vida dos seus habitantes – principalmente do pai de Bodi, Khampa (que, na versão americana, é dublado por ninguém menos que J.K. Simmons), o cão responsável por espantar os lobos usando uma habilidade especial. O incidente o levou a proibir a música na Montanha, a criar um exército de cordeiros (literalmente) em roupas de lobo (literalmente), e começar a treinar seu filho, Bodi, para proteger o vilarejo.

É durante sua viagem que se inicia talvez o elemento mais mal explorado do enredo: aparentemente, os lobos que atacaram o vilarejo são parte de uma organização-super-secreta-e-do-mal, e desejam se vingar do pai de Bodi. Então, quando ele aparece na cidade grande, dois destes (que consistem numa típica dupla “ good cop, bad cop”, sempre com um quê humorístico) iniciam diversas tentativas atrapalhadas de capturá-lo. Os lobos, embora proporcionem cenas muito divertidas, não tem seu propósito ou identidade bem explicados na história. Bodi, com seu jeitinho inocente, não faz a menor ideia de tudo isso. Ele estava ocupado tentando achar uma banda – e, após ser rejeitado, é aconselhado (por intenções duvidosas) a procurar o próprio Angus Scattergood, para ensinar-lhe música.

image4

O maior ponto fraco do filme é, definitivamente, a animação 3D. O filme comete erros diversos e não consegue entregar um visual interessante, precisando apoiar-se completamente em seu enredo (que também não é revolucionário). Para um público acostumado a animações infantis da Pixar e Disney, por exemplo, a diferença de qualidade visual é gritante. No entanto, Rock Dog tenta constantemente te distrair com elementos de humor inseridos em praticamente todas as cenas, proporcionando ao filme um detalhamento que faltou na animação e no enredo. O roteiro é dinâmico, embora não surpreendente, e se esforça para arrancar do espectador um sorriso – e consegue, diversas vezes. Logo quando o cãozinho começa a construir sua identidade musical, trabalhando numa música, uma ameaça obriga Bodi a retornar a sua vila, mas dessa vez acompanhado por amigos que conheceu na cidade – até os mais inesperados!

O longa se encerra de maneira feliz, concretizando e superando as expectativas que seu tom otimista criou. É no final que se encontra a melhor surpresa: a trilha sonora traz uma música original inusitadamente boa, daquelas que você baixaria para ouvir no celular. Se você curte artistas como Ed Sheeran e Phillip Phillips, fique até o final: você vai amar!

Rock Dog estreia no dia 4 de maio. Confira o trailer!

Por Juliana Santos
jusantosgoncalves@gmail.com

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*