Home E as sequências continuam
E as sequências continuam
CINÉFILOS
22 jul 2011 | Por Jornalismo Júnior

Aproveitando o período de férias em Campo Largo-PR, resolvi conferir a programação do cinema local. Estrutura pequena, apenas duas salas e três filmes em cartaz essa semana: “Carros 2”, “Kung Fu Panda 2” e “Transformers: o Lado Oculto da Lua”. Além deles, vários cartazes anunciando a sessão de estreia de “Harry Potter e as Relíquias da Morte, Parte 2”.

Algo em comum entre esses filmes? São todos continuações.

Uma semelhança que não é ocasional, visto que há duas semanas, o mesmo cinema exibia “Piratas do Caribe 4: Navegando em Águas Misteriosas”, “Velozes e Furiosos 5: Operação Rio” e “X-Men: Primeira Classe”, o quinto filme do universo dos mutantes. A tendência de repetição é clara e não se resume apenas às continuações. Junto a adaptações, remakes e reboots, elas ocupam a grande maioria das salas e são responsáveis pelas maiores bilheterias em todo o mundo. Entre os cinco filmes que mais faturaram em 2010, apenas “A Origem” era roteiro original e todas as cinco maiores arrecadações deste ano (até 11/07) são sequências – “Piratas do Caribe 4”, “Transformers 3”, “Velozes e Furiosos 5”, “Kung Fu Panda 2” e “Se Beber Não Case 2”.

Estaria, então, a indústria do cinema vivendo uma crise de criatividade?

Não necessariamente. O domínio das sequências e readaptações só demonstra que a Hollywood não está muito disposta a arriscar e prefere investir no prolongamento dos grandes sucessos, com retorno financeiro garantido. Trata-se apenas da repetição de fórmulas que estão dando certo. Se por um lado, não há inovação de estilo, por outro, os fãs cativados seguem lotando as salas e engordando a arrecadação das distribuidoras. Camila, 14, é um exemplo, enquanto aguardava na fila para assistir o segundo filme de Kung Fu Panda, contou que gosta de assistir às continuações porque é uma chance que ela tem de ver de novo seus personagens favoritos.

Apesar da qualidade de algumas continuações ser discutível e claramente inferior aos primeiros filmes, como no último lançamento da franquia Shrek, o oposto também ocorre, com sequências que engrandecem a obra e aprofundam os roteiros iniciais,como na trilogia Toy Story. Não é o simples fato de ser uma produção caça-níquel que determinará a qualidade do filme, mas sim a capacidade dos roteiristas e diretores de acrescentar detalhes e desdobramentos que enriqueçam as obras. As continuações em si não são um problema, por mais que incomodem alguns fãs carentes de boas novidades.

A despeito de qualquer discussão, várias distribuidoras já anunciaram novas expansões. A Warner, por exemplo, traz ainda esse ano as sequências de Happy Feet e Sherlock Holmes, além de “Premonição 5”; a Pixar já anunciou a produção de “Monstros S.A. 2” e a Dreamworks vem com “Gato de Botas”, longa-metragem baseado no personagem homônimo dos filmes do Shrek, além de estar produzindo “Madagascar 3”.

Essa tendência não dá sinais de enfraquecimento. O que podemos fazer, então, é esperar por boas sequências, pois elas vão continuar.

Por Mateus Nezel
mateusnetzel@gmail.com

TAGS
Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*