Home Feito para você, mulher
Feito para você, mulher
02 ago 2012 | Por Jornalismo Júnior

A primeira imagem que surge na tela é a de um vaso de flores. A câmera se afasta gradualmente e, ao fundo, revela-se uma grande janela com vista para uma avenida movimentada. É o cenário da mulher moderna.

Eis que uma moça no meio do estúdio começa a falar, com bom humor incomum àquela hora da manhã (aliás, com bom humor incomum a qualquer hora do dia):

–  Bom dia, São Paulo! Bom dia, Brasil! Está começando mais um “Você Mulher”. O programa de hoje tá cheio de coisa boa, aposto que você não vai desgrudar da TV! Olha só o que teremos nessa manhã de segunda-feira!

Minha televisão é invadida por uma série de imagens que não são lá muito surpreendentes: uma mulher autografando livros, um desfile de lingerie, celebridades sendo abordadas na porta de uma festa e pessoas correndo em esteiras numa academia.

Só que a voz que fazia as chamadas não era mais a da mocinha alegre, mas a de um homem sério e um pouco rouco:

– A psicóloga Carolina Andrade fala sobre seu mais novo livro. Um desfile de lingerie para todos os gostos. As últimas novidades dos famosos. A mais nova série de exercícios para deixar o bumbum durinho. Tudo isso em instantes, no “Você Mulher”.

De volta ao estúdio, a apresentadora felicíssima se encontra sentada num sofá junto à mulher que aparecera dando autógrafos.

– Bom, gente, pra começar bem o nosso programa, vamos conversar com a Carolina Andrade. Ela é psicóloga e escreveu esse livro que tá aqui na minha mão, “Seja você”. Obrigada por aceitar nosso convite, Carolina!

– Obrigada a vocês pela oportunidade. Eu gosto muito do seu programa, você é muito simpática! – disse a autora, olhando fixamente para a câmera e sorrindo.

– Ah, obrigada! Bom, como o título já diz, você nos aconselha a viver do nosso jeito, a ser como a gente é. Conta um pouquinho pra mim o motivo de você ter escolhido esse tema.

– Bom, Vivi, eu comecei a observar nos meus pacientes, e principalmente nas minhas pacientes adolescentes um certo medo de não ser aceito, de não se encaixar nos padrões que a mídia e a sociedade impõem, principalmente em relação à aparência.

– Isso é muito comum, não é? E os impactos psicológicos são muito intensos?

– Ah, é muito comum sim. Então, a pessoa passa a reprimir o seu comportamento natural, a querer se vestir como os outros, a falar como os outros, a fazer o que todo mundo faz. A pessoa praticamente sufoca quem ela é de verdade pra ser do jeito que os outros esperam que ela seja.

– Inclusive em relação ao corpo, à aparência…

– Exatamente. Eu tenho uma paciente de 12 anos que por pouco não ficou com bulimia. Ela queria comer, mas se sentia culpada depois, porque todo mundo na escola a chamava de “gordinha”. Daí ela achou essa saída: ela comia sem parar e depois induzia o vômito, pra não engordar.

– Nossa, Carol… Bom, é lógico que todo mundo quer ser bonita, mas existem meios saudáveis pra conseguir o corpo que se deseja. Tem que fazer dieta, exercício físico, consultar uma nutricionista…

– Sim, todo mundo quer parecer bonito. Mas o importante mesmo é ter saúde. E ser você mesmo, não tem que ficar ligando para o que os outros pensam. Tem que se aceitar, do jeito que você é…

Resolvi mudar de canal e verificar o que mais estava passando. Nas outras emissoras, porém, os programas eram todos parecidos. Retornei para o “Você Mulher”. Pelo menos eles davam algumas notícias no meio do programa.

Agora, a Vivi estava ao lado de um cara com pinta de estilista e cochichava ao ouvido dele. Numa passarela improvisada, modelos desfilavam com calcinhas e sutiãs rendados, corpetes justos e meias sete oitavos com babados. Nos pés, os saltos mais altos que alguém poderia usar. A lente da câmera percorria seus corpos dos pés à cabeça. Literalmente.

– Vamos pedir pra Amanda dar uma voltinha, Bernardo?

– Claro!

– Menina, que corpão hein!

– E você que tá aí em casa, que quer fazer uma surpresa para o namorado ou para o maridão, vem conferir a coleção nova na nossa loja!

– Nossa, Bê, tá imperdível essa coleção! E a mulher tem que se arrumar mesmo pra dar aquela apimentada no relacionamento, né?

– Com certeza, Vivi! Tem que agradar o companheiro um pouquinho. Ninguém merece chegar em casa e encontrar a mulher de moletom, com aquelas roupas largas, o cabelo desarrumado…

– Verdade! A Camila enviou um recado pra gente pelo Twitter. Beijo, Camila! Olha só: “Bernardo, adorei as peças! Tem mulher que é traída e depois não sabe o motivo. Mas, com essas lingeries, vai ser impossível perder o bofe.”

E os dois caíram na gargalhada. Imagino que a Camila também.

No próximo quadro, a Vivi recebeu uma editora de revista de fofoca que fazia questão de ressaltar o quanto ela admirava e gostava daqueles que citava nas suas matérias.

A jornalista contava sobre um boato de que um cantor sertanejo estava sendo procurado por uma mulher. Esta dizia ter tido um filho com ele e exigia um exame de DNA. “Fontes confiáveis próximas ao Mauro” conversaram com um repórter da revista e revelaram que o cantor conheceu a moça nos bastidores de um show  e que teve um caso com ela durante alguns meses, quando já era casado.

Fiquei feliz em receber essa informação. Ela mudou o meu dia.

– Olha, Vivi, o Mauro é meu amigo. Ele é uma pessoa muito honesta e fiel. Os assessores dele confirmaram que o casamento dele com a Denise vai muito bem e que ele está disposto a fazer o exame de DNA.

– Bom, a gente não pode saber se a moça está falando a verdade ou não até que o resultado do exame saia. E a gente também não tem como confiar completamente nessas fontes.

– É verdade. Eu acho incrível como tem gente que adora falar da vida dos outros!

E encerrando o programa de uma hora veio a matéria que as telespectadoras mais esperavam (ou a que a produção assim pensava): a série de exercícios para deixar o bumbum durinho.

Desta vez, nem a mocinha alegre tampouco o homem sério e rouco deram voz à sequência de imagens, mas uma mulher de voz meio anasalada.

– Elas são lindas, desejadas, famosas e possuem corpos invejáveis. – Enquanto a mulher dizia a frase pausadamente, fotos de atrizes, cantoras e ex-participantes de reality shows preenchiam a tela, a maioria delas retiradas de ensaios sensuais e de flagras de paparazzi na praia. – Elas tem os seus segredos, nós vamos revelá-los em primeira mão.

A apresentadora achava-se no momento seguinte num espaço aberto, ao lado de um homem musculoso e duas garotas vestindo roupa justa de academia.

– Oi, voltamos. Estamos aqui com o Roberto, personal trainer das estrelas. Ele vai ensinar pra gente os exercícios que as famosas fazem pra ficar com um bumbum durinho e maravilhoso. Tudo bem, Roberto?

– Tudo bem, Vivi! É isso mesmo, hoje eu vou revelar o segredo das famosas pra manter o bumbum impecável.

– Vamos começar, então? Vamos lá, meninas?

– Vamos lá. Eu vou pedir pra Débora e pra Bia começarem a primeira série. Ela é muito simples…

O programa seguiu mostrando os agachamentos, flexões e levantamentos que todo mundo já conhece. A única diferença é que a série de exercícios das estrelas tinha que ser executada diariamente e numa quantidade de repetições surreal, além da dieta especial que retirava todo tipo de doce, inclusive, e principalmente, chocolate.

Fiquei pensando se a mulher comum teria tempo disponível para aquela série de exercícios. Pensei nas mulheres com quem convivo e cheguei à conclusão de que não. Mais do que isso, percebi que o “Você Mulher”, assim como os outros programas do tipo, tratava de poucos temas que faziam parte da vida delas.

As mulheres que eu conhecia eram tão diferentes entre si, queriam coisas tão diferentes, pensavam de um jeito tão diferente que um programa como esse só fazia cócegas no que tange a mulher da vida real, a mulher anônima.

Pensei na minha avó. Será que aquele programa abordou ao menos um aspecto que faz parte do universo da mulher madura? Ou para ela só restava o programa de culinária? Minha avó não faz bolo, ela compra pronto no mercado.

Será que eles pensavam que todas as mulheres eram assim ou queriam que todas elas fossem assim? Auto-ajuda, calcinha e sutiã, a vida dos famosos e como ter um corpo “perfeito” é só o que queremos e precisamos saber? É tudo que somos?

Minha reflexão foi interrompida pela despedida da Vivi:

– Você não pode perder o programa de amanhã! Vamos ensinar uma maquiagem para o dia, uma receita de bolo light, vamos receber estilistas falando sobre as últimas tendências de vestido de noiva e ainda tem uma surpresa especial pra você. Obrigada pelo carinho, obrigada pela audiência! Tchau!

Desliguei a TV. E não ligaria amanhã no mesmo horário. Definitivamente.

Por Gabriela Fachin
gabrielafachin@yahoo.com.br

 

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
revit
Adorei aquilo que vou lendo aqui pelo teu blog, continue
07 out 2012
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*