Home Virou História Haka: muito além da intimidação
Haka: muito além da intimidação
ARQUIBANCADA
25 jul 2017 | Por Jornalismo Júnior

Por Beatriz Gatti

Quem já assistiu a um jogo de rugby dos All Blacks – seleção masculina da Nova Zelândia – certamente já se deparou com a tradicional dança que a equipe apresenta antes do início de, praticamente, todas as partidas. Quem não a conhece, pode também recorrer a filmes como Invictus, de Clint Eastwood, que fazem referência a esse aspecto do legado dos povos Maori. De qualquer forma, o Haka é um dos rituais mais intrínsecos à cultura neozelandesa e uma das tradições que mantêm firmes as raízes do seu povo nativo.

Símbolos e origens históricas

O Haka consiste em exaltar caretas – como esbugalhar os olhos e colocar a língua para fora ー e tapas rítmicos por todo o corpo para acompanhar os gritos vigorosos, que possuem significados mitológicos na língua Maori.

O ritual é uma típica dança de guerra da tribo, que busca enaltecer a determinação, o vigor e a unidade dos guerreiros e, dessa forma, intimidar os inimigos. “Primeiramente, quando fazemos o Haka, sabemos que estamos entre irmãos; (…) estamos em campo, estamos um confiando no outro, demonstrando força, vontade e coragem”, afirma Cameron Macpherson, estudante da escola Rangitoto College, de Auckland.

Além disso, o Haka também é realizado em celebrações a convidados de honra, para dar as boas-vindas e demonstrar a importância da ocasião. “A letra [do Haka] não só demonstra força, mas, principalmente, o respeito que temos pelo outro, seja esse outro um adversário ou uma pessoa que queremos homenagear”, completa Cameron.

O forte vínculo do Haka com o rugby neozelandês está estritamente relacionado ao primeiro time do país, que era composto somente por jogadores Maori. Desde 1888, o ato cerimonial está atrelado à seleção nacional de rugby e esse costume evoluiu junto à força e à habilidade dos All Blacks.

Diversidade

Existem inúmeros tipos de Haka, sendo cada um deles a representação de uma lenda específica e seus símbolos. O mais utilizado na história dos All Blacks é o “Ka mate, Ka mate”. A música teria sido criada em 1820 pelo antigo líder maori Te Rauparaha, em um contexto de conflito com uma tribo rival. Sua letra comemora a fuga do líder diante dos inimigos, os quais achavam que este estaria morto, quando, na verdade, estava apenas escondido.

Líder:

Ringa pakia!                                                                                             Bata suas mãos nas suas coxas!

Uma tiraha!                                                                                              Encha o peito.

Turi whatia!                                                                                              Dobre os joelhos!

Hope whai ake!                                                                                       Deixe os quadris seguirem!

Waewae takahia kia kino!                                                                      Bata os pés o mais forte que puder!

Ka mate, ka mate                                                                                    Você morre, você morre

Time:

Ka ora’ Ka ora’                                                                                          Eu vivo, eu vivo

Líder:

Ka mate, ka mate                                                                                    Você morre, você morre

Time:

Ka ora’ Ka ora’                                                                                          Eu vivo, eu vivo   

Todos:

Tēnei te tangata pūhuruhuru                                                                Este é o homem peludo

Nāna i tiki mai whakawhiti te rā                                                            Que fez o sol brilhar por mim de novo

A Upane! Ka Upane!                                                                               Subindo a escada, subindo a escada

A Upane Kaupane”                                                                                 Até o topo

Whiti te rā,!                                                                                               O sol brilha!

Hī!                                                                                                               Levante-se!

 

Em 1903, foi apresentada a versão “Tena Koe Kangaroo” antes de uma partida entre Nova Zelândia e Austrália. A canção gerava sempre uma tensão entre as equipes, já que sua letra era uma provocação clara à equipe australiana:

Tena koe, Kangaroo                                                                                 Como vai, Canguru!

Tupoto koe, Kangaroo!                                                                             Preste atenção, Canguru!

Niu Tireni tenei haere nei                                                                        A Nova Zelândia está invadindo!

Au Au Aue a!                                                                                              Coitados de vocês!

 

A partir de 2005, os All Blacks começaram a apresentar um Haka inédito: o “Kapa-o-pango”. A nova versão não substituiu o tradicional “Ka mate”, porém tornou-se famosa por se tratar de uma canção cuja letra remete diretamente ao time neozelandês. O estudioso da cultura maori Derek Lardelli compôs o Haka em homenagem aos All Blacks e à samambaia prateada, símbolo do time.

Kapa o Pango kia whakawhenua au i ahau!                                         All Blacks, deixem-me tornar um com Terra     

Hī aue, hī!                                                                                               

Ko Aotearoa e ngunguru nei!                                                                  Esta é nossa terra que treme                       

Au, au, aue hā!                                                                                           É nossa hora! É o nosso momento

Ko Kapa o Pango e ngunguru nei!                                                         Isso nos define como os All Blacks

Au, au, aue hā!                                                                                           É nossa hora! É o nosso momento

I āhahā!                                                                                                  

Ka tū te ihiihi                                                                                              Nossa dominação

Ka tū te wanawana                                                                                   Nossa supremacia irá triunfar

Ki runga ki te rangi e tū iho nei, tū iho nei, hī!                                       E seremos colocados no topo

 

Ponga rā!                                                                                                   Samambaia prateada

Kapa o Pango, aue hī!                                                                             All Blacks

Ponga rā!                                                                                                   Samambaia prateada

Kapa o Pango, aue hī, hā!                                                                       All Blacks!

 

O novo Haka apresenta como movimento final da dança o dedão passando pela garganta, que simula uma situação de degolamento. Isso levantou um grande debate sobre incitação à violência, mas o time neozelandês alegou que o gesto representa, na cultura maori, “o sopro da vida trazido para dentro do coração e pulmões”. 

The Evolution Of The Haka

Incredible.#Haka

Publicado por RugbyLAD em Quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A presença do ritual em outras seleções

O Haka não é uma dança exclusiva da Nova Zelândia. Outras ilhas do Pacífico também têm danças de guerra arraigadas na cultura dos aborígenes de suas terras. Em oposição ao Haka, seleções de rugby de países como Fiji, Tonga e Samoa passaram também a preceder as partidas apresentando os rituais chamados de “Cibi”, “Sipi Tau” ou “Kailao” e “Siva Tau”, respectivamente.

Perda de significado

Com a popularização do Haka e a ampla divulgação de seus vídeos ao redor do mundo, algumas pessoas têm se incomodado com uma suposta superexposição e consequente banalização do ritual.

Em 2011, o debate esteve acalorado quando o então técnico da seleção sul-africana, Peter de Villiers, afirmou que o Haka estava perdendo sua força por ser realizado de forma indiscriminada. Sobre tal afirmação, o líder Maori, Peter Love, reiterou que a ocorrência frequente e a valorização do lado comercial prejudicavam a tradição carregada pelo Haka: “Estou preocupado que nossa cultura [Maori] esteja sendo violada pelo uso excessivo e inapropriado do Haka, quando sua performance ocorre fora de ocasiões especiais.”

Quando questionado sobre a relação com o esporte, Love foi ainda mais incisivo “[O Haka] Está sendo sequestrado pelas pessoas do rugby. (…) Não deveria ser desviado pelo esporte. Peter de Villiers está terrivelmente certo quando diz que se está perdendo o respeito.”

Um lado positivo, no entanto, é defendido pelo escritor e pesquisador da School of Maori Studies, da Universidade Massey, Malcolm Mulholland. Ele afirma que as demonstrações do Haka são um “jeito maravilhoso de exibir a cultura indígena da Nova Zelândia ao mundo”. Alguns cidadãos neozelandeses também parecem se orgulhar da retratação de sua cultura pelos All Blacks. “Os All Blacks representam a nós. Eles demonstram força e respeito, que são as principais coisas do Haka. Eles não só o fazem para o time adversário, mas, sim, para o público, homenageando e agradecendo a eles; provando que são fortes e que vão representar bem o país.”, conclui o estudante Macpherson.

 

Arquibancada
O Arquibancada é a editoria de esportes da Jornalismo Júnior desde 2015, quando foi criado. Desde então, muito esporte e curiosidades rolam soltos pelo site, sempre duas vezes na semana. Aqui, o melhor de todas as modalidades, de todos os pontos de vista.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*