Home SCI-FI ‘Metrópolis’: a distopia pelo ponto de vista do privilegiado
‘Metrópolis’: a distopia pelo ponto de vista do privilegiado

Mesmo com o destaque às máquinas, o livro traz uma história sobre a natureza humana e suas crenças

SCI-FI
25 fev 2022 | Por Julia Custódio (juliamcustodio@usp.br)

Um clássico da ficção científicaMetrópolis (Editora Aleph, 2019) é um romance que concilia elementos geralmente vistos como conflitantes: a distopia das máquinas e o desenvolvimentismo das sociedades com a religião e o místico. Essa combinação pode causar estranhamento e até confusões durante o curso da narrativa, mas ao final fica clara a atribuição dessas ideias na obra.

Imagem em preto e branco da autora

Thea Von Harbou, autora de Metrópolis. Além de atriz e escritora, também roteirizou diversos filmes e se tornou um nome importante do cinema. [Imagem: Reprodução/ Editora Aleph]

Escrito por Thea Von Harbou, o livro serviu como base para o roteiro do filme homônimo que a autora adaptou em 1927 junto ao seu marido, na época, Fritz Lang. Tudo começa com um romance um tanto inesperado: Freder, o filho do grande cérebro da cidade-Estado Metrópolis, se apaixona por uma jovem que cruza o seu caminho e o critica, mais especificamente, o estilo de vida da elite. A cena não é muito longa, e se resume à jovem passeando com um grupo de crianças e apontando para os filhos dos abastados, denunciando-os — “Vede, estes são vossos irmãos!”. No entanto, esse momento proporciona reflexões profundas em Freder, acerca da grande importância dada às máquinas na cidade e o descaso com os trabalhadores que as alimentam.

Após questionar Joh Fredersen, seu pai, sobre o assunto, que defende que a natureza dos homens é falha e, por isso, devem ser subjugados a tais trabalhos, Freder resolve usar o seu privilégio para fazer alguma diferença. O jovem ajuda e se alia ao ex-Primeiro secretário de Metrópolis, Josafá, e troca de identidade com um operário durante um turno. Com o decorrer da história e, principalmente, de acordo com o que acontecia com Maria — a jovem por quem estava apaixonado —, Freder não se mantém fiel a sua postura inicial. Isso  causa sofrimento a si mesmo e aos personagens próximos a ele, o que pode ser explicado pela frase dita por Maria:

“O cérebro e as mãos precisam de um intermediário. E o intermediário entre o cérebro e as mãos deve ser o coração”.

Além das questões de Freder e da rebelião que se agitava entre os trabalhadores, o livro acompanha outro plano: o de Rotwang, um homem morador de uma casa milenar que aparentemente possui poderes, inventor de máquinas e conhecido de Joh Fredersen. Esse personagem apresenta o lado místico da história e adiciona o ingrediente indispensável para o desenvolvimento dos acontecimentos mais importantes da ficção: a mulher-máquina.

O que de início parece ser uma crítica às máquinas, se desenrola e se mostra como uma crítica à natureza humana. A fé exacerbada nas máquinas, vistas até como divindades, e o total desgosto por elas leva a acontecimentos trágicos, frutos de erros de ambas as classes sociais pertencentes a cidade. Essa crítica é baseada na questão dos sentimentos, como na frase dita por Maria, em que o cérebro seria o Senhor de Metrópolis e as mãos, os trabalhadores que moram na cidade subterrânea em condições precárias. A comparação entre esses dois lados, de modo a entender que ambos cometeram decisões igualmente ruins, esvazia muito da interpretação de que a miséria causada em Metrópolis foi feita por um sistema opressivo, que valoriza as máquinas em detrimento dos homens. 

A camada religiosa e mística da história também acrescenta um ponto de vista interessante quando os personagens se voltam às suas crenças para se questionar sobre os acontecimentos, além de serem essenciais para a descrição das máquinas e da figura feminina, comparadas como puras e virgens.

Apesar do cenário distópico, a narrativa da obra é guiada, sobretudo, pelas relações entre as personagens. Freder não simpatiza pelos rebeldes devido aos seus ideais, mas sim pelos ideais de Maria, assim como Joh Fredersen e Rotwang possuem richas que afetam diretamente o destino da cidade. Dessa forma, a história conclui com o desfecho das relações e não com o futuro de Metrópolis e dos operários.

 

*Capa [Imagem: Divulgação/Editora Aleph]

Laboratório
O Laboratório é o portal de jornalismo científico da Jornalismo Júnior. Apaixonados por curiosidades, nosso objetivo é levar a informação científica o mais próximo possível do público leigo. Falamos sobre saúde, meio ambiente, tecnologia, ficção científica, história da ciência, escrevemos crônicas, resenhamos livros, cobrimos eventos e muito mais!
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*