Home Guardarroupa Moda Genderless: muito mais do que campanhas publicitárias
Moda Genderless: muito mais do que campanhas publicitárias
Guardarroupa
06 abr 2016 | Por Jornalismo Júnior

A maior rede de departamentos do Brasil, C&A, lançou há pouco tempo a sua campanha “Tudo lindo e misturado”, que aqueceu o debate sobre a moda Genderless. No entanto, ao contrário que muitos imaginam, o nome “Tudo lindo e misturado” não remete especificamente à mistura dos gêneros, mas diz sobre as figuras que vão compor os comerciais da marca, que não mais serão estrelados somente por celebridades, mas também por “gente como a gente”.

Ainda assim, num comercial ousado (mas nem tanto) a C&A mostrou por alguns segundos algo raramente visto no mundo da moda brasileiro: um homem de vestido. Estampadíssimo, pra completar. O momento poderia ter durado mais e sido mais revolucionário, mas foi o suficiente pra que o assunto entrasse na agenda da mídia. Contudo, as fotos e outros vídeos da campanha são mais do mesmo: homens com roupas “de homem”, mulheres com roupa “de mulher”. Para além do que se encaixa ou não nessas categorias binárias, é bom que as marcas de roupas saibam que não estão inventando a roda. Ou reinventando. A moda não tem gênero, mas a imposição das marcas de roupa se dá indiretamente: roupas pensadas para o corpo feminino, com um tamanho limitado, impactam não só homens que quiserem utilizar a peça, mas também mulheres que não se encaixam nesses padrões (isso já é assunto pra um outro texto). O contrário também acontece, roupas masculinas tendem a ser maiores e menos ajustadas.

Levando isso em consideração, a marca Melissa aderiu a moda Genderless de maneira muito mais prática e fashion. Ao invés de apresentar uma coleção toda cinza e larga, como fez a marca Zara, a Melissa aumentou a numeração de seus calçados até então direcionados ao público feminino, além de lançar outros modelos Genderless.

Flox, o novo modelo Genderless da Melissa. (Imagem: Divulgação)

Cabelo, roupas e acessórios não são apenas cabelos, roupas e acessórios. A moda pode ser usada como arma de combate contra opressões, para expressar sentimentos e ações. A moda Genderless é, nesse sentido, muito mais do que uma nova tendência, mas um movimento que propõe as pessoas que elas usem o que bem entenderem, não só o que é socialmente aceito e endosado.

(Imagem em destaque: Jesse Prat, Flickr)

Por Natália Belizario Silva
nabelizarios@gmail.com

 

 

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*