Home Mostra Internacional de SP: O desaparecimento do Ilusionista
Mostra Internacional de SP: O desaparecimento do Ilusionista
CINÉFILOS
09 nov 2015 | Por Jornalismo Júnior

por Flávio Ismerim
flavio.ismerim@gmail.com

Este filme faz parte da 39ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Para conferir a programação completa clique aqui

O filme norueguês O desaparecimento do Ilusionista (Dirk Ohm – Illusjonisten som forsvant, 2015) esteve na 39ª Mostra Internacional de Cinema em SP no seção Foco Nórdico, que foi planejada para dar mais visibilidade às estéticas nórdicas no cenário nacional. O contraste do jogo de tons da obra é o que persiste após o conflito psicológico do ilusionista Dirk Ohm (August Diehl).

Toda a trama do filme dirigido por Bobbie Peers se dá em torno do desaparecimento de Maria (Sara Hjort Ditlevsen). Dirk é encontrado quase congelado dentro de seu carro na estrada, é levado a um hospital e quando recebe alta se dirige a outra cidade em busca de novas apresentações para se manter. O ilusionista alemão tem o costume de vagar por diferentes terras e acaba chegando a uma pequena cidade na Noruega. Lá ele consegue que sua estadia seja paga com seus shows repletos de truques bastante impressionantes.

ilusionista1

Depois de um de seus shows, Dirk Ohm recebe a visita de um casal desesperado que lhe pede ajuda para encontrar sua filha. Ele tenta deixar claro que não faz nada além de truques bobos, mas eles não acreditam. A partir daí, o ilusionista mergulha no universo da garota e se junta à polícia e ao pais na busca pela garota.

Bobbie Peers, para manter o suspense e nunca nos revelar se Maria de fato está com Dirk ou não, abusa de estratégias de narrativa que estruturam uma ambiguidade bastante instigante. A verdade nos é revelada em uma cena bastante profunda (a exemplo dos seus truques no show de mágica) e o envolvimento de Dirk com Maria só se torna intenso.

As cores do filme e sua trilha sonora pontuam muito bem a intensão de cada cena. Os tons frios e claros nas externas em contraste com a densidade, escuridão e calor apresentados pelos ambientes internos. Lá fora se dão as buscas, as perdas, as ambiguidades, as pausas e os questionamentos. Aqui dentro acontecem os conflitos, os sentimentos, as surpresas, o encantamento e o prosseguimento da narrativa. É uma clássica inversão dos regimes dos filmes tradicionais, nos quais o herói costuma batalhar de dia e repousar de noite.

ilusionista2

Num filme em que a primeira cena também é a última, a narrativa dá voltas que nos fazem pensar no quão óbvios são os filmes que estamos acostumados a ver. O desaparecimento do ilusionista convida à reflexão e nos prende numa trama com elementos tão diferentes, mas que combinam muito bem. Tem um amor doce, um drama intenso, um suspense contínuo e um herói com credibilidade posta à prova.

Enfim, a última coisa a que se deveria prestar atenção são os detalhes. Contudo, Bobbie Peers os amarra de forma tão brilhante que eles contribuem diretamente para a interação espectador-filme. Seja num corte brusco ao fim de um plano estático, seja numa câmera até então desconhecida de uma cena muitas vezes repetida.

 

 

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*