Home Lançamentos O Destino de Júpiter: faltaram os pés no chão
O Destino de Júpiter: faltaram os pés no chão
CINÉFILOS
04 fev 2015 | Por Jornalismo Júnior

por Jullyanna Salles
salles.candido@gmail.com

Quando os irmãos Wachowski (diretores da trilogia Matrix) anunciaram o lançamento de um novo filme em 2015, muitas expectativas no mundo do cinema foram alimentadas. O destino de Júpiter (Jupiter Ascending, 2015) estreia no Brasil em 5 de Fevereiro e traz nomes como Mila Kunis e Sean Bean no elenco.

<a href="https://www.youtube.com/watch?v=CcXorD8o8uE">https://www.youtube.com/watch?v=CcXorD8o8uE</a>

Com pouco mais de duas horas de duração, o longa foi produzido para suportar os efeitos visuais característicos da dupla de diretores. E essa tarefa, o filme realiza com excelência. Explosões, lutas corpo a corpo e cenas de ação com intervalos de slow motion são bastante frequentes e, no 3D, impressionam. A trilha sonora também acompanha bem as passagens da produção, deixando de ser apenas um fundo musical e realmente integrando a história.

JUPITER ASCENDING

O roteiro, por outro lado, não é muito surpreendente. Jupiter Jones, vivida por Mila Kunis, corre constante risco de morte e tem sua vida assegurada inúmeras vezes por seu tão previsível par romântico, Caine (Channing Tatum). Na maior parte do enredo, é a típica moça frágil e inocente que cai em armadilhas óbvias e depende de seu  protetor para ser resgatada.

A história envolve outros mundos além da Terra. Mais que isso: trata galáxias como grandes fazendas em que a procriação dos habitantes é controlada de acordo com interesses dos donos de cada planeta. Jupiter é, na Terra, apenas mais uma, mas para o universo, uma grande proprietária. Sua genética comprova o sangue nobre que a mocinha não faz ideia que tem. Uma passagem interessante é quando, reivindicando seu título, ela precisa passar por incontáveis departamentos e lidar com uma burocracia tão semelhante à que encontramos nos setores públicos atuais, que a cena parece ser inserida como uma crítica discreta.

filme destino de jupiter
Houve uma tentativa de mistério sobre o real caráter dos vilões, mas o maniqueísmo do roteiro deixa sempre claro o bom e o mau fazendo uso da caricaturização dos personagens. Apenas uma atitude da protagonista, já no desfecho, causa ligeira surpresa, mas não o suficiente para alguma reviravolta. Os ápices do filme se concentram mais nos resultados das cenas de ação do que no real desenvolvimento da história.

É perceptível o empenho na produção estética do longa de forma geral: figurinos, maquiagens e caracterizações são de grande qualidade. A história, no entanto, está longe de apresentar a genialidade dos irmãos Wachowski. Neste caso, o expectador vai ao cinema com o enredo definido em sua cabeça após as primeiras cenas, preparado para ser surpreendido apenas com a experiência visual.

destino de jupiter

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*