Home Lançamentos Os Penetras 2: Quem Dá Mais? – Uma trama que não se decide
Os Penetras 2: Quem Dá Mais? – Uma trama que não se decide
CINÉFILOS
19 jan 2017 | Por Jornalismo Júnior

Continuações de sucessos do cinema costumam ser uma faca de dois gumes: ou conseguem superar os seus antecessores tanto na qualidade como nas bilheterias, ou são verdadeiros fracassos, que se tornam completamente desnecessários. Os Penetras 2 – Quem Dá Mais (2017), continuação de Os Penetras, é, infelizmente, um exemplo do segundo caso.

penetras-1

A história começa com a morte do golpista Marco Polo (Marcelo Adnet), depois que ele dá um golpe no amigo Beto (Eduardo Sterblitch). A partir daí, Beto se torna protagonista da história e tem que aprender a lidar com a morte do amigo, e começa a ver um fantasma dele por toda a parte. Dá para se imaginar que esse seria o enredo que daria liga a toda à trama, mas o roteiro se perde em outras sub-histórias para se chegar a lugar nenhum.

Um novo personagem que surge na continuação é Santiago (Danton Mello), um ricaço que atropela Beto e acaba ficando amigo dele. Outra figura que aparece durante a história é o russo Oleg (Mikhail Bronikov), que também se aproxima do inocente protagonista, interpretado por um exagerado, mas simpático Sterblitch, mais acostumado com seus excêntricos personagens humorísticos na TV.

mariana-ximenes-penetras

O filme ainda desperdiça o talento de ótimos atores, como é o caso de Stepan Nercessian, que mesmo dando o ar da pouca graça do filme, se perde na quantidade desnecessária de personagens, e Mariana Ximenes, que tem como única função ser um bibelô que se exibe com trajes sensuais.

Com estreia nos cinemas no dia 19 de janeiro, Os Penetras 2 – Quem dá mais pode agradar o público brasileiro que lota as sessões de comédia nacionais, mesmo sem arrancar quase nenhuma gargalhada.

por Mel Pinheiro
mel.pinheiro.silva@gmail.com

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*