Home Por uma vida mais consciente
Por uma vida mais consciente
CINÉFILOS
27 out 2008 | Por Jornalismo Júnior

Bruna Buzzo

De volta à telas de cinema, o diretor Wim Wenders apresentou Palermo Shooting ao público da 32ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Seu novo filme é um tributo a dois grandes mestres do cinema: Michelangelo Antonioni e Ingmar Bergman, que morreram no mesmo dia, em 30 de julho de 2007, e antes do término das filmagens de Palermo.

O filme tem como personagem principal um fotógrafo, assim como Depois daquele beijo, 1966, de Antonioni, que irá de encontrar com a Morte, tal qual o cavaleiro de Bergman em O Sétimo Selo, de 1956. Finn Gilbert (Campino) é um fotógrafo e professor universitário que vai à pequena cidade de Palermo, na Itália, em busca de calma e sentido para a vida vazia que leva na Alemanha.

No ápice de suas insônias e confusôes mentais, Finn sofre um acidente que poderia tê-lo matado e começa a repensar sua vida e o que fez dela até então. Usando um ensaio fotográfico como pretexto, vai à Palermo para longas férias. Ali, o fotógrafo se encontra com a Morte diversas vezes durante o desenrolar da trama. Em seus passeios pela pequena cidade, fotografa o interessante à sua volta, é evitado por uma tímida ovelha e conversa com uma fotógrafa que retrata a morte e a transitoriedade das cenas, objetos e pessoas.

Ainda dominado pela dificuldade em dormir, Finn adormece em um local público e é desenhado por Flavia (Giovanna Mezzogiorno), uma moça que trabalha na restauração de um quadro no Museu de Arte da cidade. O jovem acredita estar sendo atacado por um arqueiro que deseja matar-lhe e confia sua história à Flavia, única a acreditar no rapaz devido ao longo contato com o quadro “O Triunfo da Morte em Palermo”, que retrata justamente a morte, sem face, como cavaleiro(a) e arqueiro(a).

Mais dinâmico que outros filmes de Wenders, Palermo Shooting reflete sobre os valores que atribuímos à vida e morte, esta última sempre vista como vilã, sobre a fotografia, as novas tecnologias e a sociedade da imagem na qual vivemos. Em algumas cenas, a citação a pensadores como Jorge Luis Borges e José Saramago é bastante clara e Wenders defender muito bem suas idéias nas falas de seus personagens.

A fotografia e a trilha sonora merecem destaque a parte: Finn é viciado em fones de ouvido e, em muitas cenas, a música pára, aumenta ou abaixa de acordo com a atitude do fotógrafo em relação aos fones. A escolha das músicas também foi muito bem pensada, harmonizando com a velocidade ou não das cenas. A grande maioria deste longa se desenvolve em tons escuros. No campo, mais calmo e próximo de Flavia, a fotografia abre para lindas cenas da paisagem italiana, em oposição ao cinza da Alemanha em que o jovem Finn vivia.

Na Mostra de Cinema de São Paulo, o filme será exibido pela última vez hoje (27), às 19h50, na sala 2 do HSBC Belas Artes (R. da Consolação, 2.423, tel. (11) 3258-4092). O ingresso custa R$7 e vale a fila!

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*