Home Lançamentos Risos e papos sérios em ‘Minha Mãe É Uma Peça 2’
Risos e papos sérios em ‘Minha Mãe É Uma Peça 2’
CINÉFILOS
21 dez 2016 | Por Jornalismo Júnior

Ver os filhos crescerem e começarem a tomar seus rumos na vida é motivo de orgulho para qualquer mãe, mas vê-los sair de casa, para enfrentar o mundo sozinhos, não é muito fácil. Dentro dessa temática que se passa as novas peripécias de Dona Hermínia (Paulo Gustavo), a mãe mais famosa do Brasil.

minha-mae-e-uma-peca-1

No filme, Hermínia fez sucesso com a primeira temporada do seu programa de TV, e volta para a segunda temporada falando daquilo que mais entende: os filhos. Juliano (Rodrigo Pandolfo) já terminou a faculdade, mas ainda não encontrou um emprego; Marcelina (Mariana Xavier) decidiu ser atriz, porém fica o dia inteiro em casa esperando algum teste cair do céu. Preocupada com a falta de rumo na vida de ambos, Hermínia recorre ao ex-marido, Carlos Alberto (Herson Capri), para ajudá-la, que convida Juliano para morar com ele em São Paulo, pois há mais oportunidades de emprego. A mãe percebe que, embora queira muito que os filhos aprendam a viver sozinhos, ela não está preparada para deixá-los ir.

Com aquela dose de humor que todo mundo se identifica, afinal, “mãe é tudo igual”, o filme traz novamente os problemas de família e deixa claro que nenhuma é perfeita, o importante é ser acolhedora. No entanto, as piadas com a sexualidade de Juliano são um tanto quanto problemáticas, que, no primeiro filme se assumiu gay, mas no segundo descobre ser bissexual. A mãe simplesmente não consegue aceitar que o filho volte a se relacionar com mulheres –uma brincadeira com o termo “heterofobia” –, mas também escancara a dificuldade das pessoas ainda em lidar com a bissexualidade, tratando a como indecisão.

O ponto crucial do filme é quando Marcelina passa em um teste para uma peça em São Paulo e a mãe se vê obrigada a aceitar a mudança da filha. Não demora muito para Juliano decidir ir embora também. Nesse momento, a mãe meio doida dá espaço a uma tristeza deixada pela ida dos filhos. Os quartos vazios, ninguém para conversar, nem mesmo por telefone, resta preencher esse vazio com outras pessoas. Até Carlos Alberto entra nessa roda.

minha-mae-e-uma-peca-3

Há risada do começo ao fim, mas também assuntos sérios. O Alzheimer de Tia Zélia está avançando. Nem de tomar o remédio ela se lembra mais e a memória dos familiares está se apagando aos poucos. Aparentemente, ela só é capaz de lembrar-se de Hermínia. A última cena que as duas fazem juntas causa tristeza ao telespectador, pois fica no ar aquela sensação de que é o último momento das duas juntas, e ambas parecem ter consciência disso.

Se como mãe Hermínia não é muito normal, como avó as coisas não mudam. O filho de Garib (Bruno Bebianno) vai passar uns dias com a avó, justamente quando o médico coloca nela um aparelho para medir as batidas cardíacas. Entre um neto que destrói a casa e um ladrão com a audácia de tentar assaltar Hermínia, muitas risadas são saem junto ao aparelho disparado.

Quem não se lembra da divertidíssima cena do primeiro filme, quando Hermínia vai buscar Marcelina na balada? Desta vez, ela decide visitar os filhos em São Paulo e para não ficar sozinha enquanto eles se divertem, também cai gandaia também. É perceptível que a relação entre ela e os filhos muda depois que eles saem de casa. A mãe neurótica dá espaço a uma mãe amiga que quer aproveitar cada momento com suas crianças. Marcelina e Juliano também começam a enxergar a mãe com outros olhos, alguém que só quis protegê-los todo esse tempo.

É impossível não sentir uma identificação com todo o enredo. Afinal, em algum momento da vida a maioria vai sair de casa e ver os filhos partirem. Embora Hermínia se sinta sozinha no Rio de Janeiro, ela se enche de orgulho quando percebe que os filhos estão evoluindo em São Paulo. Também, ela e o espectador percebem que, do seu jeito meio torto, criou bem os filhos e já pode parar de se preocupar.

Minha Mãe É Uma Peça 2 estreia em 22 de dezembro. Confira o trailer!

por Carolina Marins

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*