Home Especiais Tóquio 2020 | Formiga: o adeus de um símbolo do Futebol Feminino
Tóquio 2020 | Formiga: o adeus de um símbolo do Futebol Feminino

Formiga se despede da Seleção Brasileira com derrota na Olimpíada de Tóquio

ARQUIBANCADA
30 jul 2021 | Por Júlia Castanha (julia.castanha@usp.br)

Passaram-se 25 anos, entre 1996 e 2021. Nesse período aconteceram sete edições de Olimpíadas em Atlanta (1996), Sydney (2000), Atenas (2004), Pequim(2008), Londres (2012), Rio (2016) e Tóquio (2020). Muitos atletas e delegações passaram por esses eventos, mas teve uma que conseguiu o feito de estar em todas: a jogadora de futebol Formiga.

História

Fomriga

Formiga atuando pela Seleção Brasileira [Imagem: Divulgação]

Miraildes Maciel Mota nasceu em três de março de 1978 em Salvador. Ela começou a jogar bola aos 12 anos e sofreu bastante preconceito, inclusive dentro de casa, chegando a apanhar do irmão por jogar bola com meninos.

Com incentivo da mãe, ela passou a frequentar a escolinha de futebol e recebeu o apelido “Formiga” pela capacidade de se multiplicar em campo e fazer um bom jogo coletivo. Embora no início ela não aprovasse o apelido, acabou se acostumando e se tornou sua marca oficial.

Aos 15 anos ela foi destaque do Campeonato Brasileiro pelo São Paulo, o que a levou a uma convocação precoce para a Seleção, chegando ao time principal com 16 anos — de onde não saiu mais.

Formiga é meio-campista e jogou em times como São Paulo (1993-97, 1999, 2021), Portuguesa (1998), Santa Isabel (2000-01), Santos (2002), Rosengard (2004-05), New Jersey Wildcats (2006), Quickstrike (2007), Saad (2007), Botucatu (2008), FC Gold Pride (2009), Chicago Red Stars (2010), São José (2011, 2013-16), América-RN (2012), São Francisco do Conde (2016) e PSG (2017-21).

Em 2016 ela anunciou sua aposentadoria da Seleção, mas a pedido do então técnico Vadão, ela repensou sua decisão e em 2018, voltou a atuar com a amarelinha. Naquele ano o Brasil ficou em 1° lugar na Copa América Feminina ocorrida no Chile.

FOrmiga

Formiga na apresentação do Paris Saint Germain [Imagem: Divulgação]

 

Conquistas

Formiga é a futebolista, tanto na categoria feminina quanto na masculina, com maior participações em Copa do Mundo (1995, 1999, 2003, 2007, 2011, 2015 e 2019), tendo sido vice-campeã na Copa de 2007. Em 2019, aos 41 anos, ela foi a jogadora mais velha a participar e a marcar um gol em uma Copa do Mundo Feminina.

Nas Olimpíadas ela também conta com sete participações , sendo atualmente a recordista do Brasil nesse quesito. Nos Jogos Olímpicos ela conquistou duas medalhas de prata (2004 e 2008). Pelos jogos Pan-americanos, foi campeã em 2003, 2007 e 2015.

A longevidade da carreira de Formiga [Imagem: Rodrigo Bueno/Twitter]

Ao todo são 27 anos de Seleção Brasileira, que fizeram dela a atleta com mais jogos pela seleção, ultrapassando Cafu, em 2016, com mais de 151 jogos.

 

Além disso, ela conquistou:

  • Três Copas do Brasil: 1997 (São Paulo), 2012 e 2013 (São José);
  • Cinco Campeonatos Paulistas – 1997 (São Paulo), 2008 (Botucatu), 2012, 2014 e 2015 (São José);
  • Três Copas Libertadores – 2011, 2013 e 2014 (São José);
  • Um Mundial de Clubes – 2014 (São José).
  • Copa da França 2017-18 (PSG)
  • Campeonato Francês 2020-21 (PSG)

 

 

 

 

 

Prêmios individuais

Em 2015, no Museu do Futebol em São Paulo, na Sala Anjos Barrocos, ela e a Marta foram as primeiras jogadoras homenageadas em um ambiente até então restrito a ídolos masculinos. Em 2016, ela foi a primeira mulher a receber o prêmio ESPN Bola de Prata SPORTINGBET.

Formiga também teve sua trajetória homenageada por Maurício de Souza, em 2018, e virou personagem das histórias em quadrinhos da Turma da Mônica, na série “Donas da Rua da História”, que cita mulheres importantes que marcaram a história.

Formiga no Museu do Futebol [Imagem: Reprodução / Secretaria de Cultura e Economia Criativa]

Olimpíadas Tóquio 2020

A Olimpíada de Tóquio teve início em 23 de agosto de 2021, a Seleção Feminina estreou dia 21, com uma vitória por 5 a 0 em cima da China. Após um empate de 3 a 3 com a Holanda e uma vitória de 1 a 0 sobre a Zâmbia, as meninas se classificaram para as quartas de final contra o Canadá. O jogo das quartas foi para os pênaltis após um empate de 0 a 0 e, infelizmente, a Seleção foi eliminada da Olimpíada.

Após o jogo, Marta em seu discurso homenageou a amiga, que provavelmente não estará nos Jogos Olímpicos de 2024: “Agradeço demais pelo que ela fez por nós. Espero que todos possam enxergar da mesma maneira. Uma pessoa que dedicou a vida inteira, que tanto vem ajudando na modalidade, é inspiração para todas as meninas. Poderia ter tido um final um pouquinho mais feliz, mas ela é guerreira e nos orgulha demais”.

Se o ouro olímpico não veio das mãos de Formiga, o legado que ela deixa para a modalidade e para todas as outras meninas que sonham em ser jogadoras é um ouro muito maior.

Formiga seleção

Seleção na eliminação para o Canadá [Imagem: Sam Robles/CBF]

*Imagem de capa: Divulgação CBF

 

Tóquio 2020 formiga

Arquibancada
O Arquibancada é a editoria de esportes da Jornalismo Júnior desde 2015, quando foi criado. Desde então, muito esporte e curiosidades rolam soltos pelo site, sempre duas vezes na semana. Aqui, o melhor de todas as modalidades, de todos os pontos de vista.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Murilo Guedes
Poxa que demais! Cresci assistindo os jogos dela pela seleção e nunca nem pensei em pesquisar os times que ela jogou. Muito legal ver toda a trajetória da atleta!!
31 jul 2021
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*