Home Escuta Aí “Us + Them”: Uma lição de como resistir em tempos difíceis
“Us + Them”: Uma lição de como resistir em tempos difíceis
Escuta Aí
20 out 2018 | Por Jornalismo Júnior

Foram aproximadamente 6 anos e 6 meses de espera. Em abril de 2012, Roger Waters havia vindo para o Brasil, pela última vez, em turnê comemorativa do épico álbum “The Wall”. Até o anúncio da turnê “Us + Them”, em 2017, havia um forte rumor de que o ex-icônico membro do Pink Floyd não voltaria mais aos palcos. Porém, com a novidade, veio o novo álbum “Is This The Life We Really Want?”, em junho do mesmo ano. O trabalho quebrou um jejum de 25 anos sem discos do baixista.

 

O grande dia

A terça-feira (09/10) mais esperada da vida de muitos floydianos havia chegado, finalmente. O início das vendas para o show em São Paulo ocorreu em dezembro de 2017 e, desde então, foram 10 meses de expectativas, acompanhando vídeos e muitos comentários positivos sobre a turnê. A abertura dos portões se deu por volta das 17 horas. Apesar de ser no meio da semana, o público procurou chegar com antecedência para garantir um bom lugar. Nas filas, era possível notar pessoas de todas as idades, dos mais velhos às crianças.

A partir daí, iniciou-se mais uma contagem regressiva. Desta vez, para às 21 horas, horário em que começaria o show. Em meio à espera, eram notórias a ansiedade e a emoção de estar diante de uma lenda do rock. Muitos fãs aproveitaram o momento para comprar suas camisetas nas lojas oficiais, além de tirar muitas fotos e comentar sobre o amor pela banda, por Roger Waters ou pela música.

Palco montado à espera de Roger Waters e sua banda. (Foto: Karina Merli)

Ao escurecer, o Allianz Parque foi se enchendo. Naquela noite, os ingressos estavam esgotados e, de fato, assim ocorreu. O tempo parecia estar cada vez mais devagar rumo ao grande momento.

 

Primeira parte

Com duração de aproximadamente três horas, Waters dividiu a sua apresentação em duas partes, separadas por um intervalo de 20 minutos. Ao soar das 21h, as luzes começaram a escurecer e uma projeção no grande telão de 70 metros de largura por 14 de comprimento surgiu para delírio do público.

As imagens tinham ligação com a música “The last refugee” do novo álbum de Roger Waters. (Foto: Karina Merli)

Inicialmente, o vídeo provocou grande ansiedade no público. No entanto, a sutileza das mudanças provocava certa impaciência em algumas pessoas, que não entendiam o que se passava. Ao longo dele, uma música leve e o sopro do mar começavam a se destacar. Por quase 20 minutos, a situação se manteve assim, até o céu passar a esboçar um vermelho intenso e aterrorizante. Era o início de uma noite inesquecível!

O céu começa a ficar vermelho. Inicia-se “Us + Them” no Brasil. (Foto: Karina Merli)

As músicas de abertura foram “Speak to Me” e “Breathe” do álbum “The Dark Side Of The Moon”. O público foi ao delírio e cantou junto. A emoção era impossível de ser contida e muitos iam aos prantos ou ao êxtase. Ao assimilar o que aconteceu, logo outro clássico do Pink Floyd: “Time”.

Clipe da música “Time” aparece no imenso telão. (Foto: Karina Merli)

O guitarrista Jonathan Wilson foi o responsável por fazer as vezes de David Gilmour, e muito bem. Ao final da música, o show passou a mostrar qual seria a sua entonação: protesto, resistência e denúncia. A imagem de alguém vagando pela rua, à noite, em meio ao lixo e à indiferença de São Paulo, foi exibida e os fãs reagiram com aplausos.

A indiferença na noite de São Paulo registrada no show.

Logo em seguida, o clipe de “Welcome To The Machine” passou a ser exibido. A semelhança da música ao vivo com a gravada em estúdio foi estarrecedora e encantou os presentes. A sensação provocada veio em forma de pergunta: aquilo era real ou era sonho de um “floydiano”? Em meio à reflexão, Waters convidava a plateia a participar do show.

O ótimo trabalho realizado no álbum “Is This The Really Life We Want?”, obviamente não permitiria deixar algumas músicas de fora. A primeira a ser apresentada é “Dejá Vu”, seguida por “Picture That” e “The Last Refugee”. Músicas que abordam problemáticas atuais, como as guerras e a onda de refugiados e, por meio do forte olhar crítico do baixista, buscam trazê-las para o debate.

Wish you were here” tomou conta após a apresentação dessas novidades. Com grande comoção, o público cantou loucamente esse grande hit do Pink Floyd. As mãos que se unem na turnê “Us + Them” apareceram pela primeira vez e, com a ascensão da música, foram se regenerando e se aproximando. Mas, no final da faixa, elas voltam a se desintegrar.

 

Ao final de “Wish you were here”, as mãos se partem. (Foto: Karina Merli)

O final da primeira parte foi concluído com “Another Brick In The Wall – Part 2” e “Another Brick In The Wall – Part 3”. A junção de feitos de iluminação, telão e som foram cruciais para tornar toda a narração das músicas em algo muito vivo para quem assistia. Durante toda a apresentação, crianças de São Paulo apareceram marchando e cantando a música e, ao final, as camisetas com a palavra “Resist” (resistir) foram exibidas e o telão reproduziu a frase em vermelho sangue.

Roger Waters e crianças cantam “Another brick in the wall”. (Foto: Karina Merli)

 

Segunda Parte

Durante a pausa, diversas mensagens críticas foram exibidas no telão. Waters preocupou-se em falar sobre aprendermos a resistir à indústria bélica, ao fascismo, à exploração infantil, ao antissemitismo, à tortura e à desigualdade social. O candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) apareceu na lista de países onde o neofascismo estava avançando.

No telão foi exibida uma lista com países onde o neofacismo está ascendendo.

O ex-Pink Floyd também criticou a forma como Israel tem lidado com a questão da Palestina. Ademais, foram exibidas mensagens sobre a importância de se respeitar os animais e não tratá-los de forma desigual, além de se preservar o meio ambiente.

A segunda parte viria cheia de expectativas, já que o CD “Animals” do Pink Floyd teria alguns hits tocados, até porque é o pilar crítico de toda a turnê. O fim do intervalo voltou com “Dogs”. Antes disso, porém, a Usina Termelétrica de Battersea (Inglaterra), que é capa do álbum citado, começou a ser projetada no telão. Ela surgiu do chão, crescendo de tal forma que as suas chaminés foram dispostas para fora da tela, com direito à fumaça. Uma superprodução que levou o público ao delírio.

Usina Termelétrica de Battersea (Inglaterra) da capa do disco “Animals” cresce e transcende o telão. (Foto: Karina Merli)

Na música também houve uma espécie de teatro. Enquanto a usina navegava pelo espaço, os porcos eram servidos por uma ovelha. Sim, você não leu errado. “Animals” divide a nossa sociedade em porcos (aqueles que mandam), os cachorros (que obedecem aos porcos e querem ser como eles) e as ovelhas (que servem os porcos e são submissas a eles), inspirado no livro “Revolução dos Bichos”, de George Orwell. O momento foi aproveitado para exibir placas com as seguintes mensagens: “Os porcos mandam no mundo!” e “Os porcos que se danem!”,  esta última erguida por Waters.

Cartaz levantado por Roger Waters durante a música “Dogs”. Em tradução livre está escrito “Os porcos que se danem!” (Foto: Karina Merli)

A sequência ficou por conta de “Pigs” e muitas satirizações apareceram projetadas no telão sobre Donald Trump, já que a música é usada como uma forte crítica ao presidente dos Estados Unidos. O grande porquinho, convidado especial que é recorrente nos shows do Roger Waters, vagou pelo público com ilustrações pelo seu corpo.

Porco inflável “voa” sobre o público. (Foto: Marcelo Merli)

Money”, outro grande clássico do “The dark side of the moon”, foi executada de forma magistral, com o imponente solo do britânico. Atrás dele, era possível notar célebres figuras políticas mundiais em uma clara crítica ao sistema e seus protagonistas. A projeção da bomba de Hiroshima também apareceu no telão, em meio ao som das moedas. “Us and them” tocou em seguida, com imagens de repressão policial, protestos contrários e guerras.

Outra faixa do novo disco de Waters foi apresentada – “Smell the roses”. O cantor mostrou-se “acorrentado”, em claro repúdio aos governos autoritários e suas práticas de tortura. Outros clássicos do “The Dark Side of the Moon” foram tocados logo em seguida: “Brain damage” e “Eclipse”. Nesta, na pista premium foi formado o prisma da capa do álbum e, posteriormente, a hashtag #EleNão apareceu no telão pela primeira vez, dividindo o público entre vaias e aplausos.

Prisma da capa do álbum “The Dark Side of the Moon” é formado e bola prateada representa a lua da música “Eclipse”.

Cantor Roger Waters posiciona-se contrário a Jair Bolsonaro (PSL). (Foto: Karina Merli)

Após uma breve conversa com o público, a respeito da importância de nos mantermos unidos e da luta pelos Direitos Humanos, Waters fez uma breve pausa. Na volta, dois belos clássicos da banda de rock progressivo fecharam a noite mais mágica de qualquer fã “floydiano”: “Mother” e “Comfortably Numb”. Durante a execução da primeira, no trecho “Mother, should I trust the government?” (“Mãe, devo confiar no governo?”) novamente a hashtag #EleNão apareceu no telão. A repercussão no público foi tão alta que durante um pedaço da música era difícil escutar o artista. Mas “Comfortably Numb” surgiu e veio confortar os corações dos fãs que conhecem e respeitam verdadeiramente a importância, o ativismo e a luta de Roger Waters. Luta essa que deveria também partir de cada um de nós, pois em tempos difíceis, “Us + Them” nos ensina a resistir.

“Comfortably Numb” e o primeiro dia de shows de Roger Waters, no Brasil, se encerraram com fogos de artifício. (Foto: Karina Merli)

Por Karina Merli
karina.merli@gmail.com

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*