Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Meu Bebê: a “síndrome do ninho vazio” sob um olhar simples e sensível

Uma prova importante. O primeiro relacionamento. Viajar sozinha para outro país. Essas são algumas das situações pelas quais Jade (Thaïs Alessandrin), filha de Heloïse (Sandrine Kiberlain), está passando ao caminhar rumo à independência. A mãe, parceira, ao mesmo tempo em que está orgulhosa das conquistas da filha caçula, sente muito por perceber que o crescimento …

Meu Bebê: a “síndrome do ninho vazio” sob um olhar simples e sensível Leia mais »

Uma prova importante. O primeiro relacionamento. Viajar sozinha para outro país. Essas são algumas das situações pelas quais Jade (Thaïs Alessandrin), filha de Heloïse (Sandrine Kiberlain), está passando ao caminhar rumo à independência. A mãe, parceira, ao mesmo tempo em que está orgulhosa das conquistas da filha caçula, sente muito por perceber que o crescimento dela também significa não precisar mais auxiliá-la a cada passo.

Com trama singela e bem escrita, Meu Bebê (Mon Bébé, 2018) é um filme que ganha o coração pela simplicidade. A diretora Lisa Azuelos traz um pouco de sua própria experiência como mãe e filha às telas, sem torná-la pessoal ou distante demais do público. Mãe de três filhos e filha de Marie Laforêt, cantora famosa na França, Lisa lidou com constantes momentos de separação na infância e agora acompanha os filhos trilhando seus próprios caminhos. O enredo do filme também é inspirado em uma situação real: ao ver que a filha Thaïs Alessandrin (que dá vida à Jade no filme) iria se mudar para o Canadá, Lisa começou a gravar diversos momentos dela como forma de registrar memórias e sentir menos a despedida.

Meu Bebê traz a relação de Jade e Heloïse unindo momentos felizes e agridoces, sem tirar a sensibilidade e honestidade do laço entre as duas. O dilema principal que elas enfrentam é a viagem da caçula ao Canadá para continuar seus estudos. A mãe está orgulhosa da filha, porém sensível quanto a ficar sozinha depois de muito tempo, e Jade, mesmo feliz por estar caminhando com as próprias pernas, não quer se separar dos amigos, e principalmente da mãe.

Durante todo esse processo — entre a chegada da carta de aceitação e o exame nacional francês —, as duas passam por uma série de momentos que evidenciam a força da conexão entre elas. Por mais que seja esperado de Heloïse uma postura superprotetora quanto à caçula, ela não limita a filha em nenhuma situação, e esse respeito em relação aos desejos e interesses de Jade é um dos pontos altos do vínculo entre elas. Heloïse não impede que a filha beba, fume ou transe com o menino que gosta, por exemplo, mas procura orientá-la para que ela saiba lidar com decepções e planos não concretizados.

Heloïse e os filhos Théo, Jade e Lola [Imagem: Pathé Distribution]

Ao longo do filme, cenas da infância de Jade e dos irmãos Théo (Victor Belmondo) e Lola (Camille Claris) ajudam a criar o ritmo e a delicadeza da história, cativando o público ao mostrar como Heloïse se apoia nos filhos e como eles, sejam crianças ou adultos, nunca deixaram de se importar com ela, por mais que a mãe diga o contrário. A cena em que o celular de Heloïse some — o aparelho continha diversos registros da rotina dela com Jade — e os filhos se juntam para ajudar na busca traz muito do laço que os quatro criaram, principalmente depois do divórcio da mãe. O roteiro tem destaque não pela riqueza ou peculiaridade das cenas, que poderiam estar facilmente em comédias românticas e filmes adolescentes, mas pela simplicidade presente nos olhares, nos diálogos e nas lembranças construídas entre mãe e filha. Momentos como uma festa de aniversário ou a preparação do café da manhã carregam muito significado sob o olhar da diretora, e esses sentimentos são facilmente transmitidos para o público.

A reflexão sobre maternidade vai muito além da “síndrome do ninho vazio” levantada pelo filme como ponto principal. No papel de Heloïse, Sandrine Kiberlain traz às telas a cobrança constante que as mães sentem quanto a serem perfeitas e não poderem viver além dos filhos — e como essa cobrança pode ser intensificada por elas mesmas. Por Heloïse ser mãe divorciada, é levantada também a dúvida sobre ser ou não apropriado ter outro relacionamento, e lidar com todas essas questões é um processo exaustivo e muitas vezes solitário. O filme não é um guia de como ser mãe, mas uma lente sob a qual a maternidade é mostrada sem julgamentos. Heloïse não é limitada ao papel materno, e essa reflexão traz profundidade à personagem: se agora meus filhos estão crescidos, qual é a minha função? Olhar para si mesma depois de se colocar em segundo plano por tanto tempo é um processo trabalhoso — Heloïse, assim como a filha, precisa passar por uma jornada de autoconhecimento para então começar um novo capítulo em sua vida.

O choque de gerações, ainda que sutil, é bem trabalhado com músicas, filmes e diálogos, e em certos momentos é interessante ver como as idades não parecem corresponder a elas de modo direto. Jade tem o filme O Desprezo (Le Mépris, 1963), de Jean-Luc Godard, como um de seus favoritos, por exemplo, e a mãe apresenta gírias às amigas em uma conversa de bar. Nenhuma delas é resumida ao papel de “mãe” ou “filha”, mas mostradas como mulheres, com seus sentimentos, dúvidas e angústias. O filme é um delicado convite a olhar a relação mãe-filha sem julgamentos ao utilizar uma linguagem simples e verdadeira: o amor.

Meu Bebê está em cartaz no Festival Varilux. Sua estreia nacional está prevista para o dia 25 de julho. Assista ao trailer aqui:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima