Home Mundo Geek O fenômeno dos fakes famosos nas redes sociais
O fenômeno dos fakes famosos nas redes sociais
Mundo Geek
01 jul 2015 | Por Jornalismo Júnior

Quem passa muito tempo na internet sabe quantos perfis falsos existem por aí, principalmente de pessoas que fingem ser celebridades. Entretanto, um perfil falso de um famoso não é necessariamente algo ruim, os fakes famosos são um exemplo disso. Os fakes famosos são perfis que incorporam um indivíduo famoso, seja ele uma celebridade, um ator, um político, ou até mesmo Deus. Essas contas geralmente são de cunho humorístico, o que torna seu apelo ao público muito grande.

1 - ocriador1 - Reprodução

Tuíte da conta @OCriador, fake que interpreta Deus. (Reprodução)

O fenômeno dos fakes famosos surgiu junto com a ascensão do Twitter. A plataforma, criada em 2006, começou a bombar em 2008 e 2009, quando grande parte dos fakes famosos foram criados, como @MussumAlive, @NairBello e @OCriador.

2 - mussumalive2 - Reprodução (Primeiro tweet)

Primeiro tuíte da conta @MussumAlive, em fevereiro de 2009. (Reprodução)

Hoje em dia, muitos perfis fakes mantêm as características de seus personagens – como @NairBello, que posta tuítes agindo como uma típica nonna da Mooca – ou passaram a incorporar mais as características de seu criador – como o perfil @MussumAlive, de Leandro Santos.

Do fake pra realidade

        Muitos perfis fakes ultrapassaram a barreira da internet e marcaram presença no mundo real. É o caso do perfil Dilma Bolada, do carioca Jeferson Monteiro. Ganhador de melhor perfil falso no Shorty Awards (premiação para criadores de conteúdo da internet) em 2012. O criador da conta já se encontrou Dilma Rousseff em 2013 e em 2014, logo após a reeleição da presidente. Jef Monteiro inclusive foi convidado pela equipe da própria Dilma para colaborar em sua campanha presidencial. Ele nega que tenha havido qualquer acordo entre as partes. Mesmo assim, sua influência pelas redes sociais na construção da imagem de Dilma é visível.

3 - dilmabolada1 - Roberto Stuckert Filho

Jef Monteiro e a presidente Dilma, no Palácio da Alvorada. Imagem: Roberto Stuckert Filho.

4 - dilmabolada2

Post de Dilma Bolada no Facebook. A página já possui 1,6 milhões de curtidas. Imagem: Reprodução.

Outro perfil que ganhou destaque foi o Hugo Gloss. Parodiando o nome da marca “Hugo Boss”, seu criador, Bruno Rocha, virou amigo (e inimigo) de diversas celebridades. Em 2010, ele se tornou redator do programa Caldeirão do Huck e, em 2013, lançou seu próprio blog, no qual aborda cultura pop, tecnologia, cultura, moda e, claro, o mundo das celebridades.

5 - hugogloss1 - Reprodução

Blog Hugo Gloss. Criado em 2013, ele aborda temáticas diversas. (Reprodução)

 

A nonna na internet

 

6 - nairbello3 - Reprodução

Imagem: Reprodução.

Criada em março de 2009, @NairBello homenageia a atriz que morreu em abril de 2007. Agindo como típica avó italiana da Mooca, a conta conquistou 143 mil seguidores nesses anos.

7 - nairbello1 - Reprodução

Tuíte em que @NairBello afirma ser ela a própria atriz, mesmo ela tendo morrido anos antes. (Reprodução)

Sala 33: Como surgiu a ideia de criar um fake e por que a Nair Bello foi escolhida?

Eu trabalhava em um escritório. O ambiente era bastante estressante e era preciso uma válvula de escape. O Twitter estava começando a crescer no Brasil e resolvi apostar na rede social em que poucos caracteres eram necessários para “brincar” de vez em quando no trabalho. Como eu não podia usar meu nome, pensei em alguém famoso que eu gostasse bastante e que já estivesse morto, para não acharem que eu estava me passando por outra pessoa. Nair Bello era uma atriz maravilhosa que eu gostava muito porque ria em cena. Misturava o talento e o trabalho com a diversão e isso, para mim, é um exemplo a ser seguido.

Quais as consequências, na vida real, que a conta trouxe?

Eu estava no meio de uma pós graduação. Foquei essa especialização em marketing digital. Saí da empresa em que trabalhava e montei uma agência de marketing digital própria. Meses depois, a MixTV me chamou para fazer um piloto de um programa com o Paulo Miklos e eu passei. Foram 2 anos trabalhando com a Mix em 2 programas diferentes (Dose Tripla e Top Web). Depois que o contrato acabou, fiquei um tempo só com a minha agência (João Digital) e depois entrei para o Morning Show da Rádio Jovem Pan. Estou há um ano lá. Tudo isso só aconteceu por causa do sucesso do Twitter da Nair Bello e do Tumblr “Fica, Vai Ter Bolo”, que na época viralizou.

Qual a diferença dos fakes de hoje em dia para os fakes da época em que surgiu sua conta?

O Twitter mudou muito desde 2009, quando eu comecei. Naquela época, os famosos e as empresas não usavam o Twitter, então era um grupo diferente de pessoas, interessado em conhecer gente nova. Depois que os famosos de verdade invadiram o Twitter, chegaram com eles os fãs e houve um grande crescimento dessa rede social, mas esse clima de “comunidade” se perdeu. Os fakes perderam bastante relevância e poucos foram criados desde então. As pessoas começaram a focar em seu próprio nome. Não vejo mais fakes surgindo no Twitter como naquela época. Ainda é muito divertido estar no Twitter se você segue gente interessante, criativa, divertida e inteligente.

8 - nairbello2 - Reprodução

Adotando a linguagem de uma típica avó italiana, a conta posta tuítes humorísticos. (Reprodução)

Tomando um mé com Mussum

9 - mussumalive - Reprodução

Imagem: Reprodução.

Criador do perfil @MussumAlive e, atualmente, administrador do blog e canal do YouTube Bebida Liberada, Leandro Santos nos conta como criou o perfil e quais foram os ganhos de seu trabalho.

9 - mussumalive1 - Reprodução

O “mussumzês”, que termina as palavras com “is”, e a exaltação da vida boêmia eram marcas características do perfil @MussumAlive. (Reprodução)

Sala 33: Como surgiu a ideia de criar um fake de um famoso e por que o Mussum foi escolhido?

Eu trabalhava como técnico mecânico. No meu emprego, eu tinha muito tempo sobrando e um computador com internet. Foi aí que começaram a falar sobre o Twitter, que seria uma nova rede social. Eu, curioso como sou, logo criei a minha conta pessoal. Nenhum dos meus amigos tinham Twitter, então eu fiquei falando sozinho e logo desisti. Passados uns meses, ouvi falar do @VitorFasano, o primeiro fake de que ouvi falar e adorei a ideia, porque as pessoas o seguiam mesmo sabendo que ele não era o Vitor Fasano e isso me inspirou. Eu não tinha um personagem em mente. Fiquei analisando as possibilidades e quais perfis me dariam menos dor de cabeça. Eu ouvia muito Originais do Samba, o antigo grupo de samba do Mussum. Um belo dia eu estava voltando para casa e escutando as músicas quando de repente tive um insight: “Espera… O Mussum era preto, eu também sou. O Mussum bebia, eu também bebo. O Mussum era engraçado… E eu bebo! É isso!” – E foi assim que escolhi o Mussum.

Qual característica mais marcante do Mussum está presente no seu perfil fake?

Até meados de 2013, a característica mais marcante era o “mussumzês”, a linguagem característica do Mussum. Quando eu criei o fake, já existiam alguns perfis fake do Mussum, porém nenhum usava o mussumzês, então eu decidi usar para que a homenagem fosse algo que eu gostaria de ler e isso acabou sendo o que mais chamou a atenção das pessoas que seguiam.

Quais responsabilidades vieram após a conta Mussum Alive ganhar visibilidade?

Eu tive que me preocupar muito mais com o que eu escrevia, pois muitos fãs do Mussum e dos Trapalhões me seguiram e eu não podia dar a minha opinião e sim pensar o que ele falaria na situação. Outra responsabilidade era justamente atualizar o Twitter. Eu tinha que estar sempre escrevendo, brincando e zoando alguém, porque a galera queria cada vez mais e mais tuítes. Por mais que pareça legal brincar de falar besteira no Twitter, criar cerca de 20 a 25 piadas de bêbado/dia não é lá muito fácil.

O que a conta fake já trouxe para você na vida real?

Trouxe tudo o que eu vivo hoje. Larguei a faculdade, o emprego de técnico mecânico e hoje em dia me dedico só aos projetos on-line. Viajei e viajo muito por causa dessa visibilidade que o perfil me deu, fiz novas amizades, conheci pessoas das quais eu era fã e descobri que elas também admiravam o meu trabalho. Me passar por outra pessoa fez eu me transformar em uma terceira pessoa.

Qual é a diferença do Mussum Alive de 2009 para o Mussum Alive de 2015?

Hoje em dia eu já não escrevo mais com o Mussumzês e não posto apenas piadas de bêbado. Eu diria que hoje eu já não sou mais um fake do Mussum e que, na verdade, Mussum Alive se tornou um apelido do Leandro Santos.

No  canal Bebida Liberada, em que ele ensina a fazer drinks, fala sobre tipos de cerverja e mostra truques de bar.

Nesse vídeo, ele ensina a fazer o Drink dos Minions:

Por Aline Naomi
aline.naomi.mb@gmail.com

 

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*