Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

A 5ª Onda, entre clichês e romances

por Maria Beatriz Barros mabi.barros.s@gmail.com O fim do mundo é um evento quase romântico. Algo nas mortes em massa, na terra se abrindo e no medo constante e persistente mexe com o coração dos adolescentes e os faz se apaixonar, mesmo depois de perder toda sua família, amigos ou conhecidos. Em A 5ª Onda (The …

A 5ª Onda, entre clichês e romances Leia mais »

por Maria Beatriz Barros
mabi.barros.s@gmail.com

O fim do mundo é um evento quase romântico. Algo nas mortes em massa, na terra se abrindo e no medo constante e persistente mexe com o coração dos adolescentes e os faz se apaixonar, mesmo depois de perder toda sua família, amigos ou conhecidos.

Em A 5ª Onda (The 5th Wave, 2016), a humanidade é surpreendida por uma invasão alienígena. Após dias sem fazer nenhum contato, os extraterrestres começam os ataques à população da Terra cortando toda a energia elétrica. A ação já foi o suficiente para instaurar o caos completo: aviões caindo, acidentes de carro, comunicação cortada. Mas esta foi só a primeira onda. Na segunda, terremotos assolam o planeta e geram grandes tsunamis, que dizimam as cidades costeiras e ilhas. Logo em seguida, o vírus geneticamente modificado da Gripe Aviária mata mais algumas milhões de pessoas. Na quarta onda, “Os Outros”, como ficaram conhecidos os alienígenas, se hospedam em corpos humanos, gerando a desconfiança total.

A-5ª-Onda
Nave dos Outros, alienígenas, em cidade destruída pela 2ª Onda. Foto: Divulgação

Em meio ao caos, Cassey Sullivan (Chlöe Grace Moretz) se prepara para a 5ª Onda, enquanto busca seu irmão mais novo, Sam (Zackary Arthur), levado pelo Exército Americano a uma base supostamente segura. No caminho, ela conta com a ajuda de Evan Walker (Alex Roe), um misterioso rapaz que salvou sua vida.

As personagens de Chlöe Moretz e Alex Roe. Foto: Divulgação
As personagens Cassey Sullivan e Evan Walker. Foto: Divulgação

A nova franquia de filmes para o público infanto-juvenil não deixa de receber comparações com suas predecessoras na indústria cinematográfica, Jogos Vorazes (The Hunger Games, 2012-2015), Divergente (Divergent, 2014) e Maze Runner (Maze Runner, 2014). Sobre o assunto, o ator Nick Robinson, que interpreta Ben Parish no longa, comenta: “Diferente dos outros filmes do gênero, não há ninguém predestinado ou escolhido, não há uma pessoa que se sacrifica para salvar a humanidade. É realmente só um conjunto de pessoas comuns que se juntam para sobreviver”.

No entanto, A 5ª Onda cai nos mesmos erros que as franquias com as quais os seus atores insistem em se comparar. Falas absurdas, adolescentes se apaixonando em meio ao caos, atuações fracas e superficiais. Ao menos o filme carrega alguns toques de empoderamento feminino na personagem de Chlöe, mas nada de muito incisivo.

A 5ª Onda 3
Chlöe Moretz, como Cassey Sullivan. Foto: Divulgação

Certamente, a produção agradará legiões de adolescentes, desde os fãs do livro homônimo, de Ryan Yancey, ao filmes, aos órfãos de Jogos Vorazes. Mas é valida a indagação: quais tipos de valores estes tão populares filmes apocalípticos estão disseminando à nova geração? Ou melhor, se eles transmitem algum valor, ou só a iludem com a romantização da desgraça? Fica aí a pergunta.

A 5ª Onda estreia nos cinemas em 21 de Janeiro, e conta com Ron Livingston, Maggie Siff, Maria Bello e Liev Schreiber (de Spotlight e X-Men) no elenco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima