Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

A Frente Fria que a Chuva Traz – mas que nem todos sentem

por Ian Alves ian.andrade.alves@gmail.com Cansados dos bares e das boates convencionais, um grupo de jovens ricos aluga uma laje numa comunidade da periferia para ser o novo palco de suas festas. Aos moldes burgueses, o espaço conta com um estoque das mais caras drogas e bebidas, e um segurança é contratado para evitar que moradores …

A Frente Fria que a Chuva Traz – mas que nem todos sentem Leia mais »

por Ian Alves
ian.andrade.alves@gmail.com

Cansados dos bares e das boates convencionais, um grupo de jovens ricos aluga uma laje numa comunidade da periferia para ser o novo palco de suas festas. Aos moldes burgueses, o espaço conta com um estoque das mais caras drogas e bebidas, e um segurança é contratado para evitar que moradores do morro se juntem a eles. A laje é simbolicamente localizada bem ao topo de uma favela do Rio de Janeiro, reforçando o endeusamento social tão prezado pelo grupo. E é justamente esse endeusamento, que é frágil, mas nada inofensivo, que serve de sustento para a crítica do diretor.

A personalidade fútil e egocêntrica dos jovens é explorada desde as primeiras cenas de A Frente Fria que a Chuva Traz (2016). Futilidade, talvez, seja eufemismo: os comentários homofóbicos, a objetificação do corpo das mulheres e o racismo com o dono da laje levam a superficialidade do grupo a um ponto de saturação tamanho, que o expectador desenvolve repulsa por aqueles personagens. Diferencia-se desse perfil a protagonista do filme, Amsterdã (Bruna Linzmeyer), que é construída, desde o princípio, como irreverente, ousada e segura de si. Embora suas falas cheias de acidez já a distanciem do vazio característico dos outros personagens, é apenas no decorrer do filme que percebemos que Amsterdã, ainda que conviva com os outros, não faz parte da burguesia, e que, portanto, suas ações precisam ser julgadas de acordo com sua origem social.

frente fria 1.0

Chega-se, então, ao ponto de virada do filme – ela se torna o contraponto da história, a personagem da periferia cujas ações vão ser contrastadas com as ações dos demais personagens. Com o intuito de traçar uma crítica à burguesia, como é típico do Cinema Marginal, o diretor, Neville D’Almeida, coloca personagens periféricos e burgueses em uma mesma posição – drogas, sexo, o estar na favela – para, então, mostrar como essas coisas possuem significados diferentes na vida de cada um dos grupos. Para aqueles jovens ricos, o sexo e as drogas são diversões, e estar na favela é quase um fetiche – são maneiras de fugir de uma realidade que é entediante de tão fácil. Para Amsterdã, o sexo é seu trabalho; a favela é sua casa e as drogas são os analgésicos de uma vida miserável.

A_Frente_Fria_que_a_Chuva_Traz_Trailer_Oficial

O filme, que ridiculariza a burguesia narcisista, é construído com artifícios cinematográficos que funcionam perfeitamente dentro da proposta temática. Um exemplo é a metáfora do frio e do calor – todo o filme se passa em um só dia e, enquanto o sol irrompe na laje descoberta, Amsterdã está num fluxo incessante do efeito de drogas. Quando o frio começa a dominar a atmosfera do filme, a personagem passa a refletir sobre a situação precária de sua vida e sobre como ela se sente em relação a seu status social. A frente fria que a chuva traz, na verdade, é uma metáfora para uma reflexão interior que quebra a vida cotidiana frívola. Para aqueles que são privilegiados socialmente, porém, a frente fria nunca chega.

Assista ao trailer:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima