Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Cleópatra: A rainha que nasceu para governar 

A nova série da Netflix conta a história da faraó do Egito de forma emocionante e polêmica
Por Lívia Uchoa (livia.uchoa@usp.br)

A Netflix lançou, em maio, a série documental Rainha Cleópatra (2023), que faz parte da franquia “Rainhas Africanas”. O documentário conta com quatro episódios, e combina a narração de historiadores e estudiosos com a encenação de Adele James.  A escolha da atriz gerou discussões antes mesmo do lançamento do seriado, já que ela não é da mesma etnia que a rainha.

A série foi inovadora por representar Cleópatra como uma mulher não-branca, o que não é usual nas produções já vistas. O filme Cleópatra (1963), por exemplo, teve como protagonista a atriz Elizabeth Taylor, que representava a visão eurocentrista da história egípcia.

Imagem de Elizabeth Taylor vestida como Cleópatra. Ela usa um vestido vermelho de um ombro só e sem mangas. Além disso, ela também está usando um par de brinco e um colar grande de ouro. Seu cabelo está preto e ela usa um artefato na cabeça de ouro em formato de águia. Sua maquiagem é marcada pelo traço egípcio, característico da rainha
O filme de 1963 ganhou o Óscar e é uma das representações mais conhecidas da rainha [Imagem: Reprodução/Flickr]

 O documentário busca mostrar a visão da Cleópatra da história, retratando desde sua ascensão ao trono com seu irmão, as disputas de poder com sua família, até a queda do império egipcio e seu suicídio. Além disso, é retratado seus feitos para o país, mas, principalmente, seus relacionamentos políticos e amorosos, sendo o  primeiro com Júlio César, célebre líder romano, e, posteriormente, com Marco Antônio, sucessor dele.

Ela tinha o povo!

 A versão da Cleópatra apresentada na série é de uma mulher forte, determinada, estudiosa, inteligente e estratégica, que valorizava as artes e a diplomacia, mas, acima de tudo, valorizava seu povo. O contato que ela buscava com os egípcios não era comum dos líderes da época, o que a tornou especial aos olhos da história do país africano.

O seriado constrói uma imagem humanizada da rainha, mostra seus feitos históricos, suas motivações e suas paixões. Os envolvimentos amorosos dela se iniciam apenas com intuito político de beneficiar o Egito, porém acabam se tornando algo mais profundo. Esses relacionamentos são tratados nas encenações de forma sentimental e romântica, trazendo assim uma visão subjetiva sobre os acontecimentos, já que os sentimentos que eles atribuem à Cleópatra são interpretações.

A atriz Adele James como Cleóptra e seu par romântico Marco Antonio, interpretado Craig Russel, encostando a cabeça de maneira romântica. Os dois estão vestidos com roupas da época
Representação na série do relacionamento de Cleópatra e Marco Antônio, interpretado por Craig Russell [Imagem: Divulgação/Netflix]

A visão subjetiva traz um caráter de dramatização para a obra, o que torna os episódios envolventes e fluidos. Ela evidencia o sentimento de imersão com a série, fazendo com que o internauta não perceba que um episódio está prestes a acabar. Entretanto, essa subjetividade não é recomendada por se tratar de um documentário. 

Falsificação da história

Apesar da ótima atuação de Adele, a escolha da atriz foi criticada antes mesmo do lançamento da série. O fato da Cleópatra ser representada como uma mulher negra foi apontado como uma “falsificação da história”. Isso porque a série afirma que ela era preta, o que nunca foi comprovado, de acordo com historiadores. 

A revolta contra a plataforma resultou em um processo judicial. Segundo o jornal egípcio, Egypt Independent, o advogado Mahmoud Al-Semary iniciou uma ação no Ministério Público contra a Netflix, com o intuito de desligar a plataforma do país. O jornal declarou que  o advogado egípcio exigiu que ações legais fossem tomadas contra os responsáveis pelo documentário. Mahmoud considerou a representação como um crime contra a história de seu país.

Adele James colocando a coroa da rainha. A imagem foca na sua face colocando a coroa em sua cabeça. Ela está com dois braceletes dourados, assim como a coroa que também apresenta duas serpentes. Ela usa um brinco dourado redondo  e sua maquiagem é azul e dourada assim como a egípicia comum
Cleópatra, muitas vezes, era representada como uma personificação da deusa Ísis [Imagem: Divulgação/Netflix]

Além do processo, diversos historiadores e políticos criticaram a produção, inclusive o Conselho Supremo de Antiguidades do Egito. O Órgão diretamente ligado com o governo do país fez uma declaração rejeitando o seriado, já que segundo eles, Cleópatra tinha traços helenísticos – gregos. “A aparição da heroína é uma falsificação da história egípcia e uma flagrante falácia histórica, até porque a série é classificada como documentário e não uma obra dramática”, declarou o Secretário Geral Mostafa Waziri.

A atriz sofreu diversos comentários racistas, e em seu pronunciamento, ela defende a série como algo muito maior do que a cor da rainha. “Eu acho que tenho todo o direito de tentar humanizar essa mulher incrível -Cleópatra-”, declarou a atriz em entrevista para a revista Glamour UK. Além disso, ela diz que é inaceitável e prejudicial a forma como ela e todo o elenco do documentário está sendo tratado desde o anúncio da série.

https://www.instagram.com/reel/CsjL3P3vqjw/?utm_source=ig_web_copy_link&igshid=MzRlODBiNWFlZA==

A aparência da Cleópatra até hoje é um mistério, porque sua dinastia – Ptolomeus – não é egípcia. A descendência da faraó tem origem após a morte de Alexandre, o Grande, que conquistou o território do Egito em 334 a.C. e deixou a posse para seu general Ptolomeu I. Além disso, a mãe da rainha nunca foi identificada, o que dificulta o trabalho dos historiadores. Documentos da época também variam sua aparência.

[Imagem de capa: Divulgação/Netflix]

2 comentários em “Cleópatra: A rainha que nasceu para governar ”

  1. Maria Fernanda k Menezes

    Que resenha maravilhosa!! Deu vontade de ir assistir o documentário imediatamente, todos os detalhes e informações que fazem com que o público queira assistir.

  2. Caraca que matéria boa!! Eu vi a série e amei então comecei a ir atrás pra saber mais, não tinha noção de tudo isso!!!! ❤️❤️❤️❤️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima