Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Euro 2024 | 32 anos depois, a “Dinamáquina” tenta conquistar a Europa novamente

Seleção busca repetir o feito de 1992 e surpreender na competição

Por Breno Marino (brenomarino2005@usp.br)

Localizada no norte da Europa, a Dinamarca conta com aproximadamente 5,9 milhões de habitantes. O país é conhecido por ser um dos territórios habitados pelos vikings. No futebol, o país possui apenas dois títulos — uma Eurocopa e uma Copa das Confederações. Na Eurocopa de 2024, a seleção tenta surpreender e ultrapassar seus próprios limites.

O histórico na competição

A Dinamarca busca seu segundo título no torneio. O primeiro foi conquistado em 1992, na Suécia, em final contra a Alemanha, vencida pelo placar de 2 a 0. Peter Schmeichel, capitão da seleção, foi o grande nome na conquista, sendo fundamental com suas defesas, incluindo a disputa de pênaltis contra a Holanda na semifinal da competição.

Essa conquista, surpreendentemente, só aconteceu graças a um mandato da Organização das Nações Unidas (ONU). Isso ocorreu porque a Iugoslávia, em meio à guerra na região dos Balcãs, foi banida pela instituição de participar de qualquer evento esportivo. Assim, a vaga que estava destinada ao país passou para aquele que ficou atrás na fase de qualificação: a Dinamarca. Os jogadores dinamarqueses, que já estavam de férias em seus clubes, foram chamados às pressas. Michael Laudrup, craque do Barcelona na época, em meio a comemorações da conquista da Copa da Europa (atual Champions League) e uma briga com o técnico Møller Nielsen, não acatou ao chamado. 

A final contra a Alemanha ficou marcada pela criação de uma nova regra no esporte. Depois de abrirem 1 a 0 no placar, os torcedores que assistiam ao jogo acusaram os jogadores do país escandinavo de “antijogo”, já que os defensores da seleção adotaram a estratégia de recuar a bola ao goleiro, que, por sua vez, podia agarrar com as mãos e gastar tempo. Assim, um ano depois, a FIFA, junto à International Board, definiram que o goleiro deve jogar com os pés sempre que recebe a bola de um jogador de sua equipe pelo pé.

Seleção Dinamarquesa de 1992 erguendo a taça da Eurocopa [Reprodução/Youtube: UEFA]

A última Euro: do desespero ao quase sonho

A última vez que a seleção disputou a competição, em 2021, foi marcada por um triste incidente envolvendo o craque da equipe, Christian Eriksen. O meio campista sofreu uma parada cardiorrespiratória na primeira rodada do torneio, em jogo contra a Finlândia. Graças a rapidez e prontidão da equipe médica presente no estádio, além do apoio dos demais jogadores da Dinamarca, o jogador conseguiu ser socorrido e encaminhado ao hospital.


Mesmo com a perda e impacto do ocorrido com a figura central da seleção, o elenco se uniu e conseguiu chegar às semifinais da Eurocopa, perdendo para a Inglaterra em partida de arbitragem controversa.


A recuperação de Eriksen é tida pelos médicos envolvidos como um milagre, principalmente o retorno dele aos campos, sem danos graves [Reprodução/Twitter: @CalcioFinanza]

O caminho até a Euro

Depois de uma apresentação decepcionante na Copa do Mundo de 2022, caindo na fase de grupos da competição, a Dinamarca se classificou para a Eurocopa em primeiro lugar nas eliminatórias. A chave contava com Eslovênia, que passou com a segunda colocação, Finlândia, Cazaquistão, Irlanda do Norte e San Marino. Ao todo, foram dez jogos, sete vitórias, um empate e duas derrotas – para Cazaquistão (3 a 2) e Irlanda do Norte (2 a 0), ambas fora de casa.

Antes de chegar à competição, a seleção dinamarquesa jogou quatro amistosos. Dentre eles, foram três vitórias, contra Ilhas Faroé, Suécia e Noruega, e um empate, contra a Suíça.

Um grupo difícil pela frente

No sorteio da competição, o país escandinavo caiu no grupo C, ao lado de  Inglaterra, Sérvia e Eslovênia. Para avançar à próxima fase, a equipe terá que superar: uma das favoritas à conquista da Euro 2024, a seleção inglesa; um plantel técnico e de muita força física, como a seleção sérvia; e a Eslovênia, um oponente que já havia enfrentado nas eliminatórias, empatando o primeiro confronto e vencendo o segundo.

Para o técnico Kasper Hjulmand, em entrevista à UEFA, a Dinamarca terá pela frente três equipes muito boas e equilibradas. “A Eslovênia é uma seleção muito nivelada. Nós a encaramos duas vezes, e eu fiquei impressionado com a clara estrutura deles. Já a Inglaterra será um adversário muito difícil de ser ultrapassado, uma noz difícil de quebrar, e que provavelmente ganhará um título nos próximos anos. E por fim, a Sérvia, que é um time muito talentoso, principalmente ofensivamente. Eles podem enfrentar qualquer um quando estão no auge”, afirma.

Os craques da seleção

Kasper Schmeichel

Filho do ex-goleiro e ídolo dinamarquês, Peter Schmeichel, o jogador decidiu seguir os passos de seu pai e se tornar um jogador de futebol, na mesma posição. O atleta foi peça fundamental do título inglês do Leicester City, conquistado na temporada 2015/16. Além disso, Kasper teve performances excelentes pela seleção e se destaca como um dos mais experientes da equipe, justificando a capitania que recebe quando Kjaer não começa como titular. Atualmente, o goleiro atua no Anderlecht, da Bélgica.

Schmeichel completou 100 jogos pela Dinamarca em 23 de Março de 2024, o que demonstra sua qualidade e importância para a equipe. [Reprodução/Twitter:@kschmeichel1]

Andreas Christensen

Zagueiro do Barcelona, o atleta é um dos principais nomes da defesa da Dinamarca. Mesmo em temporada abaixo em seu clube, Christensen é uma peça muito importante na seleção, dando segurança e contribuindo com sua capacidade aérea e técnica para sair jogando da defesa.

Christensen é campeão espanhol e da Supertaça da Espanha pelo Barcelona, ambas conquistadas na temporada 2022/23 [Reprodução/Twitter: @BarcaTimes]

Pierre-Emile Højbjerg

Jogador do Tottenham, da Inglaterra, o volante teve boas atuações na temporada, mesmo com a equipe oscilando bastante. Com características defensivas e boa capacidade de ligação entre a defesa e o meio-campo, o dinamarquês é um bom “cão-de-guarda”, essencial na transição da fase defensiva para a ofensiva.

Pela  seleção dinamarquesa, Højbjerg tem 77 jogos e dez gols [Reprodução/Twitter: @@dbulandshold]

Christian Eriksen

Depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória na última Eurocopa, Eriksen conseguiu dar a volta por cima e voltar aos campos. Em um Manchester United de muita instabilidade, o meia consegue mostrar todo o seu potencial na seleção, demonstrando sua técnica e inteligência, tanto para criar jogadas quanto para finalizá-las. Nas eliminatórias para a competição, o jogador foi o mais bem avaliado da equipe, segundo o sofascore, com uma nota de 8.03 de média, em 6 jogos.

O jogador foi campeão da FA Cup na  temporada 2023/24, pelo Manchester United [Reprodução/Twitter: @dbulandshold]

Rasmus Højlund

Atacante de 21 anos e companheiro de equipe de Eriksen, o jogador é o presente e futuro da seleção. Com sete gols em oito jogos, sendo apenas seis como titular, Højlund foi o artilheiro da Dinamarca nas eliminatórias para a competição. O jovem atacante foi contratado pelo Manchester United na última temporada por aproximadamente 73 milhões de Euros, vindo da Atalanta.

Højlund foi o artilheiro do clube inglês na temporada, com 16 gols em 43 jogos [Reprodução/Twitter: @dbulandshold]

Como a Dinamarca joga

Ao contrário de muitas seleções, o técnico Hjulmand varia o esquema tático da equipe  de acordo com cada jogo e os jogadores que estão à disposição. Quando Kjaer – um dos líderes da seleção e capitão quando está dentro das quatro linhas – tem condições de jogo, a equipe normalmente joga em um 5-2-3: três zagueiros com boa saída de jogo e dois alas que avançam e, muitas vezes, juntam-se à linha do meio-campo, cortando para dentro. No meio, dois jogadores – um responsável pela contenção e ligação entre a defesa e o ataque (Hojbjerg), e o outro pela criação de jogadas (Eriksen). Já na linha da frente, a equipe conta com dois pontas, que tendem a cortar para dentro, abrindo espaço para o avanço dos alas, e uma referência no centro, responsável pela maior parte da finalização das jogadas.

Esquema tático quando a formação com cinco defensores é utilizada [Arte: Breno Marino]

Quando o técnico opta por uma formação com quatro defensores, ele utiliza o esquema 4-3-3. A característica dos defensores, atacantes e laterais se mantém em relação à outra formação. O que muda é o meio-campo: com um jogador a mais no setor, um dos atletas fica responsável pela contenção, outro pela criação de jogadas e o último varia entre os espaços e funções, o famoso “box-to-box” (geralmente Hojbjerg assume esse posto). 

Esse esquema é utilizado quando Kjaer não está à disposição. Por problemas físicos e idade avançada, o atleta não desempenha muito bem nessa formação. [Arte: Breno Marino]

*Foto de capa: [Reprodução/Twitter: @dbulandshold]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima