Home Afinal, o que é a Tomorrowland?
Afinal, o que é a Tomorrowland?
20 ago 2015 | Por Jornalismo Júnior

Tomorrowland. Numa tradução literal: “terra do amanhã”. O que essa palavra traz a mente? Para alguns, um filme. Para outros, o próprio futuro. Mas para milhares, o maior festival de música eletrônica do mundo.

A Tomorrowland, idealizada por dois irmãos belgas, teve sua primeira edição em agosto de  2005 e contou com 10 mil pessoas. O sucesso do festival foi tanto que em 2009 os shows já duravam dois dias, o número de participantes já era de 90 mil, com cerca de 200 DJs. Em 2012 o festival já durava 3 dias, contava com 185 mil pessoas, de mais de 75 países diferentes, e cerca de 400 DJs, dentre eles, David Guetta, Nicky Romero, Avicii, Skrillex, Hardwell e muitos outros. Em 2014, para comemorar o estrondoso sucesso e os 10 anos de festival, a Tomorrowland ocorreu em seis dias, mais de 400 mil ingressos foram vendidos e esgotaram-se em 5 minutos.

Mas você pode pensar: por que um show de música eletrônica atrai 60 mil pessoas por dia? A resposta é simples: a Tomorrowland não é “apenas” um festival de música. A Tomorrowland é, realmente, uma outra “terra”. Cada ano o festival tem um tema que envolve todos os palcos do festival e, além disso, está presente em todos os cantos, o que cria um clima místico no local. Atores e dançarinos que andam para lá e para cá fantasiados, bolhas de sabão, os espaços para relaxar… Todo o ambiente é envolvido com o tema daquele determinado ano.

Imagem: Divulgação.

Se você ainda acha pouco, tem mais. Esse “mundo mágico” conta com uma moeda própria, várias praças de alimentação, piscina, lojas, um restaurante que serve as comidas mais exóticas imagináveis, alguns “brinquedos” para a diversão do pessoal e, uma das partes mais importantes dessa “terra”, a Dreamville.

Dreamville é o nome dado para o acampamento situado na Tomorrowland. Lá pode-se encontrar mais locais para comer, lojas, banheiros e até mesmo um salão de beleza. O lugar é realmente uma “mini-cidade” e abriga mais de 20 mil pessoas, que dormem em barracas ou chalés durante o período do festival.

Imagem: Divulgação.

Essa estrutura toda combinada com todos os estilos de música eletrônica, desde mainstream até o underground, e gente afim de se divertir resultou no sucesso gigantesco que é a Tomorrowland. Esse trunfo todo fez com que, a partir de 2013, o festival ganhasse uma edição em Chattahoochee Hills, na Geórgia, nos Estados Unidos, chamada de TomorrowWorld.

Imagem: Divulgação.

Além disso, em 2015 ocorreu a primeira edição brasileira do festival, que ocorreu em Itu, no interior de São Paulo, chamada de Tomorrowland Brasil.  A versão brasileira do festival  ocorreu nos dias 1, 2 e 3 de maio deste ano, e fez tanto sucesso que foi confirmada para, pelo menos, os próximos 5 anos. Para se ter uma noção, 180 mil ingressos foram vendidos, sendo que 67 mil deles esgotaram só nos primeiros 47 segundos de vendas.

A Tomorrowland Brasil

O Sala 33 conversou com Júlia Souza (18), Laís Monteiro (18) e Marcela Padua (18) que estiveram na Tomorrowland Brasil. Em geral, as meninas acharam a organização boa: “Durante o festival, devido à uma dor de cabeça, precisei ir ao centro de enfermagem, no qual fui logo atendida por profissionais bem treinados”  – disse Júlia. Contudo, Laís afirmou que houveram alguns problemas “No dia em que fui não tinha vodka na festa e umas 21h30 acabaram os copos. […] Em alguns bares só tinha cerveja e alguns não tinham nada” –  disse.

Para os shows, o Brasil recebeu nomes como Hardwell, Yves V, Nicky Romero, Steve Angelo, Steve Aoki, Dimitri Vegas & Like Mike e, é claro, David Guetta. Laís disse que para ela a melhor atração foi a dupla alemã Cosmic Gate. Como não são muito conhecidos no Brasil, seria bem difícil conseguir ir em um show deles por aqui: “Apesar de o som ter parado umas quatro vezes durante a apresentação devido à umidade causada por uma fonte que ficava ao lado do palco, o show deles foi sensacional.”

Para Júlia e Marcela, que foram no terceiro dia de festival, o melhor show foi o de Guetta: “Acredito que por ele ter participado de todas as edições do evento na Bélgica, devido a todo seu repertório musical e o fato dele ter encerrado o festival, fizeram com o show dele ultrapassasse todas as minhas expectativas”, disse Marcela. Parece que, para David Guetta, o show também foi muito bom. Em entrevista recente ele afirmou que a edição brasileira do festival poderia ser maior até mesmo que a edição belga.

Imagem: Divulgação.

As três meninas se impressionaram muito com o festival e elogiaram a decoração e a energia do local:  “Além da parte estética ser de encher os olhos, a produção realmente se preocupou com o público” – disse Júlia. “As árvores passavam uma ideia de floresta encantada que combina demais com o evento, e também não estava escuro, considerando que a festa era ‘no meio do nada'”, completou Laís. Sobre a energia do festival, Marcela afirmou que “em todo lugar que eu ia tinha música e muita gente alegre dançando. Acho que nunca vi uma energia tão boa.”

Infelizmente, nem tudo são flores.  Um funcionário terceirizado da Tomorrowland Brasil foi encontrado morto em uma caçamba nos arredores no festival. A organização do festival lamentou a morte do homem, ainda não identificado, e se comprometeu a ajudar nas investigações do caso. Além disso, alguns casos de roubos foram relatados durante os shows. A Polícia de Itu não confirmou a quantidade de ocorrências.

Apesar disso, no geral, o evento teve saldo positivo. As pessoas se divertiram e se impressionaram com a Tomorrowland. Marcela contou que o local arborizado, a produção cenográfica, as fantasias, os fogos e as luzes fizeram com que o público se sentisse em um lugar totalmente diferente: “A Tomorrowland ultrapassou todas as minhas expectativas. “

Imagem: Divulgação.

Pensando assim, dá pra considerar o evento um sucesso. Muitos se surpreenderam com a qualidade do evento e mal podem esperar para a próxima edição do festival, que ocorrerá em 21, 22 e 23 de abril de 2016. “Não dá para por em palavras a experiência de ir na Tomorrowland Brasil. Ter uma festa dessa no nosso país é incrível porque tem a energia e a alegria brasileira e é sensacional,” conclui Laís.

 

Por Giuliana Viggiano
viggiano.giuliana@gmail.com

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*