Home Em Cena Os percursos da profissão de ator
Os percursos da profissão de ator
Em Cena
27 dez 2014 | Por Jornalismo Júnior

Segunda-feira, 5h30. O celular desperta: é hora de levantar. A passos sonolentos toma banho, café da manhã e se dirige ao ponto de ônibus. Terminal Grajaú é o seu primeiro destino. Ali, sobe as escadas para a estação de trem e pega um vagão que, tão lotado quanto o ônibus de antes, a levará até Santo Amaro. Na estação movimentada que faz integração com a linha Lilás, desce do trem para entrar no metrô. O destino dessa vez é a estação Adolfo Pinheiro. Mais uma curta caminhada e, enfim, está no trabalho. A profissão praticada? Professora de Inglês em uma escola particular. A profissão desejada? Atriz dos grandes palcos do mundo.

O dia-a-dia de Manuela Ranny, de 20 anos, não é exclusivo a ela. Muitos dos que almejam a carreira de artes cênicas trabalham durante a semana naquilo que paga suas contas no anseio de que, quando o final de semana chegar, poderão incorporar seus personagens e no palco realizar o sonho de ser ator. A jornada para concretizar esse sonho, no entanto, é bem árdua.

Filha de uma família humilde e nascida na periferia da Zona Sul, Manuela é mais uma das jovens que veem no teatro a sua paixão. Tendo começado a trabalhar ainda com 15 anos em uma escola de inglês, a hoje professora lembra que quando começou a se interessar pelo teatro ouvia sempre a frase: “isso não dá dinheiro, tenta engenharia”.

Para os pais de Manuela, os cursos de teatro não valiam a pena e, mesmo sabendo que eles podiam levar a filha a conseguir o DRT (documento de registro profissional de atores), Ozeni e Odenilson Viana queriam que ela cursasse uma faculdade. Assim, a filha única do casal de mineiros passou dois anos no cursinho em busca da vaga de artes cênicas nas universidades públicas.

21032014cacecafotomarcossantos004

Teatro laboratório da escola de artes cênicas da USP. Foto: Reprodução.

No final desse período, sem conseguir a preciosa vaga, Manuela decidiu optar pelos cursos pagos que tinha pesquisado outrora e convenceu seus pais a apoiarem-na na caminhada que iria começar. Trabalhando já há alguns anos, Manuela é quem paga seu próprio curso no Teatro Escola Macunaíma. Em um dos bairros vizinhos ao seu, na região do Grajaú, todavia, Isabella Marcelino Lucas, de 18 anos, sofre com a falta de condições financeiras para pagar sua profissionalização na área.

Estudo X Dinheiro
Isabella tinha apenas 10 anos quando suspirou pelo teatro pela primeira vez. Foi a idade com a qual encenou sua primeira peça aberta ao público, no circo-escola que ficava próximo a sua casa. A então menina ocupou o papel principal do espetáculo e, deixando-se encantar pela magia do teatro, acabou encantando a todos que a assistiam da plateia. Mas, foi apenas com 16 anos, quando entrou para o grupo de teatro de sua escola no Ensino Médio, que Isabella disse ter certeza do que queria. “Assim que eu comecei [a participar do grupo] eu pensei ‘é isso, é isso mesmo’”.

IMG-20141222-WA0002

Isabella Marcelino com 16 anos na peça “O bonequeiro Vitalino” do grupo de teatro do Colégio Grajaú. Foto: Reprodução.

Apesar disso, sem condições para continuar pagando a escola particular para os três filhos, a mãe de Isabella optou por retirá-la do colégio onde a filha fazia teatro. Mudando para uma escola pública em Santo Amaro, Isabella teve seu ensino comprometido e na hora de prestar o vestibular para cênicas, assim como Manuela, percebeu o quão difícil era ingressar em uma universidade pública. Sem ter dinheiro para pagar um curso particular, Isabella foi vendo seus sonhos de estudar teatro tornarem-se cada vez mais complicados. Complicados porque, para quem deseja ser ator, o estudo é imprescindível.

Aluna do terceiro ano do curso de Artes Cênicas da USP e coordenadora o grupo de teatro amador para alunos da Universidade, Giu Confuorto explica sobre a importância do estudo teatral ressaltando que ele “influencia a maneira com que o ator vai fazer uma improvisação, vai criar uma imagem cênica, um texto”. Confuorto conta que é preciso estudar várias linguagens e ter referência em todas as formas de arte para que, ao realizar testes e entrar em grupos consolidados, o ator consiga “perder seus vícios corporais” e “deixar o corpo entrar no jogo da cena de forma orgânica, sem apego às ideias pré-estabelecidas”.

A também ativista conta que muitos acham que atuar é questão de inspiração, que os atores “encarnam personagens”, quando na verdade aquele resultado é fruto de muito trabalho e prática. Manuela Ranny concorda com a parceira de profissão. “Não é só subir no palco, tem muita coisa por trás”.

Uma alternativa a quem, como Isabella, não consegue pagar os cursos e encontra as barreiras de vestibulares como o da FUVEST, são cursos gratuitos e não profissionalizantes como os da Companhia Paidéia de Teatro. Isabella Marcelino apresentou sua primeira peça no Paidéia este ano e diz que a Cia tem sido muito importante neste período em que ela ainda não tem recursos para se profissionalizar.

Sede da Paidéia em Santo Amaro. Foto: Reprodução.

Sair de um curso sem o DRT, no entanto, implica em algumas dificuldades, como a impossibilidade de competir em alguns testes.“Já teve casting que eu tentei entrar e eles falavam: ‘só com o DRT’. Pra mim ele facilitou muita coisa”, diz a, já formada, Deise Soares. Ela conta também que ter o DRT não significa que seu futuro já está certo.

Teatro tem que ser feito por amor
Participante de uma companhia de teatro independente, a Cia ncora, Deise Soares narra a conquista dos grandes palcos como uma verdadeira saga. Também pedagoga, a atriz, que se formou em teatro pelo Macunaíma, diz que os professores já comentavam que a profissão era difícil, mas que a prática é bem mais cruel. Segundo ela, a primeira peça profissional em que atuou rendeu na bilheteria menos que 100 reais para cada ator. Gabriel Gallindo, roteirista e ator da Cia das Quimeras, acredita que o pouco dinheiro que rende a profissão é consequência de uma competição do teatro com as outras várias opções de lazer que as pessoas têm. Essa competição, aliada à falta de hábito dos brasileiros de ir ao teatro, faz com que muitos atores, mesmo depois de formados, não consigam sobreviver só com o que se ganha na venda de ingressos.“Geralmente ator tem duas profissões” confirma Deise.

Manuela Ranny, que também trabalha auxiliando os atores da Cia das Quimeras com a bilheteria, diz que quando conheceu a Cia sua ideia de teatro se desencontrou. A falta de patrocínio e a ideologia independente faz, segundo ela, com que os envolvidos na companhia tenham que conseguir tudo por conta própria. “Quando a gente tá no curso, a gente tem que correr atrás de algumas coisas, mas é muito diferente porque você tem o espaço aonde você vai se apresentar, já tem o pessoal da organização, a galera da bilheteria. É um apoio garantido. No caso da Cia das Quimeras, eles tiveram que correr atrás de um teatro, de um figurino, de um cenário…”.

10863475_776308162405950_1326842742_n

Ensaio da Cia Âncora do CCSP. Todos os figurinos e objetos de cena foram improvisados. Foto: Reprodução.

A estudante de teatro conta que há o receio de não saber se o trabalho ensaiado o ano inteiro conseguirá ser apresentado. “É bem sofrido. Quinze, vinte pessoas de público deixavam a gente feliz”.

Deixando de fora os altos e baixos, e as dificuldades da profissão, Manuela, Deise, Isabella e Giu Confuorto concordam: teatro tem que ser feito por amor. “No teatro se você tiver uma única pessoa te assistindo, é gratificante terminar o seu trabalho e assistir as palmas daquela pessoa” relata Manuela.

Apaixonados pela profissão, os atores se doam, se preparam para tudo. Deise Soares diz que “Não importa se vai ser difícil. O importante mesmo é tentar e não desistir”. Aqui caiba, talvez, o conhecido verso do grande Fernando Pessoa. No teatro, como na vida, no que se ama, “tudo vale a pena, se a alma não é pequena”.

Por Jessica Bernardo
jessicabmarcelino@gmail.com

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Lucas Mello
Continue sempre Manuela! Admiro o ramo de atuação e um dia quero me desenvolver na área.
05 ago 2015
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*