Home Escuta Aí Taylor Swift domina a catarse em ‘folklore’
Taylor Swift domina a catarse em ‘folklore’
Escuta Aí
25 jul 2020 | Por Thiago Gelli (thiago.gelli@usp.br)

Taylor Swift construiu sua carreira balanceando vulnerabilidade, música e visibilidade, o que nem sempre foi uma relação proveitosa e equilibrada, marcada por infindáveis rivalidades públicas e pela declarada busca por validação — expressa, por exemplo, pela sonoridade comercial pop que adotou em reputation (2017) e Lover (2019) e por sua relação com premiações. Quatorze anos após seu início, no entanto, Taylor parece enfim suspender-se de si e de pressões externas  e submergir-se por completo no espaço de cantora-compositora, que sempre dominou com delicadeza e meditação, em folklore.

O álbum, lançado de surpresa no dia 24 de julho, se estende por 16 músicas nascidas do folk, pop, country e alternativo. Nelas, Swift navega pela memória, ansiedade, frustrações, insegurança e doçura presentes no encontro entre enredos construídos e sensibilidade pessoal. Seja pela pandemia que destruiu qualquer possibilidade de divulgação tradicional, ou pelo amadurecimento e estabelecimento de seu nome, Taylor faz de folklore sua gravação mais crua e genuína, longe de ganchos e refrões repetitivos feitos para a rádio e construída pela escrita ímpar que havia estabelecido canções prévias de sua autoria, como All Too Well, no panteão das melhores do século. 

Imagem promocional do álbum folklore. [Imagem: Divulgação/Taylor Swift]

Imagem promocional do álbum. [Imagem: Divulgação/Taylor Swift]

Folklore é pura catarse ininterrupta. É uma hora de músicas que pegam o ouvinte desprevenido em momentos abruptos e sutis de lirismo exemplar e profundamente sensível. Na contramão de suas pretensões fictícias, o disco não passa por um instante sequer de artificialidade. Suas canções, cujo elemento mais explosivo é a honestidade desconcertante, marcam o ouvinte com a intensidade de corações repetidamente partidos e consertados. Não é um álbum de frases de efeito, ou de produção imponente e opressiva. Ao apoiar-se por completo na suavidade e na habilidade de Swift em contar histórias, folklore extrai a maior excelência da artista.

Não há desconexão entre melodia, composição e entrega a ser vista. Seus agudos localizados, como em illicit affairs, são extremamente potentes e emotivos. O vocal devaneante de epiphany — entre a expressão de uma canção de ninar e um lamento — colore o melhor esforço da carreira de Taylor em infundir sua obra com temáticas contemporâneas e comentário político-social. Já seven é absurdamente arrebatadora e a leva a espaços nunca antes explorados, moldando a voz da cantora à imagem de um relato vagaroso sobre lembrança, nostalgia e eternidade.

Taylor se agarra a seu piano no clipe de cardigan. [Imagem: Reprodução/YouTube/Taylor Swift]

Taylor se agarra a seu piano no clipe de cardigan. [Imagem: Reprodução/YouTube/Taylor Swift]

Separado da obsessão pelo que ocorre atrás dos bastidores, folklore é um álbum estupendamente sustentado por si só. Assim como na capa, Swift é pequena perto de seus arredores, e torna-se veículo de expressão para histórias universais, como se captasse e reproduzisse integralmente os sentimentos de agonia, êxtase e paixão por quais todos, em algum nível, passam. 

O efeito da obra é penetrante, prolongado e até mesmo físico. Taylor entrega seu álbum mais coeso e cimenta o acesso direto à sensibilidade do ouvinte que sempre cultivou. Desde a revisitação sábia de antigos temas, como o amor adolescente de betty, até a compreensão madura da complexidade de relacionamentos em peace e hoax, a cantora se fixa no espaço digno de gigantesca compositora. Ao lado de Aaron Dessner e Jack Antonoff, atinge as produções mais ricas de sua carreira em anos, longe da exclusividade dos sintetizadores que a fascinavam desde 1989 (2014). As camadas de violoncelo, viola, violino e até mesmo uma gaita extremamente satisfatória criam a textura que complementa, engrandece e nunca ofusca qualquer outro elemento do trabalho. 

O oitavo álbum da cantora emociona como poucos. É o melhor realizado projeto de Swift, e não cansa em proporcionar experiências completas que estimulam os sentidos e aproveitam a narratividade musical. Na canção cardigan, ao relatar um amor perdido, Taylor afirma que seu amado permaneceria como um beijo tatuado, que a marcaria como uma mancha de sangue e assombraria sua imaginação. É uma bela síntese do disco. Folklore é um soco no estômago — da melhor forma possível. De fato, como é cantado em seu encerramento, não há outra tristeza capaz deste efeito. 

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Bruna
Análise incrível! Deu até vontade de escutar o album novamente. Parabéns ao jornalista.
26 jul 2020
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*