Home Escuta Aí A música e o Videogame
A música e o Videogame
Escuta Aí
22 dez 2016 | Por Jornalismo Júnior

É fato, quando ligamos nosso console, pegamos o controle e nos sentamos na frente da televisão ou do computador para estrear aquele novo jogo, nossa atenção vai além dos tutoriais e das instruções que são passadas. Estamos de ouvidos sempre atentos: a música e os games formam uma parceria maravilhosa.

Todos sabemos que, cada vez mais, o que as produtoras de jogos querem é aproximar seu usuário da realidade: quanto mais fiel o jogo for à vida real, melhor. As músicas vem para ajudar nesse quesito.

Jogar basquete nas quadras de rua americanas não teria o mesmo sabor se não estivesse tocando hip hop ou rap naquele clássico microsystem ao lado. É a proposta da série de games da NBA, produzida pela 2K Sports, em seus modos de jogo que envolvem a carreira de um suposto astro de basquete, que como a maioria, começa nas ruas.

perkins

Imagem: Divulgação

Além da busca pela aproximação, os idealizadores possuem um estudo de seu público e tentam selecionar a playlist daquele game para agradá-lo ao máximo. Partindo do pressuposto que grande parte dos fãs da série Tony Hawk são adeptos de um estilo de vida ligado ao skateboarding, a soundtrack do jogo traz o melhor do rock, pop punk, hip hop e heavy metal. Entre os 10 jogos da coleção, são mais de 400 músicas para se ouvir enquanto dá seu “rolê” de board.

A grande variedade musical é uma característica de uma das séries mais populares da história moderna do videogame, Grand Theft Auto, ou simplesmente, GTA. Dentro do game, quando o usuário entra no carro, ele não possui apenas uma playlist mas sim uma variedade de rádios americanas, cada qual com uma programação musical semelhante ao estilo imposto pela estação.

A trilha sonora vai se adaptando conforme o ano em que o jogo está sendo retratado, por exemplo, sua edição mais famosa, GTA San Andreas se passa em solo americano no ano de 1992, logo, os hits tocados nas estações são aqueles que bombaram durante o início da década de 90 nos Estados Unidos.

Mais do que ouvir, os jogadores querem fazer. O sonho de ser um rockstar, ter sua banda, pegar a estrada fazendo covers, gravar clipes e chegar ao sucesso é possível no Guitar Hero. A série de jogos americanas, lançada em 2005, coloca o usuário no papel de guitarrista, tocando desde Indie até clássicos do Rock n Roll na busca pela fama.

gh3

Imagem: Divulgação

O sucesso dos jogos foi enorme, fazendo com que muito dos adeptos fossem além do joystick e comprassem uma guitarra que funcionava como controle, aumentando ainda mais a sensação de ser um astro do rock. Anos depois, outros games vieram como extensão, permitindo que além de guitarrista, o jogador fosse baixista, baterista, cantor e até DJ.

O país do futebol

Não adianta negar, o brasileiro é um apaixonado pelo futebol, seja ele de campo, de quadra, de areia ou digital. O FIFA, franquia mais famosa de games futebolísticos, vigora entre os maiores sucessos de vendas em nosso país e foi nele que a música nacional encontrou espaço para adentrar nesse meio gamer.

Como dito anteriormente, por conta da popularidade dos games ligados ao futebol, os fabricantes do jogo resolveram abrir um espaço em sua playlist para que fãs brasileiros pudessem curtir músicas de seu país enquanto “batiam uma bolinha” em seu console.

Muitos são os exemplos, como os Tribalistas e Zeca Pagodinho no ano de 2004, Marcelo D2 e Ivete Sangalo em 2005, Carlinhos Brown em 2006 e Seu Jorge no FIFA 2007. Atualmente, o game abre um espaço importante para o Rap Nacional, trazendo em suas últimas edições a rapper Karol Conka e o fenômeno Emicida, por duas vezes.

No geral, foram 26 canções em 14 anos de parceria. Todas elas você pode conferir neste vídeo:

Atualmente, mesmo com a busca pela “playlist perfeita” realizada pelos produtores, muitos jogadores desejam escutar seus hits prediletos enquanto jogam em seus consoles, coisa que já era feita há muito tempo de um modo manual (televisão com som no mudo e música no celular/computador). Hoje, o Spotify chega em parceria com consoles mais modernos, como o Playstation 4, e permite que o jogador ouça sua própria soundtrack enquanto se diverte com qualquer game — seja futebol, ação, rpg ou corrida, rock, rap, eletrônica ou samba.

Por Rafael Castino
rafacastino12@gmail.com

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*