Home Escuta Aí Ana Cañas se impõe no Sesc Vila Mariana
Ana Cañas se impõe no Sesc Vila Mariana
Escuta Aí
24 out 2017 | Por Jornalismo Júnior

O palco de estrutura minimalista poderia ser um indício: o show da Ana Cañas, no último dia 20, não precisava de muito mais do que apenas ela e sua voz. Logo de entrada, com “Tô na Vida”, a cantora já iniciava com boa energia e letras de tonalidade diversa ao longo do show: impressões emocionais sobre a vida como pessoa e como mulher, reafirmações fixas e diretas, posicionamentos fortes e sentimentos profundos. Mesmo com pouco diálogo ao longo do encontro, Ana conseguiu transmitir sua personalidade durante o desenrolar das músicas. Despretensiosa e leve, parecia confortável o suficiente no palco para não se preocupar com uma postura perfeita e muito planejada, o que deu uma marca de maior proximidade ao evento.

A apresentação passou por vários momentos, uns mais agitados e frenéticos e outros mais intimistas e melancólicos, mas todos marcados pela característica mais forte da cantora: sua voz. Independente do gênero que explora, essa ressalta e potencializa as canções que interpreta.

Houve vários momentos altos, mas os que mais se destacaram foram aqueles em que a cantora trouxe suas canções mais afirmativas, como Mulher e uma das últimas, Respeita, por exemplo. As duas abordam a situação da mulher na sociedade, sua reafirmação e foram responsáveis por uma grande participação do público. Um dos maiores sucessos da cantora, Pra Você Guardei o Amor, parceria com Nando Reis, também exaltou a plateia, o que agradeceu: “Obrigada por cantarem junto”.

Outro destaque foram os diversos covers que a artista realizou, cada um com sua peculiaridade, como o primeiro, Rock and Roll, do Led Zeppelin, em que tocou o violão e honrou o título da música, mostrando sua personalidade descontraída: “errei o violão a música toda, mas tá tudo bem, no rock and roll pode”. Dentre esses, também esteve Velha Roupa Colorida, de Belchior, que exaltou os presentes e foi o momento mais político da noite: ao final da música, a plateia entoou em conjunto “Fora Temer” favorecido pela iniciativa da cantora.

Talvez o ponto mais alto pode ser dado ao bis, quando Cañas cantou Retrato em Branco e Preto, composta por Chico Buarque e interpretada por Tom Jobim. Composição dramática, foi um dos momentos mais carregados do show, quando todos se aproximaram mais do palco, e Ana demonstrou com excepcionalidade uma profundidade emocional que foi complementada pela sua voz densa, que encaixou-se perfeitamente à música.

Seja pela sua diversidade de gêneros e músicas com várias tonalidades, ou pela sua voz ampla e imponente, Ana Cañas com certeza não passa despercebida, e o encontro da última sexta não poderia ser exceção.

Por Daniel Medina
danieltmedina@gmail.com

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*