Home Eu Fui Anime Friends 2018: celebrando a cultura geek com mais espaço e ação
Anime Friends 2018: celebrando a cultura geek com mais espaço e ação
Eu Fui
16 jul 2018 | Por Jornalismo Júnior

Foto: Marcus de Rosa / Audiovisual / Jornalismo Júnior

A edição de 2018 da convenção anual Anime Friends, dedicada a celebrar toda a cultura anime e mangá, englobando também a cultura geek em geral, foi novamente um sucesso, repleto de atrações incríveis e um novo e entusiasmante cenário no Pavilhão de Eventos do Anhembi, em Santana, São Paulo. Iniciando na sexta-feira (06/07) e terminando apenas três dias depois, na segunda (09/07), o evento contou com atrações musicais nacionais e internacionais, youtubers, dubladores, uma variedade de estandes e lojas temáticas, um pavilhão de alimentação diverso e muitos cosplays de cair o queixo.

Somado à execução e organização impecáveis do evento, que garantiram com que este progredisse em ordem e sem problemas durante os quatro dias, o ambiente e atmosfera da nova edição eram muito gratificantes para os presentes. Um dos comentários mais comuns dos visitantes era sobre o espaço: para estes, a nova localização era maior e mais confortável para os cosplayers e o movimento entre as lojas e estandes. Outro ponto positivo foi a cobertura, que protege os visitantes da chuva e do sol, um problema tido como recorrente nas edições anteriores, realizadas em locação aberta.

Na região central do evento, logo após a entrada, se localizava o pavilhão de lojas, constituido por inúmeros quiosques de comércios de artigos geek e da cultura anime. Neste era possível obter camisetas, artigos colecionáveis como action figures e cards, acessórios, pôsteres Nesta edição, notava-se o destaque dado pelas lojas aos artigos de grupos de k-pop, principalmente do reputado conjunto BTS. No quesito variedade, porém, quase todos os quiosques vendiam a mesma diversidade de produtos e, para os leitores paulistas: é possível encontrar praticamente tudo que era vendido no pavilhão comercial em uma visita ao bairro da Liberdade e suas galerias de lojas.

Alguns quiosques, porém, lançavam um atrativo extra, como a loja Bankai, cujo destaque eram as espadas decorativas expostas para venda em seu balcão; e a loja Anime Hunter, que expunha os body pillows (travesseiros compridos feitos para serem abraçados, geralmente com uma imagem de um personagem de anime impresso na cobertura) à venda ao redor de toda a loja.

Visitantes caminham pelo pavilhão de lojas do evento. Foto: Marcus De Rosa

Os estandes participantes também foram de grande peso e variedade no evento. Localizados à direita da área central, os visitantes podiam encontrar os estandes de diversas editoras de comics e mangá, como a NewPOP, a JBC e o destaque do ano, a Panini, que contava com um estande principal e um quiosque adjacente. Nestes, estava disponível uma incrível quantidade de mangás, visto que se contava com as três principais editoras do gênero no Brasil. No estande da gigante Panini, ainda, se encontrava junto aos mangás toda a variedade de comics, desde as clássicas Marvel e DC até as novas edições dos quadrinhos reimaginados da Turma da Mônica.

Quiosque de quadrinhos da editora Panini. Foto: Marcus De Rosa

Estavam presentes também a produtora de games digitais BANDAI-NAMCO e o serviço de streaming de animes Crunchyroll. No primeiro, podia-se jogar a nova edição do jogo Jump Force, game de batalha que reúne os personagens mais icônicos dos mangás que se tornaram famosos por participarem da revista Shonen Jump!, como Naruto, One Piece e Dragon Ball. No segundo, era possível obter assinaturas pré-pagas para o serviço sob promoção e ainda jogar uma partida do novo jogo do anime My Hero Academia (Boku no hero Academia).

Havia, ainda,  atrações para todas as idades, organizadas pelo próprio evento e empresas de entretenimento, como um estande de baseball, um espaço para dança em grupo de k-pop, uma área com mesas destinadas aos board-games (RPGs) e card-games como Magic: The Gathering, e um mini-parque de camas elásticas (esse só para os pequenos). Uma das maiores e mais movimentados áreas , porém, era o Artist´s Alley, onde  artistas e desenhistas apresentavam seu trabalho, realizavam vendas autografadas e conheciam fãs. Muitos aceitavam também comissões, ou seja, desenhos por encomenda que podiam ser feitos no próprio local, possibilitando voltar para casa com um desenho de seu personagem preferido feito na hora.

A Artist’s Alley, onde visitantes podiam comprar arte e conhecer artistas. Foto: Marcus De Rosa

Destacou-se também o imenso estande da EMB (Escola de Magia e Bruxaria), inspirado no mundo da saga Harry Potter. A área contava com um set para fotos baseado na Estação 9 ¾, cenário icônico nos filmes do bruxo, assim como uma loja temática repleta de itens inspirados na saga, como capas e acessórios de cada casa, doces vistos nos filmes e também varinhas. Englobava, ainda, mais três áreas: uma pequena sala de aula onde ocorriam encenações de uma classe de Hogwarts, uma destinada a um jogo de tabuleiro inspirado em citados nos livros e um pequeno lounge temático. A grande atração, porém, residia em um anexo, ao lado esquerdo: uma quadra de quadribol equipada com vassouras, gols e bolas como as dos filmes. Apesar de pequena em área, muitos visitantes de todas as idades se divertiram ao longo dos quatro dias.

A edição 2018 do Anime Friends desfrutou de inúmeras atrações, nacionais e internacionais. Englobando no ambiente dois auditórios e dois palcos, sempre havia algo para se fazer ou assistir. Os auditórios dividiam-se em Auditório 1 e Auditório 2. O primeiro era reservado para palestras e entrevistas, como as com os dubladores que presenciaram o evento. O segundo era palco de apresentações especiais, devido à sua iluminação. Os palcos, por sua vez, dividiam-se em Palco Principal e Palco Anime. Enquanto o Palco Principal era usado para as atrações musicais, o Palco Anime servia para as apresentações de youtubers e desfiles de cosplay.

As atrações musicais animaram a convenção com seus setlists repletos de temas clássicos dos animes. A banda nacional Aura Break tocou uma variedade de covers de aberturas famosas de animes mais recentes, como a canção Haruka kanata, uma das aberturas da série Naruto, enquanto a cantora Isis Vasconcellos performou clássicos como A Cruel Angel’s Thesis, abertura de Neon Genesis: Evangelion. O cantor nacional Diogo Miyahara trouxe um show espetacular com inúmeras aberturas de séries clássicas de tokusatsus dos anos 80 e 90 como Ultraman, Jiraya e Power Rangers, com uma performance energética e direito a participações dos personagens no palco!

O brasileiro Diogo Miyahara eletrizou a plateia com temas clássicos de programas japoneses. Foto: Marcus De Rosa

As atrações internacionais também fizeram um show e tanto no Anime Friends 2018, com a vinda de diversos artistas direto do Japão. A cantora Yumi Matsuzawa cantou uma seleção especial de aberturas de animes e tokusatsus clássicos em um show repleto do carisma e simpatia da artista japonesa. Outra atração merecedora de grande destaque foi o conjunto Deadlift Lolita, dupla formada pelo australiano Ladybeard e pela japonesa Reika Saiki, ambos wrestlers e cantores. O show do improvável grupo que combina death metal, wrestling, bodybuilding e kawaii (“fofura”, do japonês) é de uma intensidade inimaginável.

A dupla internacional Deadlift Lolita. Foto: Marcus De Rosa

As danças energéticas, combinadas à música pesada não nos deixam tirar os olhos do palco, um transe talvez esquisito para os que veem o show pela primeira vez, mas incrivelmente divertido. E a diversão aumenta quando a dupla desce do palco e inicia seu ato de wrestling bem em meio à plateia, causando deslumbramento e euforia a todos que assistem.

O grupo levou os fãs à loucura ao descer do palco e performar seu ato de wrestling. Foto: Marcus De Rosa

A grande atração internacional, porém, foi a cantora-fantasia Hatsune Miku, cujo show causou a formação de filas gigantescas em frente ao Auditório 2. A cantora virtual entregou aos fãs um show energético e atraente, devido às suas cores e música eletrizante. Além do show, foram realizadas palestras e exibido o filme de Hatsune, que atraiu ainda mais fãs.

Outra grande atração foi a presença dos ilustres dubladores que realizaram palestras abertas para perguntas, onde falavam sobre suas experiências dublando diferentes animes e programas da cultura pop. Durante os quatro dias, foram realizadas palestras com os dubladores Christiano Torreão e Marco Ribeiro de Yu Yu Hakusho, Wendel Bezerra, Tânia Gaidarji e Wellington Lima de Dragon Ball, Guilherme Briggs e Charles Emmanuel.

Wendel Bezerra, Tânia Gaidarji e Wellington Lima, dubladores do Dragon Ball. Foto: Marcus De Rosa

Nas palestras, os dubladores contaram histórias sobre seus trabalhos com a dublagem e responderam diversas perguntas dos fãs. Os de Dragon Ball e Guilherme Briggs atraíram grande parte do evento para o Auditório 1, causando a formação de uma grande fila à frente deste.

O dublador Guilherme Briggs conversa de forma descontraída e divertida com os fãs. Foto: Marcus De Rosa

O pavilhão de alimentação nesta edição estava repleto de opções e diversidade. Entre diferentes food trucks e quiosques, podia-se optar por fast food, diferentes pratos orientais como temaki e takoyaki e também um restaurante por kilo. Além das opções de refeições, havia também diferentes snacks para se desfrutar, como quiosques de crepes, waffles, raspadinhas e bubble-tea. A qualidade da comida, mesmo em forma de refeições rápidas para festival, era de ponta e não deixava a desejar aos visitantes.

E como em toda edição do Anime Friends, os cosplays não podiam faltar. Para melhor ilustrar a habilidade e dedicação dos cosplayers em preparar seus trajes e encarnar seus personagens preferidos, o Sala33 preparou uma galeria com os melhores cosplays registrados nesta edição do evento!

Para encerrar nosso sumário do evento, o Sala aproveitou esse momento de reunião e celebração da cultura anime, unido ao fato de muitos ainda não entenderem a natureza ou o porquê de se fantasiar para estes eventos, para perguntar aos cosplayers presentes algo que recebe diversas explicações: para eles, o que é cosplay?

“Diversão! É sair da sua realidade para se divertir” disse uma cosplayer em um grupo, que viera fantasiado dos personas da série de jogos Mortal Combat.

“É a realização de um sonho, incorporar um personagem que você admira e, muitas vezes, usa de base para sua vida. Eu acho que é uma arte.” relatou Tanisa, que incorporava o alquimista Edward Elric, do anime Fullmetal Alchemist em um cosplay tão aparatoso quanto espetacular.

A cosplayer Tanisa incorpora Edward Elric, protagonista de Fullmetal Alchemist. Foto: Marcus De Rosa

Por Marcus De Rosa
mesderosa@usp.br

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*