Home Controle Remoto 20 anos depois, ‘Freaks and Geeks’ se prova atemporal
20 anos depois, ‘Freaks and Geeks’ se prova atemporal
Controle Remoto
29 ago 2020 | Por Thiago Gelli (thiago.gelli@usp.br)

A câmera percorre um campo de futebol e direciona-se à clássica arquibancada de filmes adolescentes, sobre a qual há um casal sentado. Um atleta diz à líder de torcida: “Ashley, eu te amo tanto que me assusta”, e a beija. O percurso do foco, no entanto, não para. A leve música ao som do violão é substituída pela guitarra abrupta de Runnin’ With The Devil, de Van Halen, para revelar, por debaixo dos assentos, a turma de deslocados reunida, discutindo camisetas de rock e igrejas. Ao seu lado, três meninos são caçoados por conta de suas imitações do comediante Bill Murray. Assim começa a série Freaks and Geeks (1999-2000) — claramente avessa à fantasia estadunidense de reis e rainhas do baile.

O seriado acompanha dois irmãos, cada qual protagonista do devido núcleo. Lindsay Weir (Linda Cardellini) é uma estudante exemplar determinada a quebrar os moldes aos quais está habituada e se tornar parte do grupo de rebeldes sem causa. Já seu irmão mais novo, Sam (John Francis Daley), faz parte dos geeks, que se dedicam à jogatinas de RPG, à ficção científica e à imaginação de relacionamentos que estão longe da concretude.

Imagem do trio geek nos bastidores da gravação. [Imagem: Reprodução/IMDb]

Imagem do trio geek nos bastidores da gravação. [Imagem: Reprodução/IMDb]

É contraintuitivo, então, que cada episódio começasse acompanhado pelo desprezo a rótulos que Joan Jett vocifera em Bad Reputation, mas era exatamente isso o que ocorria. Freaks and Geeks brincava com seu título e se tratava de um verdadeiro coming-of-age (gênero narrativo sobre amadurecimento) que se deliciava na mundanidade das vidas de tais adolescentes. A premissa compreendia o exagero natural a experiências limitadas ao mundo de um colégio, assim como reais fardos. Apresentavam-se conflitos de todos os envolvidos: imaturidade, propensão ao erro, fanatismos culturais, problemas familiares e, sobretudo, a insegurança na antecipação de uma vida ainda a ser vivida  — sem nunca ridicularizá-los ou defini-los segundo visão  externa. 

Torna-se fácil simpatizar com os personagens e acompanhá-los em suas descobertas e decepções.  A série faz com que seja devastador o momento em que Sam descobre já ser considerado velho demais para buscar doces no Halloween, assim como torna extasiante o baile que encerra o episódio piloto ao som de Come Sail Away. É esse poder do brilhante roteiro que torna todos os episódios particularmente engraçados e cativantes, também impulsionados pela entrega e timing cômico do espetacular elenco. 

Núcleo freak em imagem promocional [Imagem: Reprodução/IMDb]

Núcleo freak em imagem promocional [Imagem: Reprodução/IMDb]

A narrativa humana, talvez não reluzente o suficiente para captar atenção de telespectadores em sua época, compõe um panorama extremamente referenciável e atemporal. Cada um dos 18 episódios atinge novos impactos e arrebata o público com a efetividade de uma sequência de excelentes filmes, amarrados por uma sensacional trilha e ambientação oitentista, que precedeu a exacerbada nostalgia atual de séries como Stranger Things (2016-Presente).

O seriado é excelência televisiva enfim imortalizada e justiçada pelo registro após o precoce cancelamento pela rede NBC. O fim abrupto, no entanto, não é totalmente carente de significação. Freaks and Geeks foi divertida, cativante e fugaz. Seus conflitos não foram todos resolvidos. A conclusão anseia por respostas e estimula a antecipação. É, portanto — do jeito que apenas uma série poderia ser — análoga a esse período na vida de um indivíduo, e tão marcante quanto.

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*