Home Controle Remoto Hammond’s: Mais que um casal, uma EQUIPE!
Hammond’s: Mais que um casal, uma EQUIPE!
Controle Remoto
07 nov 2018 | Por Jornalismo Júnior

A série Santa Clarita Diet chegou ao catálogo da Netflix em 2017 e parece ter atraído e repelido inúmeras pessoas devido ao teor extremamente diferente, que envolve horror e humor em um mesmo conteúdo. A série vem sendo bem estruturada nas duas temporadas disponíveis na plataforma de streaming e despertando algo que é difícil captar em outras produções audiovisuais. Tem uma força muito grande, principalmente na construção dos personagens principais. Com personalidades singulares, nenhum se sobressai de modo que o outro fique apagado, isso claro, com uma interpretação adequada e direção que contribui diretamente para um resultado assim.

O carisma é claramente o ponto mais forte na dupla! As cenas em que eles abusam da simpatia para atender clientes ou conseguirem favores são empolgantes e hilárias

Joel (Timothy Olyphant) e Sheila (Drew Barrymore) se conhecem desde a high school (ensino médio) e namoram desde então. Juntos, foram rei e rainha do baile, além de terem sido os mais populares da escola. Essa contextualização é de suma relevância, uma vez que se imagina pessoas vindo desse grupo como totalmente mesquinhas e superficiais , no entanto, Joel e Sheila fazem questão de provar o contrário. São divertidos, modernos, com a mente muito à frente em comparação às outras pessoas; inteligentes, competentes, dedicados e lidam com a família de forma quase invejável. Os adjetivos cabíveis a esses dois são intermináveis e quando se assiste a série isso é de fácil captação e nenhum exagero. Mas ao contrário do que se pensa, eles passam longe de ser perfeitos e mecânicos: essas características se aplicam a eles pelo modo muito natural e verdadeiro como lidam com as situações do cotidiano.

Episódio piloto: aquele em que tudo começa a complicar para os amantes

A força maior do casal vem quando já no episódio piloto, Sheila, por alguma razão ainda não descoberta, elimina, por meio de um vômito, um líquido muito viscoso e uma bola vermelha e, a partir desse ponto, começa consumir apenas carne humana. O mais irônico na produção é a forma que todas as pessoas lidam com esse acontecimento, como se fosse um problema que deve ser escondido, mas pouco questionado, então é que se entra em diversas analogias com a sociedade contemporânea e a sátira se aplica tão bem na produção. Por isso, é preciso além de assistir a série como mero entretenimento, refletir um pouco para aproveitar o melhor que  pode oferecer.

Joel se submete a qualquer situação inusitada para auxiliar e dar força a sua esposa

Como já mencionado no título, Joel e Sheila são uma equipe de verdade, eles estão praticamente sempre juntos. Primeiro, por serem um casal há longo tempo e segundo, por trabalharem no ramo imobiliário, sobrando pouco tempo para estarem separados, a não ser nos momentos que eles precisam fazer “as missões”  que são quase uma tortura para eles. Nesse aspecto de separação, tem até um momento em que Sheila é demitida pela empresa em que trabalha por ter um comportamento diferente do que era esperado, mas Joel continua contratado e eles discutem sobre a questão, entrando na argumentativa de que se os dois ficarem sem emprego não terão como sustentar a família. Mas depois de um tempo, vem com a notícia de que se demitiu e abrirão o próprio negócio. Atitude totalmente digna de um casal que se ama de fato.

Mesmo com os eventos singulares que ocorrem com muita frequência na vida dos dois, eles não deixam de ser um casal normal e se sentirem incapacitados por não conseguirem resolver uma determinada adversidade

Drew e Timothy construíram consolidadamente os personagens que interpretam na série, em nenhum momento consegue-se questionar se eles realmente se amam ou se são um casal, a força dessa construção deixa a relação ainda mais forte. Longe de passar por momentos fáceis, o suporte que  dão um ao outro é o mais admirável e que deveria ser o pilar essencial para todo casal. A confiança que um tem no outro e todas as situações, muitas vezes embaraçosas, que eles entram para se ajudar é incrível. O próprio modo como os dois se enxergam como melhores amigos e não apenas falam disso, como o fazem. A dupla, em todos os aspectos, tem um grande potencial de agradar o espectador e fazer se encantar pela parceria e fidelidade que um tem para com o outro, muito além de somente uma paixão, se vê um amor.

O formato da série, por conter um roteiro estruturado em algo incomum, mistura de humor com situações excêntricas, pode não agradar diversas pessoas, mas a ideia que se tem por trás de toda essa construção, além de todas as outras personagens, merecem ser reconhecidos. Assim como outras produções, possui falhas e melhorias a serem feitas, no entanto, a série caminha para uma evolução e a chance de cativar o espectador não é pequena.

Por Daniel Terra
danielterra@usp.br

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*