Home Moldura Os fatos pelas lentes de Mônica Zarattini
Os fatos pelas lentes de Mônica Zarattini
Moldura
21 nov 2016 | Por Jornalismo Júnior

A fotojornalista Mônica Zarattini tem uma longa e significativa carreira dentro dessa área do jornalismo em nosso país. Tendo sido editora de fotografia de O Estado de S. Paulo por 9 anos (2006/2015), jornal onde trabalhou como repórter fotográfica por mais de 26 anos, hoje é doutoranda no programa de Estética e História da Arte na USP, desenvolvendo pesquisa acerca da fotografia contemporânea brasileira. Mônica estará no primeiro dia da 10ª Semana de Fotojornalismo (segunda-feira, 21), numa mesa que debaterá os impactos do fotojornalismo. Nesta pequena entrevista, ela nos conta um pouco sobre sua experiência na profissão e os novos desafios advindos dessa geração dependente da ampla divulgação de imagens, principalmente através redes sociais.

1. Como o fotojornalismo pode informar, impactar e atingir o leitor de forma única em relação aos outros meios de se fazer jornalismo?

O fotojornalismo mostra toda sua força quando consegue contar uma história relativa a um acontecimento numa imagem só. O leitor agradece a boa fotografia composta com uma boa manchete, uma boa legenda e um bom texto.

2. Qual foi sua experiência mais impactante como fotojornalista? Quais projetos mais gostou de se envolver? E quais foram os mais difíceis de realizar?

Muitas, mas a cobertura da mega rebelião em 2001 foi bem relevante pois o crime organizado mostrou força diante do governo do estado. Revelou-se o Primeiro Comando da Capital que aterrorizou o povo paulista. Sempre gostei de participar de grandes coberturas, tanto como repórter fotográfica quanto editora. O mais difícil foi a chegada a fazenda onde caiu um avião em São Félix do Xingú.

Rebelião do PCC em 2001. Imagem: Monica Zarattini

3. Quais são os maiores desafios da profissão?

Conseguir ter um olhar crítico sobre o papel da mídia nos processos políticos e sociais.

4. Como os tempos imagéticos em que vivemos, com a popularização de redes sociais que privilegiam as fotografias, impactam o fotojornalismo?

As redes sociais propiciaram surgimento de novas organizações como Midia Ninja , Jornalistas Livres e diversos sites e blogs não alinhados com os conglomerados da grande mídia que mostram lados das notícias subtraídos das telas e das primeiras páginas.

5. Quais são as expectativas para o fotojornalismo em meio à crise do modelo de negócio jornalístico?

Acredito que as alternativas virão das redes sociais e da internet. Os grupos midiáticos brasileiro não souberam fazer a migração das publicidades do papel para a web  e hoje se encontram mergulhados numa crise. O fotojornalismo terá que se adaptar às condições de trabalho mais difíceis , mas com certeza seu papel será mais preponderante uma vez que vivemos a era das telas e a imagem está presente intrinsecamente no dia a dia de qualquer cidadão.

Por Ingrid Luisa
ingridluisaas@gmail.com

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*