Home Controle Remoto ‘The Boys’: segunda temporada cumpre expectativas e eleva história a um novo patamar
‘The Boys’: segunda temporada cumpre expectativas e eleva história a um novo patamar
Controle Remoto
06 nov 2020 | Por Luana Machado (luaa9@usp.br)

Para quem vê despretensiosamente uma chamada de The Boys no streaming Amazon Prime, a série parece somente mais um show de super-heróis, com personagens e histórias exploradas e romantizadas em excesso. No entanto, a série inspirada nos quadrinhos de Garth Ennis, que estreou em 2019 e entrou em sua segunda temporada em outubro, entrega muito mais ao abordar um mundo no qual os verdadeiros vilões da trama são os super-heróis corruptos controlados pelo grande capital.

Em sua nova temporada, o show introduz novos personagens que, ao mesmo tempo em que dão início a novos arcos e mistérios, também respondem a antigas dúvidas do público em relação à Vought. A maligna empresa, que possui o monopólio sobre os “heróis” e o Composto V, a droga criadora dos “supers”, agora inicia uma escalada ainda maior ao poder. 

Uma das personagens estreantes — e, de longe, a mais polêmica — é Stormfront, a mais nova integrante dos Seven, que cativa com seu carisma e militância logo na primeira aparição. Porém, ao longo da temporada, há uma quebra de expectativas, e o arco da personagem interpretada por Aya Cash torna-se cada vez mais sombrio. Misturado com o passado da própria Vought, prova que aparências enganam. 

Outra novata é Victoria (Claudia Doumit), uma senadora que se opõe aos desmandos da empresa em relação ao governo do país e se torna uma espécie de membro honorário do time dos “mocinhos”, mas que também se cerca de mistérios. 

Um destaque da temporada, porém, é justamente o questionamento das posições de vilão e herói na série. A primeira temporada, que explora todos os malfeitos e vilezas da multinacional e de seus contratados, sugere uma posição de heroísmo ao bando liderado por Billy Butcher (Karl Urban). Já nessa segunda etapa, as ações de Hughie (Jack Quaid) e companhia tornam-se mais violentas e mostram que a linha entre o bem e o mal é mais tênue do que se pensava. 

Na imagem, as heroínas de 'The Boys' promovem a campanha “Girls Get it Done” pela Vought. [Imagem: Reprodução/Amazon Prime]

Na imagem, as heroínas promovem a campanha “Girls Get it Done” pela Vought. [Imagem: Reprodução/Amazon Prime]

Ao ultrapassar o maniqueísmo, lugar comum de muitas séries e filmes com temática de super-heróis, a história fica mais interessante, mostrando um lado mais profundo dos personagens, até dos mais dóceis. Um exemplo disso é Starlight (Erin Moriarty), que tem um desenvolvimento interessante na nova temporada e recebe maior destaque sozinha do que em sua relação com Hughie. De fato, o elenco feminino ganha imenso destaque dessa vez, e protagoniza momentos icônicos na série.

A trama de The Boys atingiu novos níveis na segunda fase, por revelar novos mistérios e aprofundar seu universo. Além disso, a série continua com seu tom satírico particular e entrega várias cenas sangrentas, muitas vezes de uma violência bizarra e cômica — características que a tornam única dentre as produções de mesma temática.

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*