Home Escuta Aí ‘Evermore’: a vulnerabilidade de uma compositora em inquietude
‘Evermore’: a vulnerabilidade de uma compositora em inquietude
Escuta Aí
20 dez 2020 | Por Por Luana Franzão (luanafranzao@usp.br)

No dia 24 de julho deste ano, a cantora Taylor Swift lançou seu oitavo álbum de estúdio. Sem nenhuma campanha prévia, sem criação de expectativas: assim chegou folklore, uma carta de Swift para os fãs sobre o que viveu e imaginou durante o período de isolamento social, por conta da pandemia do novo coronavírus. Da mesma forma, em 11 de dezembro, apenas seis meses depois, vem evermore, uma gravação “irmã” do álbum anterior, nas palavras da própria cantora.

A surpresa dos fãs deriva, principalmente, de uma mudança de padrão no processo de lançamento comum de Taylor. Anteriormente, era possível enxergar um planejamento enorme para cada “era” da cantora, enquanto nesta última, a divulgação foi praticamente espontânea.

Swift explora a solitude e o desconsolo do isolamento social para experimentar com suas emoções. [Foto: Divulgação/Republic Records]

Swift explora a solitude e o desconsolo do isolamento social para experimentar com suas emoções. [Foto: Divulgação/Republic Records]

É impossível falar de evermore sem falar de folklore: são obras complementares. Pensando no formato LP – os discos de vinil –, folklore seria o lado A, e evermore, o B.

Folklore é a cabeça da era, com as músicas mais consolidadas dentro de um conceito e estilo próprios: alguns traços de folk, alternativa e uma melancolia bucólica levada ao mainstream. A sonoridade, apesar de diferente de todos os seus trabalhos anteriores, não foge tanto assim do tradicional apresentado por ela .Este parecia ser o final feliz de mais uma era bem sucedida da cantora. 

Mas surpreendendo a audiência – e talvez a si mesma – Taylor não parou de escrever. Evermore não é uma obra tão circular quanto o seu irmão, possui algumas arestas. Justamente essas arestas tornam a obra tão marcante.

Evermore parece um compilado de experimentações feitas por Taylor e sua equipe – no melhor sentido. Sem um fio da meada muito preciso, ela se permite passear por diferentes arranjos, formas de escrever e sentimentos, o que torna o álbum singular. Espontâneo, sentimental e descompromissado, o nono álbum é um respiro no momento difícil de isolamento e doença que envolve seu contexto.

Os tons pálidos da divulgação mostram um pouco da fragilidade exposta pela cantora, mas as imagens coloridas contrastam com a divulgação cinza do álbum anterior. [Foto: Divulgação/Republic Records]

Os tons pálidos da divulgação mostram um pouco da fragilidade exposta pela cantora, mas as imagens coloridas contrastam com a divulgação cinza do álbum anterior. [Foto: Divulgação/Republic Records]

Swift sempre foi conhecida por suas letras extremamente pessoais, mas evermore parece ser a sua obra mais íntima até então. Aqui, ela deixa todo o planejamento e o cálculo para trás, jogando todas as histórias e pensamentos nas faixas. Em músicas como hapiness e long story short, as experiências individuais transparecem de forma sutil e delicada.

As narrativas inventadas por ela também divertem. No segundo álbum, ela repete a fórmula do sucesso de betty (faixa de folklore) na rebuscada champagne problems e em no body, no crime, parceria com HAIM.

Swift no clipe de 'Willow', que acompanhou o lançamento do álbum. [Foto: Reprodução/Republic Records]

Swift no clipe de ‘Willow’, que acompanhou o lançamento do álbum. [Foto: Reprodução/Republic Records]

Apesar de ter percorrido novos caminhos em quesitos de musicalidade e temática, o projeto traz lembranças afetuosas dos primeiros trabalhos da carreira. Em canções como ivy e cowboy like me, o country delineia as melodias, mas de uma forma mais madura do que no início da trajetória.

As parcerias são também fazem parte do espírito da obra. Aqui, ela se abre a novas colaborações, que enriquecem o projeto. A dupla mais inesperada e assertiva vem do indie, a banda Bon Iver. Depois de ter participado do lado A, retorna em evermore, no que talvez seja a melhor faixa da obra, a última e que nomeia o álbum.

Swift encerra o disco com uma das letras mais ternas e sinceras de sua carreira. Evermore é um relato cru do momento intenso que tem sido a pandemia: o desconsolo, mas também a esperança e do aprendizado – ainda que doloroso – proporcionado pelas pelejas diárias contra sentimentos corrosivos. Vernon e seus vocais graves, contrastantes com o timbre agudo da cantora, enriquecem a narrativa.

A mensagem que Taylor deixa é clara: por mais que muitas vezes seus fãs não acreditem, ela é apenas uma pessoa comum (com uma habilidade extraordinária de transformar os sentimentos humanos em palavras), que enfrentou os desafios emocionais da pandemia e que também gosta de se divertir e inovar.

Evermore, é, afinal, o resultado de uma vontade comum a todos: compartilhar as aflições, emoções e pequenas alegrias que nos atravessam na adversidade. 

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*