Home Especiais Tóquio 2020 | Com emoção até o fim, o Brasil é bicampeão olímpico no Futebol masculino
Tóquio 2020 | Com emoção até o fim, o Brasil é bicampeão olímpico no Futebol masculino

Em duelo equilibrado contra a Espanha, a estrela de Malcom brilhou mais forte na prorrogação para marcar o gol do título brasileiro

ARQUIBANCADA
07 ago 2021 | Por João Dall'ara (j.dallara@usp.br)

A final olímpica do Futebol masculino já era cercada de expectativas antes mesmo da bola rolar. Brasil e Espanha eram tratados como favoritos desde o início da competição, muito por conta do elenco repleto de bons jogadores pelos dois lados.

A seleção brasileira nunca poupou seus craques e costuma levar o que tem de melhor para os Jogos Olímpicos. Embora diversos atletas não tenham sido liberados pelos seus respectivos clubes, o Brasil ainda continha muitos talentos. 

Do outro lado, a Espanha também apostou com força no futebol masculino nessa Olimpíada. O técnico Luis de la Fuente levou seis atletas que disputaram a Eurocopa pela seleção espanhola, equipe que chegou até as semifinais da competição entre países europeus. Com isso, o confronto que prometia muito, entregou um duelo interessante e cheio de emoção entre a Canarinho e a Fúria no Yokohama Stadium

A partida teve um início intenso, com a Espanha marcando alto e incomodando muito a saída de bola dos brasileiros. Aos poucos, as equipes foram se ajustando e o jogo passou a ser um pouco mais fluido, apesar do bom posicionamento defensivo das duas seleções.

Do meio para o fim do primeiro tempo, a seleção brasileira cresceu no jogo e conseguiu um certo controle sobre a forte Espanha. A melhora brasileira teve efeito e, aos 37 minutos, o goleiro Unai Simón foi para a disputa de bola de forma imprudente e acabou encontrando apenas o atacante brasileiro Matheus Cunha. Pênalti marcado e esperança de gol para o Brasil.

Richarlison, o destaque brasileiro em Tóquio, chamou a responsabilidade para a cobrança, mas desperdiçou. O Pombo isolou a cobrança de pênalti e a seleção brasileira perdeu a chance de sair a frente do placar.

O Brasil não sentiu o pênalti perdido e continuou atacando. Até que aos 47 minutos do primeiro tempo, Matheus Cunha dominou no peito, com categoria, e bateu com força no canto, para estufar as redes espanholas. A jogada foi resultado de um cruzamento de Claudinho que exigiu o esforço de Dani Alves. O lateral evitou a saída da bola e colocou-a novamente na área, para o vacilo da zaga vermelha e ótima resolução do atacante brasileiro.

[imagem: Reprodução Twitter/@timebrasil]

A seleção brasileira encerrou o primeiro tempo vencendo e jogando um bom futebol. Com isso, o técnico espanhol mexeu logo no intervalo para tentar mudar o cenário do jogo. As entradas de Bryan Gil e Soler podem ter surpreendido, já que os substituídos foram o madridista Asensio e o capitão, Merino. No entanto, as entradas foram fundamentais para a imposição da Espanha na segunda etapa.

Os primeiros minutos do segundo tempo foram equilibrados. Embora o Brasil tenha ameaçado aos 51, com ótima jogada e finalização na trave de Richarlison, logo a seleção espanhola conseguiu se impor e dominou as principais ações da partida.

[imagem: Reprodução Twitter/@COE_es]

Após a chegada perigosa do Brasil, a Espanha conseguiu controlar o jogo e, aos 60 minutos, empatou o jogo. Depois de uma jogada trabalhada, Soler foi acionado pela direita e acertou um ótimo cruzamento para a finalização certeira de Oyarzabal. O jogo seguiu com a Espanha melhor. A Fúria, inclusive, assustou os torcedores brasileiros com duas bolas na trave do goleiro Santos

No tempo regulamentar, o jogo terminou empatado e a prorrogação mais uma vez assolaria o coração dos brasileiros. A torcida brasileira estava tensa pelo bom fim de jogo dos espanhóis e a demora do técnico André Jardine para mexer no time. O Brasil terminou os 90 minutos sem uma mudança sequer.

Se o Brasil não mudou nos 90 minutos, Malcom entrou com o início da prorrogação e,  junto disso, a seleção brasileira ajustou-se em campo, ao passo que voltou melhor para o jogo. A equipe Canarinho foi revigorada e o que era tensão transformou-se em alívio aos 107 minutos.

Malcom, o atacante que por muito pouco não ficou de fora das Olimpíadas, resolveu a partida com um gol após o lançamento de Antony e uma arrancada para tomar a frente de Vallejo no lado esquerdo do ataque do Brasil. A velocidade, força e calma para finalizar corroboraram no gol do título de um herói improvável e um grito de explosão do torcedor brasileiro.

O atleta do Zenit foi o último a integrar o grupo para Tóquio 2020. Malcom chegou a figurar na lista inicial, mas não foi liberado pelo clube. No entanto, após a lesão de Douglas Augusto, a liberação veio e o atacante, cria da base do Corinthians, pode ser convocado para defender as cores da seleção.

O jogo não foi fácil, como muitos já previam, mas a vitória emocionante foi o responsável por coroar o ciclo olímpico da seleção masculina de futebol. Com alguns desfalques, diversos problemas de liberação de atletas e adversários competentes no trajeto, o Brasil conquista o ouro pela segunda vez consecutiva e de quebra iguala os 7 ouros conquistados no Rio em 2016.

* Imagem de capa: [Reprodução Twitter/@CBF_Futebol]

Tóquio 2020 Vôlei

Arquibancada
O Arquibancada é a editoria de esportes da Jornalismo Júnior desde 2015, quando foi criado. Desde então, muito esporte e curiosidades rolam soltos pelo site, sempre duas vezes na semana. Aqui, o melhor de todas as modalidades, de todos os pontos de vista.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Gabriel
Espanha veio bem, mas n tem jeito, Brasil nelees!
07 ago 2021
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*