Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Últimas Conversas: Eduardo Coutinho e o universo da geração Z

por Natalie Majolo nmajolo95@gmail.com Rebentos da Internet, o que pensam da vida os muito bem informados jovens da Geração Z? Em seu último documentário, Eduardo Coutinho busca descobrir quem é o jovem dos tempos atuais. O cenário simplista não reflete a profundidade do tema abordado. Por meio de perguntas sutis, Coutinho guia as entrevistas realizadas …

Últimas Conversas: Eduardo Coutinho e o universo da geração Z Leia mais »

por Natalie Majolo
nmajolo95@gmail.com

Rebentos da Internet, o que pensam da vida os muito bem informados jovens da Geração Z? Em seu último documentário, Eduardo Coutinho busca descobrir quem é o jovem dos tempos atuais. O cenário simplista não reflete a profundidade do tema abordado. Por meio de perguntas sutis, Coutinho guia as entrevistas realizadas com adolescentes do Rio de Janeiro que estão terminando o ensino médio em escolas públicas. Eduardo_Coutinho_ultimas_palavras_1 Finalizado por João Moreira Salles e editado por Jordana Berg, Últimas Conversas (2015) não pode ser visto pelo seu criador, que veio a falecer após as gravações, em fevereiro de 2014. De maneira tristemente irônica, o documentário inicia com Coutinho questionando o motivo dele fazer filmes, já que “está velho demais”. O longa aborda questões que estão diretamente relacionadas ao universo dos jovens da geração atual, tais como sexo, aparência, identidade, bullying, preconceito e caráter. Pobres e da periferia, os adolescentes contam sobre sua vida, sua família, suas ideias e seus sonhos. Os problemas enfrentados por eles se repetem ao longo do filme: os traumas da infância refletem hoje na sua personalidade com muito mais força do que imaginamos. Eduardo_Coutinho_ultimas_palavras_2 Uma criança de 6 anos é a última pessoa a ser entrevistada. Vestida com um belo vestido e sapatinhos de verniz, fala um pouco sobre a sua realidade infantil e inocente. Filha de médicos, conta com a ajuda de mais duas pessoas para cuidar dela – uma babá e uma faxineira. A brutalidade do contraste social, então, é deixada clara. Enquanto umas famílias, em sua maioria carentes, se dispersam e se ausentam para ganhar a vida, seus filhos crescem desamparados, tristes pela falta de carinho. Outras mais abastadas e estruturadas, tem maior oportunidade de oferecer o amor que seus filhos precisam e desejam. A maneira subjetiva de induzir o espectador a matutar as informações sem escancará-las, traz a marca de Coutinho. Sob as miudezas, a crítica à banalidade da infância surge entre a crítica à desigualdade social. Percebemos o quanto somos o que somos por causa dos acontecimentos de quando éramos crianças. Inocentes, os pequenos aceitam os outros da maneira como são. Os adultos, cercados de preconceitos e concepções, acabam por esquecer a coisa mais simples que uma criança necessita: amor.                                     .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima