Home Controle Remoto 10 melhores músicas (mesmo fora de contexto) da série Crazy Ex-Girlfriend
10 melhores músicas (mesmo fora de contexto) da série Crazy Ex-Girlfriend
Controle Remoto
12 out 2018 | Por Jornalismo Júnior

Imagem: Carlos Ferreira/Comunicação Visual – Jornalismo Júnior

A série Crazy Ex-Girlfriend conta a história da advogada de sucesso Rebecca Bunch (Rachel Bloom) que decide sair de Nova York em direção à West Covina para tentar reconquistar por meio de suas loucuras o ex-namorado, Josh Chan. Um dos destaques da produção sem dúvida é o humor consciente, que abusa da ironia, usado para abordar questões sociais.

Outro ponto positivo é a qualidade dos momentos musicais, os quais se inspiram em diversos gêneros musicais desde o pop até o heavy metal e que às vezes tratam de temas tão próximos do público que chegam a viralizar na internet mesmo estando fora de contexto. Com o passar do tempo, eles têm ficado cada vez mais bem produzidos em razão do sucesso obtido tanto na Netflix quanto no canal americano The CW. Graças à demanda a série foi renovada em abril deste ano e o público aguarda a quarta e última temporada.

Como forma de conter a ansiedade ou dar uma prévia dessa produção para aqueles que não conhecem a série, aqui há uma lista das 10 melhores músicas (mesmo fora de contexto) que Crazy Ex-Girlfriend pode oferecer até agora:

 

The Sexy Getting Ready Song (1ª temporada, episódio 1)

A fama que as mulheres têm por demorarem enquanto se arrumam para encontros românticos é grande, mas, em geral, os homens não sabem a causa da citada demora. Nessa música Rebecca explica alguns dos “sacrifícios” que as moças fazem para se embelezarem e aproveita para criticar de modo sutil os estereótipos de beleza que recaem sobre elas, apontando a sociedade patriarcal como uma das responsáveis.

 

Face Your Fears (1ª temporada, episódio 3)

As música motivacionais são bem comuns nas produções musicais e aqui está a da série Crazy Ex-Girlfriend. Durante a canção, Paula a melhor amiga de Rebecca incentiva a protagonista a enfrentar seus medos. É interessante como ela acaba inserindo na letra uns conselhos estúpidos como “corra com tesouras” o contrário do que os pais costumam dizer às crianças. Isso colabora para tornar a música engraçada apesar do seu ritmo lento, ao passo que demonstra como é importante refletir se os medos têm fundamento, para assim poder superá-los.

 

A Boy Band Made Up of Four Joshes (1ª temporada, episódio 3)

A idealização daquele por quem se está apaixonado é o tema da música. A protagonista venera Josh como se ele fosse um membro de uma famosa boyband. Sendo assim, a analogia evolui a ponto dos “Joshes” inspirados em Backstreet Boys se materializarem cantando tudo o que Rebecca quer ouvir: eles a ajudarão com todos os problemas que ela tiver.

 

You Stupid Bitch (1ª temporada, episódio 11)

Quem nunca se odiou por alguma atitude tomada que resultou em um desastre? Por essa razão é quase impossível não se identificar com a autocobrança presente na letra da música, apesar de no caso da personagem isso atingir um nível mais elevado em decorrência de suas doenças psicológicas. Afinal, Rebecca canta como se estivesse performando um hit de sucesso sobre os defeitos que vê em si mesma num momento de tristeza, fazendo com que a situação seja cômica apesar de sua infelicidade.

 

Getting Bi (1ª temporada, episódio 14)

Esse é o momento em que Darryl, o chefe de Rebecca, decide comunicar aos colegas que se descobriu bissexual. O grande mérito é a forma como a série aproveita para refutar alguns dos mitos que giram em torno da bissexualidade por meio de um ritmo contagiante. Isso tudo evidencia a forma descomplicada e divertida com a qual o personagem lidou com o processo.

 

Heavy Boobs (1ª temporada, episódio 16)

Seios grandes são admirado por diversas culturas ao redor do mundo. No entanto, tê-los não é algo muito prazeroso segundo a protagonista, que revela algumas das dificuldades enfrentadas pelas detentoras dessa característica por meio da música Heavy Boobs. A realidade é posta em destaque sem poupar os detalhes e aquilo que a maioria das pessoas parece ignorar: “peitos são sacos de gordura amarela”.

 

I Gave You a UTI (1ª temporada, episódio 17)

Essa é uma das músicas da série que perpassam o funcionamento do corpo feminino, algo diferente do que se vê na maioria das produções atuais. Aqui, Greg se gaba de ter causado infecção urinária em Rebecca em razão de terem tido muitas relações sexuais durante um curto período. A performance do ator é incrível e a música aproveita para ironizar o comportamento contestável de alguns homens em relação às suas habilidades sexuais.

 

Love Kernels (2ª temporada, episódio 1)

Nessa produção inspirada no visual de Lemonade da Beyoncé, as metáforas se fazem muito presentes e colaboram para a construção do humor. Rebecca se compara a um cacto, porque guarda para si cada elogio feito por Josh. Essa situação é comum entre os que vivem uma paixão não necessariamente correspondida , o apaixonado se contenta com “grãos de amor”, interpretando até as mínimas ações do outro como sinais de amor recíproco e talvez por isso gostar da canção é muito fácil.

 

Let’s Generalize About Men (3ª temporada, episódio 1)

Essa música, certamente, não poderia faltar na lista. Com a temática dos anos 80, ela faz o importante papel de introduzir a forma como Rebecca está brava com Josh no início da terceira temporada, pronta para a sua vingança.

É hilário o intenso uso do deboche para retratar como as mulheres podem ficar irritadas a partir de algumas atitudes masculinas, causando uma onda de generalizações acerca do comportamento dos homens. O prazer que isso traz é evidenciado ao longo da letra. A série ainda aproveita para alfinetar o estereótipo do amigo gay, que idealiza o homossexual como alguém “adorável e engraçado” sem exceções.

 

The Miracle Of Birth (3ª temporada, episódio 13)

A letra de The Miracle Of Birth ganha pontos pelo embasamento científico de diversos fatos citados na música, além de falar abertamente sobre o funcionamento do corpo feminino com enfoque na gravidez. A ironia se faz muito presente assim como a utilização de imagens consideradas absurdas. Ambos os elementos colaboram com as funções de provocar riso no público e de criticar, de certa forma, a romantização da gestação.

E que venham mais hinos na quarta temporada!

Por Mayumi Yamasaki
mayumiyamasaki@usp.br

 

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*