Home Festivais 45ª Mostra Internacional de Cinema começa em São Paulo com a exibição de ‘Pornô Amador’
45ª Mostra Internacional de Cinema começa em São Paulo com a exibição de ‘Pornô Amador’

Após quase dois anos de pandemia, a Mostra ocorre no formato híbrido em 2021. Entre os 264 títulos expostos, é apresentado o longa-metragem romeno premiado em Berlim, que apresenta similaridades com o evento

CINÉFILOS
22 out 2021 | Por Danielle Alvarenga (danialvarengav@usp.br)

Durante o ano de 2020, a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo realizou o evento apenas no formato online, devido a necessidade de isolamento social. Contudo, com a vacinação contra a Covid-19 avançada no estado, o festival volta, a partir do dia 21 de outubro, no formato híbrido, contando com exibições virtuais e também presenciais, que respeitam as medidas necessárias, como a ocupação das salas limitada em 50% e o uso de máscara obrigatório. Neste ano, entre os 264 filmes que integram a seleção está o longa-metragem Má Sorte no Sexo ou Pornô Amador (Babardeala Cu Bucluc Sau Porno Balamuc, 2021), do cineasta romeno, Radu Jude.

A exibição de Má Sorte no Sexo ou Pornô Amador  na 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo se relaciona com o evento ao trazer questionamentos, como a importância do cinema e os absurdos gerados pelo negacionismo, fake news, machismo e preconceito. A compatibilidade entre o festival e o filme está no fato de que “realizar uma edição é um ato político e cultural importantíssimo”, conforme afirmou Claudiney Ferreira, gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura do Itaú Cultural, em painel sobre a Mostra.

E ato político é o que não falta no longa vencedor do Festival de Berlim. Dividido em três partes, é iniciado com uma gravação caseira de cenas de sexo entre a protagonista, Emi, uma professora, e seu marido. Então, o vídeo é vazado e vai parar em sites de pornô. Em sua obra, Jude explora aspectos da atualidade, como o uso de máscaras e a propagação de fake news. Apesar do diretor não se aprofundar nas repercussões do vazamento do vídeo na vida da personagem, ele escancara a hipocrisia da nossa sociedade. Para tanto, Jude faz um contraste entre os julgamentos feitos contra Emi, que corre o risco de perder o emprego, e as inúmeras imagens com nudismo e conotações sexuais que somos expostos no dia a dia. 

Em cena de Má Sorte no Sexo ou Pornô Amador, Emi ouvindo julgamentos e piadas de conhecidos. [ Imagem: Divulgação/Films4YOU]

Emi ouvindo julgamentos e piadas de conhecidos. [ Imagem: Divulgação/ Films4YOU]

 A intenção do cineasta fica ainda mais clara na segunda parte, quando, através da construção de um glossário imagético, é revelado a importância do cinema. Jude evidencia situações absurdas que presenciamos no cotidiano, mas que optamos por ignorar, como machismo, preconceito e violência. É exibido um conglomerado de acontecimentos que poderiam soar como uma abordagem superficial de muitos problemas, contudo, por meio do uso de sons pouco impactantes, o diretor transmite perfeitamente sua ideia de um caos ignorado, o qual passa desapercebido.  

No entanto, a história fica ainda mais inacreditável na terceira parte, ao mostrar uma reunião de pais para decidir o futuro da professora Emi. Uma espécie de julgamento grotesco se inicia, os parentes dos alunos apresentam argumentos desconexos, fazem declarações negacionistas e chegam a realizar, contra a docente, a prática de slut shaming, ato de repreender indivíduos – especialmente mulheres – por exercer sua liberdade sexual e não corresponder as expectativas sociais em relação ao sexo, visto como um tabu.

Em cena de Má Sorte no Sexo ou Pornô Amador, Emi tendo seu vídeo exibido em uma reunião de pais para lhe causar constrangimento. [Imagem: Distribuição/Films4YOU]

Emi tendo seu vídeo exibido em uma reunião de pais para lhe causar constrangimento. [Imagem: Distribuição/Films4YOU]

O filme do cineasta romeno representa de forma clara o caos vivido pela humanidade, que segue perpetuando diversos discursos que já deveriam ter sido superados, como a importância da vacina e da igualdade de gênero. Dessa forma, a obra possui uma importância para a reflexão sobre qual é o mundo que iremos enfrentar nesse pós pandemia, uma vez que as dificuldades que eram enfrentadas tornaram-se ainda mais acentuadas devido à crise sanitária causada pelo coronavírus. Má Sorte no Sexo ou Pornô Amador configura-se como o tipo de longa que se assiste despretenciosamente, mas causa tamanho estranhamanto que torna impossível não questionarmos as questões que precisam mudar. Não é apenas uma obra contemporânea, mas também será, no futuro, uma importante ferramenta para debate e compreensão do período que estamos passando.  

Assim como a protagonista de Jude, a cultura sofreu diversos ataques, como relembrou Renata Almeida, diretora da 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. De forma emocionada, ainda recordou das investidas contra a Lei Rouanet, importante regimento para a manutenção de financiamentos na área. As dificuldades atingiram o evento, que teve queda de patrocínios e mesmo aqueles que permaneceram diminuíram as verbas. Claudiney Ferreira chegou, inclusive, a apontar a necessidade de mais investimento no setor: “Eu gostaria de falar que somos sempre os mesmos (que investem). As empresas têm que pensar na importância da cultura para a sociedade”, afirmou o gerente sobre a Mostra.

De acordo com Almeida, a realização do evento online representou também uma forma de lidar com a diminuição de verbas. Portanto, será mantido o formato virtual, mas o verdadeiro desafio é voltar a ocupar as ruas de São Paulo. Para a gradual retomada do festival na cidade, haverá sessões presenciais e os ingressos poderão ser obtidos por meio do aplicativo da Mostra. “A amostra é uma tentativa de recuperar nosso território”, afirmou Claudiney Ferreira.

Esse filme faz parte da 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Para mais resenhas do festival, clique na tag no final do texto.

Confira o trailer aqui:

*Imagem de capa: Divulgação/Films4YOU

Cinéfilos
O Cinéfilos é o núcleo da Jornalismo Júnior voltado à sétima arte. Desde 2008, produzimos críticas, coberturas e reportagens que vão do cinema mainstream ao circuito alternativo.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*