Home Especiais Tóquio 2020 | Brasil estreia no Handebol Feminino com empate sobre atuais campeãs olímpicas
Tóquio 2020 | Brasil estreia no Handebol Feminino com empate sobre atuais campeãs olímpicas

Seleção brasileira chega bem para a competição após uma atuação forte e equilibrada contra uma das favoritas ao título.

ARQUIBANCADA
25 jul 2021 | Por Guilherme Bento (guilhermebento@usp.br)

A Seleção Brasileira Feminina de Handebol iniciou, no Estádio Nacional Yoyogi, mais uma corrida por medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Em sua estreia neste sábado (24), enfrentaram o time do Comitê Olímpico Russo, atuais campeãs da modalidade na Rio 2016, no Brasil.

O jogo foi equilibrado do início ao fim e terminou com o placar de 24 a 24. As brasileiras deixaram um bom cartão de visitas para o restante da competição após um jogo agressivo e parelho contra as russas.

As favoritas para o confronto eram as atletas do Comitê Olímpico Russo, por serem medalhistas de ouro em 2016 e seus bons resultados durante o ciclo olímpico até Tóquio. Conquistaram o vice-campeonato Europeu em 2018, medalha de Bronze no Mundial de 2019 e 5ª colocação no Europeu de 2020.

Com a pressão do lado de lá, a Seleção Brasileira não entrou acuada e jogou solta. A Seleção de Handebol vem ganhando corpo desde a medalha de ouro no Pan de Lima em 2019, após anos de resultados ruins, como o 17ª colocação no mundial de 2019. A expectativa é que o grupo evolua ainda mais durante a fase de grupos para ficar entre as 4 classificadas para o mata-mata.

Primeiro tempo

No primeiro minuto de jogo as brasileiras abriram o placar de 1 a 0 pela ponta esquerda com um gol de Larissa Araújo, número 20. Ambos iniciaram jogando rápido, as russas, sobretudo, com um ataque bastante efetivo e defesa bem organizada. Logo empataram o jogo e tomaram a  liderança do placar. Abriram uma vantagem de 2 gols ao marcar o 6 a 4 russo e se mantiveram na frente até um gol da nossa jogadora Bruna de Paula, número 2, para empatar em 11 a 11 aos vinte minutos.

Nessa altura do jogo, a defesa brasileira já havia abandonado a marcação 6×0 — em que cada jogadora marca uma — para adiantar mais a marcação nas atletas do Comitê Olímpico Russo que mais marcavam gols.

Contudo, o primeiro tempo foi delas, fechando em 14 a 12. O placar seguiu o roteiro do lá e cá com os times marcando gols o tempo todo, mantendo certa alternância. Destaque para a goleira brasileira Babi, Bárbara Arenhart, que foi bastante efetiva nas defesas, inclusive dos tiros de sete metros, em que a atleta pode arremessar direto para o gol só com a goleira na defesa — o equivalente a um pênalti no futebol.

Segundo tempo

O segundo tempo seguiu bastante o que foi o primeiro tempo. As seleções voltaram do intervalo em um jogo equilibrado na defesa e nos ataques. A alternância nos gol continuou. 15 a 13 russo. 16 a 14. 17 a 15. As brasileiras estavam sempre correndo atrás no placar.

O Brasil só conseguiu ficar pela primeira vez à frente das russas perto dos 20 minutos do segundo tempo com a cobrança de penalidade dos sete metros. Quem marcou foi a brasileira número 3, Alexandra do Nascimento, confirmando o 21 a 20 para o Brasil. As Russas, entretanto, retomaram a liderança marcando 23 a 22 aos vinte e três minutos.

Faltam 5 minutos

O Brasil passou a correr atrás, mas logo alcançou o empate. Faltando cinco minutos para o fim da partida elas conseguiram chegar em 23 a 23. Os últimos momentos da partida foram os mais eletrizantes do jogo. Várias faltas foram cometidas e pareciam que iriam definir os rumos do placar.

Uma penalidade dos sete metros causada pela brasileira Samara, número 22, serviu para a Seleção do Comitê Olímpico Russo abrir 24 a 23. Em seguida, a russa Vladlena Bobrovnikova, número 17, causou uma penalidade dos sete metros e o Brasil conseguiu empatar em 24 a 24 com a cobrança da Samara, que também sofreu a penalidade.

Até o final, os times seguiram equilibrados e tiveram chances de desempatar. O último ataque foi do Brasil através da jogadora Bruna de Paula, número 2, porém ela não conseguiu confirmar o gol e tivemos o fim de partida com o empate em 24 a 24.

Saldo geral das Seleções

O equilíbrio descrito durante a partida se reflete, também, nos números finais. O Brasil teve uma eficiência de 55% no jogo, 24 gols confirmados de 44 oportunidades, enquanto o time de Handebol do Comitê Olímpico Russo teve 53%,  24 gols confirmados de 45 oportunidades.  Para o lado brasileiro, as penalidades de sete metros tiveram um peso maior, com um aproveitamento de 100% em sete cobranças. Já do lado russo apenas 3 gols foram marcados em seis oportunidades, fechando um aproveitamento de 50%. As russas terminaram o jogo com mais cartões amarelos, 2 cartões contra 1 do Brasil. As brasileiras lideraram nas suspensões da quadra por 2 minutos, 4 suspensões contra 3 do Comitê Olímpico Russo.

Seleção Tóquio 2020

Bruna de Paula no ataque brasileiro. Foto: Reprodução/ Facebook – Time Brasil.

A Seleção Brasileira de Handebol Feminino chega bem para a competição. Isso se confirma após uma atuação forte e equilibrada contra uma das favoritas ao título. Destaque para Bruna de Paula, número 2, que marcou sete gols na partida e saiu com grande atuação individual. A goleira Babi, também, deve ser lembrada após várias defesas que impediram o time russo de se impor no jogo.

O próximo encontro é contra a Hungria na noite do domingo(25), às 23h.

 

*Imagem de capa: COB/Wander Roberto

 

 

Arquibancada
O Arquibancada é a editoria de esportes da Jornalismo Júnior desde 2015, quando foi criado. Desde então, muito esporte e curiosidades rolam soltos pelo site, sempre duas vezes na semana. Aqui, o melhor de todas as modalidades, de todos os pontos de vista.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
GLEISON GILTON FERREIRA BENTO
Excelente reportagem que noticiou lances importantes de um esporte pouco valorizado, mas não menos importante no Brasil. Está visibilidade que a reportagem deu ajuda e muito a valorizar e difundir a prática do esporte.
26 jul 2021
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*