Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

A atemporalidade de ‘Tapas & Beijos’

A série da Rede Globo, Tapas & Beijos, tem se mostrado um verdadeiro clássico contemporâneo, renovando-se e ganhando fôlego após seu sucesso nas redes sociais, em especial no Tik Tok

Tapas & Beijos (Rede Globo, 2011-2015)  teve seu primeiro capítulo transmitido no dia 25 de abril deste ano. Ao todo foram cinco temporadas. A obra foi criada por Cláudio Paiva e contou com uma grande equipe de roteiristas. A direção ficou sob os comandos de Maurício Farias, também diretor de A Grande Família.

De acordo com Denise Crispun, membra da equipe de roteiristas da série, ocorriam reuniões coletivas com os escritores para que eles dessem ideias e, assim, pudessem começar a escrever os roteiros dos episódios, em dupla e, às vezes, em trio. Depois disso, havia uma revisão final de Cláudio Paiva.

 A leveza e maestria com que a história cativou os lares brasileiros deve-se ao talento de toda a equipe reunida, dos atores aos roteiristas, de acordo com Crispun. Para ela, houve um cuidado coletivo e uma conexão de talentos bem intencionados em fazer o seriado dar certo. E as intenções caminharam pelo caminho correto, o que possibilitou à série atingir seu objetivo. 

As atrizes que interpretam as amigas protagonistas foram indicadas a diversos prêmios na categoria de melhor atriz pelo trabalho de sucesso em Tapas & Beijos. [Reprodução/ Instagram @acervotapasebeijos]

Em 2020, no auge da pandemia da Covid-19, a série foi recolocada na grade de programação da Rede Globo. Como as gravações de novas atrações foram interrompidas por causa do distanciamento social, a emissora passou a retransmitir obras que já haviam sido exibidas aos telespectadores. Assim, Tapas & Beijos retornou à Globo, às terças-feiras, a partir de agosto de 2020, após a novela das nove.

As aventuras amorosas de Sueli e Fátima:

A história do seriado se baseia na vida de Fátima (Fernanda Torres) e Sueli (Andrea Beltrão). As protagonistas são amigas, moram juntas em um apartamento no Méier, na Zona Norte do Rio de Janeiro, e são colegas de trabalho na Djalma Noivas, uma loja de vestidos e artigos de casamento em Copacabana. A loja é de Djalma (Otávio Müller), que é casado com Flavinha (Fernanda de Freitas), uma mulher controladora que trabalha junto à Fátima e à Sueli. Ao longo dos episódios, as protagonistas passam por situações divertidas ao público, mas complicadas a elas no que tange relacionamentos.

Sueli foi casada por dois meses com Jurandir (Érico Brás), do qual se separou. No decorrer da trama, a protagonista se apaixona por Jorge (Fábio Assunção), e os dois iniciam um romance. O problema se instaura quando  a filha rebelde dele, Bia (Malu Rodrigues), começa a se relacionar com o ex de sua madrasta.

Ao mesmo tempo, Fátima se relaciona com Armane (Vladimir Brichta) como sua amante,  . O homem a promete nos primeiros episódios que terminará com sua esposa assim que seus filhos crescerem para ficar com Fátima. Esse plano, entretanto, é encurtado após a descoberta da traição por sua esposa: no fim da primeira temporada, os dois vão morar juntos em um apartamento em Copacabana vizinho ao de Sueli. 

Além desses personagens, há o seu Chalita (Flávio Migliaccio), outro escape cômico do seriado, uma vez que flerta constantemente com Fátima e Sueli. O libanês é dono do Rei do Beirute, restaurante que funciona como cenário de muitas cenas.

As amigas, no fim da primeira temporada, se casam com vestidos de noivas semelhantes e em uma mesma cerimônia. Nas próximas temporadas, a história foca na vida de casada das duas e suas aventuras. Os nomes de alguns episódios exprimem bem isso: Relacionamento descuidado, Problema dobrado, O forró da discórdia, Casar ou não casar, eis a questão, É proibido namorar, Na pindaíba, Fátima completa bodas de cera e Sueli tem recaída, e outros inúmeros. Não é à toa que a música de abertura e tema do seriado, Tapas & Beijos, regravada pela banda Calypso, exprime tão bem as aventuras da dupla de vendedoras.

Da esquerda para a direita estão retratados Sueli e Jorge, Fátima e Armane, Djalma e Flavinha, casais que passam por situações cômicas em seus relacionamentos no decorrer da série. [Reprodução/ Caio Andrade]

É sonho, é ternura

Um dos grandes diferenciais do enredo do seriado é o fato dele acompanhar a trajetória de duas mulheres maduras que apresentam dificuldades socialmente consideradas banais no seu cotidiano ao lidarem principalmente com o amor. Na dramaturgia brasileira, as mulheres mais experientes eram, majoritariamente, postas à margem em enredos românticos, normalmente identificados aos jovens

“Exisitiam alguns programas onde as mulheres tinham algum papel importante, mas, no caso dessa dupla — Fátima e Sueli —, a originalidade foi trazer duas mulheres mais velhas, que não tinham se casado, mas que ainda tinham sonhos. Mulheres que trabalhavam, que tinham uma vida mais dura, moravam no subúrbio, trabalhavam em Copacabana. Foi muito desafiador fazer isso. Foi um projeto bastante original, porque não era novela, era humor, com um toque novelesco, já que, além da comicidade, também apresentava drama”, relembra Denise.

O tom cômico com o qual a série lidava com as situações vivenciadas pela dupla, para a roteirista, advinha das próprias atrizes e da própria direção, que contava com uma equipe apropriada para contar esse tipo de história. Além da ambientação e da cenografia, que também contribuíram para a leveza e para a comédia do seriado:  para que a série encaminhasse dentro das propostas e do talento do elenco e dos roteiristas, uma pequena cidade cenográfica foi criada.

Dupla e companheiras até na hora do casório. [Reprodução/ Instagram @faclubevalentinaeandrea]

Fátima e Sueli conectadas

As redes sociais, na atualidade, têm atuado como um impulsionador artístico e cultural. A maneira como influenciam no que os usuários assistem e ouvem, por exemplo, traduz, muitas vezes, o que pode ou não ser considerado sucesso. Na música, por exemplo, muitos artistas só conseguem a aprovação de projetos caso consigam bons resultados no Tik Tok, além de outros aplicativos de entretenimento.

As redes sociais, em especial, o Tik Tok, conseguiram trazer de volta aos holofotes obras antigas, que já haviam saído da grande mídia. Um exemplo marcante dessa situação foi o que ocorreu com a música Bills, Bills, Bills, do grupo Destiny’s Child. A música fez muito sucesso na plataforma e passou a aparecer em diversos vídeos ao redor do mundo em 2021, mesmo tendo sido lançada na década de 90, e atingiu grandes números de acessos no Spotify. Um público mais jovem, que não possuía contato com a música, e até mesmo com o grupo, tornou-se um ávido consumidor do single

No caso de Tapas & Beijos, os vídeos e trechos da série começaram inicialmente a aparecer no Twitter, através de posts de páginas de fãs destinadas à série. Os retweets e as curtidas aumentaram o alcance dessas publicações. 

Do Twitter os trechos do seriado foram passados ao Tik Tok. Os áudios da série começaram a ser dublados pelos produtores de conteúdo e pelo público, em geral, do aplicativo, que se identificavam com os sentimentos das protagonistas. A presença da série no aplicativo tornaram-se trends — atividades mais realizadas e assistidas — na plataforma. 

Assim, cenas marcantes da dupla de amigas passaram a ilustrar  situações cotidianas que perpassam a rotina social brasileira. Momentos como as amigas resmungando da vida enquanto comem um lanche na rua, conversando sobre suas caóticas vidas amorosas, ou outros como quando Fátima diz a Sueli que quer pedir veneno, gelo e limão como bebida em um restaurante transformaram-se em vídeos virais no Tik Tok.

A comédia rotineira de Tapas & Beijos transformou a série em um fenômeno nas redes sociais, o que levou à criação de inúmeros memes de sucesso. [Reprodução/ Instagram @seriesemovies_] 

 

O final feliz de Fátima e Sueli 

O enredo da série, a atuação das atrizes e os debates realizados em sua história foram resgatados em um mundo diferente daquele em que Tapas & Beijos havia sido lançado em 2011. O público mais jovem, que, em sua maioria, não havia tido muito contato com o seriado, passou a entrar em contato com ele repetidas vezes ao dia, o que gerou um direcionamento de olhar sobre a obra.

A presença da série nas redes sociais trouxe, de acordo com Denise, o seriado de volta para um outro público. Foi uma renovação, mesmo que cortada em trechos, para a obra. A série, apesar do tempo ter passado, provou, com os memes surgidos dos trechos disponibilizados nas redes, que é divertida, atual, com boas e cativantes histórias, o que colaborou para a valorização de um trabalho bem feito.

Brenda Raíza, fã da série, diz ficar muito eufórica quando passa por um trecho da série nas redes sociais. A fã afirma que esse processo a força a lembrar como os episódios ali sintetizados continuam e, por fim, terminam. Ela complementa que, o fato de as protagonistas não desistirem nunca do amor, mesmo perante suas dificuldades, é algo relevante à importância do enredo.

Assim, a partir do fenômeno despertado pelas redes sociais, começou-se um processo de revalorização da série, encerrada há mais de sete anos. Houve certo rejuvenescimento da obra, o que conduziu à sua volta aos holofotes pelo público. Cada vez mais montagens com trechos da série começaram a aparecer no Tik Tok e muitos debates foram suscitados, como a relação entre a mulher madura e o amor, o qual não é temido, mas sim enfrentado. Além disso, um outro debate, no que tange o amor, pôde ser retirado a partir da série: o da amizade sincera e verdadeira. Brenda afirma que, na sua opinião, um dos fatores que torna a série mais bonita é a não desistência da amizade de Fátima quanto à Sueli e vice-versa, o que não permite que nenhum outro relacionamento atrapalhe a relação da dupla.

A proposta da série mostrou-se atemporal, o que aumentou sua relevância e importância ao espaço televisivo brasileiro. As funcionárias da Djalma Noivas foram ecléticas e conseguiram moldar-se a diferentes tamanhos de tela e em diferentes plataformas, o que conduz a série a comportar-se como um clássico contemporâneo: não perde a graça, a genialidade e o carinho do público, mesmo com o passar dos anos.

As rainhas da Djalma Noivas mostraram-se atemporais e tornaram a série já um clássico contemporâneo. [Reprodução/ Instagram @globoplay]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima