Home Arena Literária Redenção argentina evidencia linha tênue entre a seleção brasileira e seu povo
Redenção argentina evidencia linha tênue entre a seleção brasileira e seu povo

Enquanto Messi finalmente é campeão com a albiceleste, nossa geração se afasta gradativamente de sua torcida

ARQUIBANCADA
12 jul 2021 | Por Antônio Misquey (antoniomisquey@usp.br)

*Imagem de capa: [Reprodução/Twitter @Argentina]

 

Final não se joga, se ganha. Foi esse o lema que guiou a vitória argentina sobre o Brasil em pleno Maracanã nesse sábado, 10. Na falha individual de Renan Lodi, Di María encobriu Éderson e anotou aquele que seria o gol do título da polêmica Copa América. O gol, também, da redenção: eram 28 anos de jejum, sem levantar um caneco sequer. O templo do futebol, onde Lionel Messi já havia perdido uma Copa do Mundo, protagonizava o alívio de uma geração — agora ainda mais — brilhante.

Aliás, falemos em craques geracionais. O embate decisivo foi muitas vezes resumido por Neymar contra Messi. Ex-companheiros de Barcelona, eles são os rostos e as pernas de suas seleções. São aqueles jogadores que, daqui a décadas, nomearão um período histórico: “você lembra da seleção de Neymar? E de Messi?” 

A pressão estava no argentino para evitar mais um fracasso, mas o fardo sobre o brasileiro era e ainda será tão grande quanto. Ninguém mandou ser o único fora de série no país do futebol; o preço disso é ser taxado pelas derrotas e, talvez, exaltado nas vitórias.

Neymar chorando, com uma garrafinha de água na mão, após perder para a Argentina

Neymar chorando [Imagem: Reprodução/Twitter @Cilia2908]

O jogo de ontem, contudo, não foi da dupla. O gol decisivo ditou os 70 minutos seguintes de “futebol”: uma Argentina defendendo a todo custo as suas redes. E com a excelência da casa: as faltas pontuais diminuíam o ritmo do jogo e limitavam Neymar.

Bom pontuar que essa é a tônica do jogo do nosso camisa 10: ser parado com faltas nos grandes jogos. Por mais que desleal, é um recurso legítimo do esporte. Quem sabe aproveitar, tanto o defensor quanto o atacante, sai na frente. O Brasil, que até cometeu mais faltas ao fim do jogo — 22 a 19 —, pouco fez em bolas paradas.

Richarlison e Gabriel Barbosa tiveram as únicas chances reais de gol, desperdiçadas. Messi também teve frente a frente com Éderson para se coroar, mas perdeu o domínio da bola e coroou apenas sua partida sem brilho. Quem, porém, vai lembrar disso? O brilho muito mais brilhante está naquela taça. E assim se faz o futebol: a narrativa é escrita pela bola que estufa a rede. O gramado é mero bastidor perto do que constitui o gol. A Argentina soube vencer, e não interessa muito como, desde que seja eficiente.

O próximo capítulo é a Copa do Mundo, no fim de 2022. A seleção brasileira sai fragilizada: perde o título em casa e aumenta a desconfiança técnica. O seu papel político de ser o único elo de união em um país tão polarizado também foi alvejado, após o rebuliço em vão contra a Copa América em pandemia e os escândalos da Confederação. Não se constitui uma crise, mas sim um cenário de distanciamento entre povo e futebol nacional. 

É sim um problema preocupante e muito mais profundo que Neymar, Tite ou Renan Lodi: o Brasil deve na formação de talentos e de líderes. O amor do brasileiro ao futebol é a sobrevida desta, e a seleção falha em preservá-lo em todos os aspectos. Algo que não é de hoje.

Os argentinos, em minha visão, saem aliviados. Com Messi nos finalmentes, o título assegura que a passagem de um dos maiores jogadores da história do esporte pela albiceleste não será em branco. A Copa de 2022 virá, portanto, de forma mais amena no sentido da pressão por título. Talvez isso seja uma liberdade para o craque praticar seu melhor futebol, dentro do que sua idade ainda oferece. Como fã do esporte, afirmo: Messi merecia esse capítulo em sua história. Como brasileiro, reitero: a seleção precisa, urgentemente, voltar a se ligar a seu país.

Jogadores da Argentina levantando ao ar Lionel Messi

Messi sendo levantado [Imagem: Reprodução/Twitter @Argentina]

Arquibancada
O Arquibancada é a editoria de esportes da Jornalismo Júnior desde 2015, quando foi criado. Desde então, muito esporte e curiosidades rolam soltos pelo site, sempre duas vezes na semana. Aqui, o melhor de todas as modalidades, de todos os pontos de vista.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Chicoz
Bela análise!
13 jul 2021
 
Arthur Oliveira
otimo!!
13 jul 2021
 
Johann Thelordcorpse
Uma boa análise, realmente pelo meu pouco conhecimento sobre futebol eu consegui entender bem o decorrer do jogo
13 jul 2021
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*