Home Mundo Geek Blogosfera: a fênix da era digital
Blogosfera: a fênix da era digital
Mundo Geek
26 abr 2021 | Por Maria Clara Abaurre (mariaclara.abaurre@usp.br)

A blogosfera é composta por todos os blogs e suas interconexões. Os blogs, ferramentas que popularizaram a produção de conteúdo entre o fim da década de 1990 e o início dos anos 2000, são sites pessoais ou profissionais com posts sobre assuntos diversos dentro de alguma temática. 

Esse termo — blogosfera — implica que os blogs existem em conjunto, como uma comunidade conectada. Tal noção é essencial para compreender o retorno do movimento durante a pandemia. Anna Vitória Rocha, que escreve o blog No Recreio, acredita que a experiência “tem muito mais a ver com a criação de uma comunidade, você visitar outros blogs, comentar e cultivar esse relacionamento com os leitores e outros blogueiros”. Ela acrescenta que não estaria nesse espaço se não fosse para haver uma troca.

 

Blogs: um pouco da história da internet

Os blogs surgem no final da década de 1990, como alternativa às comunidades digitais existentes — como Usenet, BBS e listas de discussão por e-mail. Com o lançamento de ferramentas de hospedagem, que facilitaram a criação dos sites e democratizaram o compartilhamento de conteúdo, a blogosfera observou um enorme crescimento durante os anos 2000.

Plataformas como o Blogger, o WordPress, e, mais recentemente, o Medium, que possuem serviços gratuitos, foram essenciais nesse processo. Elas reduziram e, em muitos casos, eliminaram a necessidade do usuário de ter conhecimentos de programação. Esses website hostings fizeram com que qualquer um pudesse começar seu próprio blog. 

Há também planos pagos para aqueles que buscam um site mais personalizado. [Imagem: Reprodução/rawpixel.com]

Há também planos pagos para aqueles que buscam um site mais personalizado. [Imagem: Reprodução/rawpixel.com]

Quando os blogs surgiram, eram usados principalmente por pessoas que buscavam compartilhar hobbies, projetos ou paixões. Com o tempo, diferentes tipos de blogs foram sendo criados, seja por suas diferentes formas de interagir com o público, tipos de conteúdos, estética e, principalmente, temáticas.

 Entre os diferentes estilos, estão os blogs pessoais, sobre a vida e as experiências particulares de quem escreve; os blogs corporativos, que se tornaram uma estratégia de marketing relevante para as empresas; blogs de notícia e blogs políticos, comumente ligados a grandes veículos de comunicação; blogs científicos, que oferecem uma alternativa à literatura científica clássica; e blogs genealógicos, que contam com softwares e posts educacionais sobre a genealogia. É possível citar, ainda, blogs de fofoca, de música, de comida e receitas, de moda, de saúde, entre tantos outros.

Dados do Finances Online de 2019 mostram que a maioria dos blogueiros têm entre 21 e 35 anos, e os gêneros são bem divididos, com 51% de mulheres e 49% de homens. Já os leitores concentram-se entre 31 a 40 anos. O maior número de blogs, segundo a pesquisa, estão nos Estados Unidos, com mais de 29 milhões de sites. O Brasil aparece em terceiro na lista, atrás do Reino Unido e do Japão, com cerca de 4 milhões de blogs.

Blogs voltando: Página inicial do blog No Recreio, da mineira Anna Vitória. [Imagem: Reprodução]

Página inicial do blog No Recreio, da mineira Anna Vitória. [Imagem: Reprodução]

Atualmente, existem mais de 112 milhões de blogs no mundo, segundo dados do estudo State of Blogosphere. À medida que eles tornaram-se muito presentes na internet, surgiram oportunidades de monetização desses espaços. Durante a década de 2010, muitas pessoas passaram a ganhar dinheiro com seus blogs, através de propagandas, parcerias, patrocínios, entre outras estratégias. Todavia, ao final da década, a indústria dos blogs já estava saturada e o número de acessos em queda.

Anna Vitória conta que, nesse período em que os blogs se monetizaram e os mais famosos passaram e ser incorporados por grandes portais, ela preferiu não acompanhar a onda, apesar do blog ter aberto para ela portas para novas oportunidades e outros trabalhos. A jornalista afirma que “essa migração para os blogs mais comerciais foi para redes sociais, como o YouTube, por exemplo, e muita gente foi abandonando os blogs. Esse formato acabou perdendo um pouco de espaço e eu comecei a me sentir muito sozinha”.

Sobre a questão do uso das redes sociais e da internet em geral, o psicólogo e professor universitário, Luciano Cunha, acredita que “isso tem uma questão cíclica: da descoberta, da adaptação e, como tudo na internet hoje, as coisas têm uma durabilidade baixa, então acabam se perdendo”. Ele acrescenta que, como no caso dos blogs, “aquilo que foi uma estratégia durante um período, não se mantém durante tanto tempo”.

Segundo a pesquisa da Finances Online de 2019, 81% dos blogs não gera nenhum tipo de renda. Entre os que geram, apenas 8% dos blogueiros ganham dinheiro suficiente para sustentar a família. Já os 2% mais ricos são, em sua maioria, blogs de viagens sobre locais exóticos.

Anna Vitória, que acabou deixando de lado o blog para experimentar um novo formato — a newsletter —, fala que era muito esforço para pouco retorno. Para ela, o retorno buscado eram conversas e trocas de experiências com os leitores, já que o blog nunca rendeu financeiramente.

Blogs voltando: As newsletters são publicações periódicas por e-mail que divulgam informações e indicações para aqueles que estão inscritos. [Imagem: Reprodução/ActiveCampaign]

As newsletters são publicações periódicas por e-mail que divulgam informações e indicações para aqueles que estão inscritos. [Imagem: Reprodução/ActiveCampaign]

Novas estatísticas, do Orbit Media Studios, mostram que o esforço e a dedicação dos blogueiros têm aumentado ao longo dos anos. O tempo dedicado a cada post tem subido a cada ano e, em 2020, os posts cujo preparo levou mais de seis horas chegaram a 20% do total, enquanto aqueles que foram preparados em menos de uma hora eram apenas 6%. 

Os estudos mostram que há cada vez mais posts longos. Trabalhar com editores também se tornou mais comum, 23% dos blogueiros afirmam trabalhar com um editor formal. Todavia, apesar de se mostrar a mais efetiva forma de promoção de conteúdo, a influência e a parceria com outros blogueiros ainda representa apenas 12% da direção do tráfego online.

Anna Vitória conta que o esforço que faz, nesse sentido, é de divulgar os textos nas suas redes sociais e praticar a “política da boa vizinhança”, criando uma relação de apoio mútuo com outros blogueiros.

 

O renascimento

“Num primeiro momento, todos tiveram uma interpretação, em relação a pandemia, de que seria uma coisa de curta duração. Contudo, esse período se estendeu meses”, conta Luciano. O professor, descreve que, dentro dessa lógica, a pandemia trouxe uma série de impactos na forma como as pessoas se relacionam.

Durante esse momento de isolamento social, os blogs ganharam um novo respiro. Anna Vitória Rocha acredita que, por estarmos vivendo um momento tão atípico, cria-se uma necessidade das pessoas de registrarem e de compartilharem o que estão fazendo, quais são as impressões sobre esse novo momento; até como forma de recuperar uma certa conexão e de estar em contato com as pessoas. Anna Vitória acha também que “esse momento de quarentena está colocando todo mundo para pensar mais sobre si mesmo, sobre a vida, e essas reflexões não cabem tanto nos meios que estavam disponíveis”.

A jornalista acrescenta que, num momento em que as redes sociais poderiam estar cumprindo esse papel, têm-se percebido um ambiente muito reativo, insalubre e com menos receptividade. Luciano Cunha diz ainda que, apesar de as pessoas terem se redescoberto nesse período, com a possibilidade e a necessidade de se adequarem a novos recursos tecnológicos, esse grau de intolerância e reatividade nas redes sociais acaba sendo intensificado devido ao aumento do uso delas durante a pandemia.

Anna Vitória vê o movimento como uma busca de um lugar para colocar todos esses pensamentos e criar uma espécie de experiência coletiva. “Eu tenho sentido muito nas pessoas uma certa urgência, não só de escrever e compartilhar, para quem é de escrever e compartilhar, mas de ter contato com as experiências dos outros de um jeito que seja menos imediatista que nas redes sociais”, afirma.

Blogs voltando: A blogueira Gabi Barbosa e a escritora Aline Valek criaram juntas o projeto Estação Blogagem. [Imagem: Reprodução] 

A blogueira Gabi Barbosa e a escritora Aline Valek criaram juntas o projeto Estação Blogagem. [Imagem: Reprodução]

Com a tendência de uma diminuição cada vez maior do texto escrito, com o sucesso de aplicativos como Instagram, Snapchat e, mais recentemente, o TikTok, o blog vai na contramão. Por não ser tão instantâneo e fragmentado, o blog exige paciência e uma entrega diferente, tanto de quem produz, quanto de quem acessa esse tipo de conteúdo.

Anna Vitória conta que não acredita que a retomada dos blogs será algo massivo, “acho que vai ser de nicho, e tudo bem”. Luciano Cunha diz ter a impressão de que hoje as pessoas estão “buscando muito mais soluções rápidas e práticas, sem que haja, necessariamente, um aprofundamento sobre o assunto”, portanto, estaríamos vivendo uma “era dos tutoriais”.

A blogueira afirma que, em relação ao público, “a maior parte é de antigos leitores e às vezes pessoas que não me conheciam antes, mas que já liam blogs, já tinham esse hábito e já gostavam, e aí encontraram esse espaço”. Ela diz ainda que é muito difícil chegar de forma orgânica a novos espaços.

O aplicativo de vídeos curtos e hiper-editados faz um enorme sucesso, principalmente entre adolescentes. [Imagem: Reprodução/Soley Feyissa/ Pixabay]

O aplicativo de vídeos curtos e hiper-editados faz um enorme sucesso, principalmente entre adolescentes. [Imagem: Reprodução/Soley Feyissa/ Pixabay]

Sobre conteúdos, Anna Vitória Rocha percebe que “as pessoas estão buscando escrever e compartilhar sobre aquilo que elas gostam, mas a partir de um viés pessoal, com um fio que passa pelo eu, pela narrativa pessoal”. Ela comenta que, apesar das publicações nas redes sociais estarem filtradas pelo “eu”, é algo muito individualizado, mas, ao mesmo tempo, muito impessoal. Ali, há uma certa performatividade, e o blog seria “uma tentativa de escapar um pouco dessa projeção e falar um pouco mais de um eu mais autêntico”.

Anna Vitória conta, por fim, que o interessante de toda essa experiência é “a leitura atenta, a escuta e a troca de experiências quando a gente se descobre um pouco no outro; ou que aquele sentimento que estava ali e você achava que era só você passando por isso, você vê que há pessoas que também estão vivendo a mesma situação… Isso é muito legal.”

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*