Home Economia Observatório | Reino Unido: crise de combustível e de imigração
Observatório | Reino Unido: crise de combustível e de imigração

REINO UNIDO SE APROXIMA DE UM CONTROLE DO CAOS POLÍTICO GERADO PELA CRISE, MAS CONTINUARÁ ENFRENTANDO CONSEQUÊNCIAS ECONÔMICAS DO BREXIT

JPRESS
10 out 2021 | Por Ana Paula Medeiros (anapaulasmedeiros@usp.br) e Diogo Bachega Paiva (bachegapaiva@usp.br)

Com comparações à crise energética de 1974, a crise de combustível que se iniciou no Reino Unido, no final de semana dos dias 25 e 26 de setembro, desencadeou brigas entre motoristas que passaram horas nas filas dos postos para garantirem os suprimentos. A situação é resultado da escassez de caminhoneiros para o transporte de gasolina e diesel.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, estabeleceu medidas para o controle da crise, incluindo a emissão de vistos temporários para mais de 5 mil caminhoneiros estrangeiros, suspensão da lei de concorrência que impedia que fornecedores entregassem combustível a entidades comerciais competidoras   e arranjo de oficiais do exército para abastecerem os postos de gasolina. Brian Madderson, presidente da Petrol Retailers Association (PRA), disse à imprensa britânica que o controle da situação com militares não é fácil, já que os caminhoneiros são especializados e, devido aos caminhões tanque transportarem líquidos inflamáveis, as tarefas de carga e descarga são procedimentos feitos com cautela.  

Além da emissão de vistos temporários para caminhoneiros, também foram emitidos 5500 vistos para apicultores. As duas medidas buscam diminuir as dificuldades que o Reino Unido enfrentará durante as comemorações de fim de ano. É previsto que exista dificuldade em atender a demanda por entregas de produtos e por aves natalinas nesse período. Especialistas se dividem quanto à eficácia dessas medidas. O frio está entre os fatores que podem influenciar os resultados, uma vez que temperaturas muito baixas podem afetar questões de logística. 

 

Boris Johnson aparece usando terno e gravata vermelha apoiado em uma mesa, com a bandeira do Reino Unido atrás dele.

Boris Johnson, primeiro-ministro e líder do Partido Conservador do Reino Unido. [Imagem: Reprodução/Flickr]

Quais são as causas da crise de combustível? 

A falta de motoristas se dá em razão da pandemia de Covid-19 e, em grande parte, ao Brexit, que dificultou a liberdade de movimento entre as nações. Com as novas regras de imigração, postas após o rompimento das relações com os membros da União Europeia (UE), cerca de 20 mil motoristas, os quais voltaram para seus países de origem devido à pandemia, encontraram obstáculos para entrar novamente no Reino Unido. Além das comprovações legais de imigração, a burocracia para adentrar com caminhões de grande porte nos países é um fator que encarece o transporte e desestimula os profissionais.  

Segundo o professor do Instituto de Relações Internacionais da USP, Kai Enno Lehmann, outra dificuldade para atrair novos motoristas de caminhão locais é a conjuntura do trabalho, que envolve precárias condições sanitárias e pagamentos em desacordo com as longas jornadas. “E para um caminhoneiro, que viaja, [a pandemia] é um risco a mais”, complementa.

Lehmann afirma que enquanto o Reino Unido ainda fazia parte da União Europeia esses problemas eram mínimos, pois as regras para imigrantes não eram tão duras. Ele também diz que a questão é estrutural, visto que em países ricos o ofício é realizado por trabalhadores de países mais pobres e os moldes de comercialização no Reino Unido são fundamentados na mão de obra imigrante.  

 

Os impactos do Brexit  

Quando questionado sobre os efeitos que o Brexit ainda causa nos países europeus, o professor apontou que a situação entre o Reino Unido e a União Europeia é assimétrica em termos comerciais, visto que a UE consegue exportar para o Reino Unido livremente, dado que ele não está aplicando as regras que concordou durante as negociações sobre o acordo de livre comércio. Porém a União Europeia aplica todas as regras de exportação do Reino Unido para ela. “O Reino Unido hoje não consegue exportar produtos britânicos para o mercado europeu. A situação piorou por falta de motoristas e pelo fato de enfrentar uma ‘floresta’ de formulários para poder exportar. A União Europeia tem uma vantagem estratégica absurda em comparação com o Reino Unido”, declara.

 

Bandeira da União Europeia, azul escura com várias estrelas douradas formando um círculo, hasteada com um céu azul claro de fundo

Bandeira da União Europeia. [Imagem: Public Domain Pictures]

Kai Lehmann comenta que, apesar dos danos econômicos causados pelo Brexit, é improvável que haja qualquer dano político considerável ao partido que ocupa o poder, ao menos a curto prazo. Na opinião do especialista, a tendência é que a culpa por essa e outras crises seja transferida para outros agentes, como a União Europeia.  

Ele compara o apoio da população ao Brexit, especialmente a da Inglaterra, à torcida de um time de futebol: quando o time está indo mal, o torcedor vê a situação como uma oportunidade de reafirmar sua lealdade mantendo sua torcida. Também compara a atribuição de culpa à União Europeia à clássica “culpa do árbitro” atribuída pelos torcedores de um time quando esse é penalizado no jogo. 

 

Perspectivas de resolução 

Lehmann diz que, apesar da resolução pontual da crise de combustível, as crises geradas pelo Brexit não deixarão de ocorrer em breve: “Isso não se resolve de um dia para o outro. No caso do Reino Unido, a crise é estrutural e acho que vai continuar assim”.  

O especialista ainda opina que é preciso mudar as condições da indústria para torná-la mais atrativa a novos possíveis profissionais, como o aumento de salários e o afrouxamento das políticas de imigração. De acordo com ele, a emissão de vistos temporários para motoristas de caminhão não é atraente a longo prazo, porque os trabalhadores sabem que ela não será duradoura: “É, ‘tá, eu vou trabalhar para você até o Natal e depois você vai me deportar”’.   

 

Mapa do Reino Unido, que enfrenta a crise de combustível, com os países destacados em branco e o resto do mapa em azul claro.

O Reino Unido é constituído por quatro países: Escócia, Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte. [Imagem: Reprodução/Wikimedia Commons]

 

Ele comenta conjuntamente sobre possíveis soluções considerando a resistência do Reino Unido em modificar as políticas de imigrantes: “Você tem que mudar a percepção sobre essa profissão ou mudar toda a indústria logística. Depender menos de caminhoneiros, fazer mais [viagens] de trem, mais de avião etc”. 

Apesar dos problemas causados pelo Brexit e de discussões separatistas como as da Escócia e da Irlanda do Norte, mudanças políticas de curto prazo são improváveis. Com a crise de combustível se aproximando de uma resolução, o alvoroço causado pela escassez deve reduzir ou se extinguir e o apoio na Inglaterra às políticas atuais deve se manter firme. A longo prazo, no entanto, é possível que o Brexit contribua para a fragmentação da união entre os países. Lehmann acredita que o Reino Unido como existe hoje não existirá mais em 20 ou 30 anos.

 

*Imagem de capa: Reprodução/Pixabay

J.Press
A J.Press é uma agência de grandes reportagens que procura novas perspectivas de mundo. Com forma e conteúdo plurais, quer explorar assuntos a fundo, mesmo sabendo não ser possível esgotá-los. Em nossa agência, questões de interesse público ganham novos ares. Todos os textos da J.Press começam com uma pergunta, mas não pretendem chegar a uma única resposta.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Izidória Santos Sousa
Muito esclarecedor esse texto. Para mim, que quase não tenho tempo para acompanhar noticiários pela TV, esse trabalho acrescentou muitas informações relevantes. Parabéns aos escritores 👏👏👏👏👏👏👏😀🙏🙏
12 out 2021
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*