Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Lá vem eles de novo: 10 anos do 7 a 1

Jogo que muitos brasileiros queriam esquecer completou dez anos nesta segunda-feira (08)

No dia 30 de outubro de 2007, a Fifa anunciou a escolha do Brasil como país-sede da copa do mundo de 2014. A partir daquele instante, uma nação se preparava para receber o maior evento esportivo do futebol mundial pela segunda vez. Com chance de deixar para trás o trauma da Copa de 1950 — em que perdeu a final para a seleção uruguaia no Maracanã lotado —, o país vinha com altas expectativas de conquistar o tão sonhado hexa. O que ninguém esperava era que o maior vexame da seleção brasileira fosse dentro de casa.

Como vinham as seleções?

Alemanha

A equipe combinava uma mistura de talento, juventude, experiência e forte coesão tática. Liderada pelo técnico Joachim Löw desde 2006, a Alemanha possuía um estilo de jogo baseado na posse de bola, pressão alta e transições rápidas. A equipe era conhecida por sua versatilidade tática e pela capacidade de adaptar sua estratégia conforme o adversário; um time de toque de bola, de circulação, de movimentação; uma equipe intensa e propositiva, que parecia matar o adversário quando quisesse, a conta-gotas. 

A seleção alemã contava com estrelas mundiais consagradas ou em ascensão na época, com destaque para os campeões da Champions League pelo Bayern de Munique em 2013, Neuer, Lahm, Kross, Müller e Schweinsteiger. Apesar do elenco qualificado, o grande trunfo da Alemanha era o jogo coletivo, balanceado e consistente, fundamental na conquista do tetra.

Para a Copa foi revelado no documentário “Die Mannschaft” que a seleção treinava entre o meio-dia e as 13 horas para se acostumar com o calor. No seu grupo, com Portugal, Gana e EUA, passaram em primeiro sem muitas dificuldades, com vitórias sobre os portugueses e os norte americanos, e empatando com os ganeses, com saldo de sete pontos.

Joachim Löw e jogadores levantando a taça da Copa do Mundo em 2014 [Reprodução: X/@EURO2024]

Nas oitavas de final, a Alemanha ficou próxima de ir aos pênaltis contra a Argélia, porém, na prorrogação, conseguiu se sobressair e venceu por 2 a 1 — com todos gols no tempo extra em um jogo bem equilibrado. Nas quartas de final, com um gol no início do jogo e atuação brilhante de Manuel Neuer, a Alemanha passou pela França e chegou em mais uma semifinal de Copa do Mundo. A equipe é a recordista, com 13 marcas em sua história.

Para a semifinal contra o Brasil, os alemães entraram em campo com o goleiro Manuel Neuer; os defensores Lahm, Boateng, Hummels e Höwedes; os meias Khedira, Schweinsteiger, Kroos, Müller e Özil; e o atacante Klose. 

Brasil

A seleção brasileira vinha com altas expectativas, por jogar em casa e por ter um time com boas peças ofensivas, como Neymar e Oscar.O “menino Ney”, de 22 anos, era a jovem promessa brasileira e fazia uma ótima temporada no Barcelona. Oscar era outro jogador chave no setor. Atuando como meio-campista ofensivo, era conhecido por sua visão de jogo, habilidade técnica e capacidade de conectar o meio-campo à linha de ataque. 

O ataque ainda contava com Fred e Hulk.. Embora criticado por alguns e apelidado de “cone”, o centroavante Fred era um jogador eficiente na área, com boa capacidade de finalização e posicionamento para marcar gols importantes. Hulk atuava como ponta ou atacante de lado, conhecido por sua força física e chutes potentes. Ele era uma opção valiosa para desequilibrar as defesas adversárias com sua capacidade de driblar e criar oportunidades de gol tanto para si mesmo quanto para seus companheiros.

O Brasil vinha de uma campanha sólida na fase de grupos. Invicta, a Seleção ganhou de 3 a 1 da Croácia, empatou em 0 a 0 com o México, e venceu Camarões por 4 a 1. Nas oitavas de final, a tensão dominou a partida brasileira. Com o empate em 1 a 1 contra o Chile, a partida foi para a prorrogação, com o placar permanecendo inalterado.  O futuro do Brasil na competição seria decidido nos pênaltis. Com atuação de destaque do goleiro Júlio César, com duas cobranças de pênalti defendidas,  a amarelinha venceu na disputa por 3 a 2 , com gols de Neymar, David Luiz e Marcelo.

Nas quartas de final, o Brasil venceu a Colômbia por 2 a 1, em partida marcada pela lesão de Neymar. Aos 88’, o jogador colombiano Juan Camilo Zùñiga acertou o atacante brasileiro nas costas com o joelho. O atacante do Barcelona saiu de campo carregado na maca e, segundo relatório hospitalar, sofreu uma fratura na terceira vértebra lombar. Além de Neymar, o Brasil também perdeu o zagueiro Thiago Silva para a semifinal, suspenso por ter levado o segundo cartão amarelo.

Contra a Alemanha, a Seleção comandada por Luiz Felipe Scolari entrou em campo com a seguinte escalação:  Júlio César; Maicon, David Luiz, Dante, Marcelo; Luiz Gustavo, Fernandinho, Hulk, Oscar, Bernard; Fred.

O Jogo

Primeiro tempo arrasador da Alemanha

A Alemanha começou o jogo com potência total, aproveitando-se da desorganização defensiva da seleção brasileira. Aos 11’, Thomas Müller abriu o placar após cobrança de escanteio mal defendida pela defesa brasileira.

Daqui para a frente, só para trás.  A Alemanha demonstrou eficiência em seus ataques rápidos e jogadas ensaiadas, explorando os espaços deixados pela defesa brasileira. Aos 23’, Miroslav Klose ampliou o placar com o gol  que o colocou como o maior artilheiro em Copas do Mundo, com 16 gols.

 Aos 24’ e 26’, Toni Kroos marcou dois gols em um intervalo de 69 segundos, afundando ainda mais o time brasileiro. Sami Khedira aproveitou o desespero defensivo brasileiro e marcou o quinto gol alemão aos 29’, completando assim a primeira etapa vergonhosa da semifinal. 

Mesmo ao tentar reagir, o time brasileiro não causou impacto nenhum na seleção alemã. Abalado emocionalmente e desorganizado taticamente, as tentativas de pressão resultaram em erros defensivos ainda mais graves.

Lá vem eles de novo…

Em um comunicado após a partida, Mats Hummels disse que o time alemão decidiu que não queria humilhar os brasileiros durante o segundo tempo: “Acabamos de deixar claro que tínhamos que manter o foco e não tentar humilhá-los. Dissemos que tínhamos que ficar sérios e nos concentrar no intervalo. Isso é algo que você não precisa mostrar em campo se estiver jogando. Você tem que mostrar respeito ao oponente e foi muito importante fazermos isso, e não tentamos mostrar um pouco de mágica ou algo assim. Foi importante jogarmos nosso jogo por 90 minutos.”

André Schürrle ainda ampliou o placar mais duas vezes, enterrando de vez a autoestima brasileira. O Mineirão testemunhou uma mistura de desânimo entre os torcedores brasileiros e choque perante a diferença astronômica no placar.

O Brasil conseguiu marcar um “gol de honra” aos 90+1’ com um contra-ataque rápido para a finalização de Oscar, selando o fatídico placar de 7 a 1 para a Alemanha.

Em entrevista ao Bolívia Talk Show, na época, no canal Desimpedidos, Müller contraria o que Hümmels disse. “Quando se está vencendo de 5 a 0 você pensa em enfeitar, como os brasileiros fazem, mas nós alemães não estamos acostumados a ‘sambar na praia’. Nós decidimos jogar com seriedade para vencer. Estava 5 a 0 no intervalo, mas nos 20 primeiros minutos do segundo tempo o Brasil jogou pesado e tentou fazer um milagre para mudar o resultado… tiveram lances que o Neuer salvou. Foi um jogo especial para nós”, contou o meia atacante alemão.

Thomas Müller conversando com o apresentador Bolívia em 2018 sobre a Copa do Mundo de 2014 e mais aleatoriedades no Bolívia Talk Show [Reprodução: Camisa 21]

O Legado do 7 a 1

Após o dia 8 de Julho de 2014 a seleção, claramente abalada pelo acontecido, veio a  perder para a Holanda na disputa pelo terceiro lugar. Desde então, a crise de identidade tomou conta da CBF e do futebol apresentado pelos convocados nos últimos 10 anos.

Em entrevista à ESPN, Luiz Gustavo, volante titular na semifinal contra a Alemanha, falou sobre o sentimento de impotência durante o jogo. “E aí depois aconteceu o primeiro gol, o segundo gol, e aí acho que já não tinha mais controle. Estava naquela coisa: apanhei, vou reagir, apanhei, vou reagir. Tentando reagir de formas individuais que não era o ideal. Então, podemos dizer assim, foi um conjunto de coisas que levou àquela situação. Mas, em geral, eu consegui resolver a minha situação com isso entendendo que eu tinha que ter passado por aquilo”.

A Copa América de 2015 marcou o retorno de Dunga ao comando da seleção brasileira,  que tentou introduzir novos jogadores e perspectivas. No entanto, o Brasil teve um desempenho decepcionante, eliminado nas quartas de final nos pênaltis contra o Paraguai. Na edição de 2016 da Copa América, o resultado foi ainda pior: a seleção não conseguiu avançar para a fase eliminatória, em um grupo com equipes consideradas relativamente fracas, como Haiti, Equador e Peru, o que resultou na demissão de Dunga.

Com o fracasso da Copa América de 2016, Tite chegou ao comando da seleção brasileira. Durante as eliminatórias para a Copa do Mundo, liderou a equipe com sucesso, garantindo a primeira colocação no grupo de qualificação. Em 2018, o Brasil começou a Copa do Mundo como um dos favoritos, mas enfrentou dificuldades contra a Suíça e  a Costa Rica, revelando inseguranças na equipe. Apesar de bons desempenhos contra a Sérvia na fase de grupos e o México nas oitavas de final, a Seleção foi eliminada na fase seguinte pela Bélgica.

Tite foi um dos poucos treinadores a permanecer no cargo imediatamente após uma eliminação na Copa do Mundo, continuando seu trabalho até a Copa de 2022 no Catar. Antes dele, Cláudio Coutinho foi o último a manter o cargo logo após a Copa de 1978, embora não tenha ficado até o Mundial seguinte em 1982, ao deixar a seleção após a Copa América de 1979.

Em 2022, apesar da segunda colocação nas eliminatórias, atrás dos argentinos, o Brasil terminou essa fase invicto, o que gerou sentimentos mistos de confiança e insegurança. Apesar de uma boa partida inicial contra a Sérvia e um jogo equilibrado contra a Suíça, a derrota para Camarões com o time reserva levantou questionamentos sobre o trabalho de Tite, que deixou o cargo de treinador da Seleção após a eliminação para a Croácia nos acréscimos das quartas de final.

Desde 2022, o Brasil teve três treinadores, porém, até o momento, nenhum obteve sucesso. 

Ao refletirmos sobre os dez anos desde o 7 a 1, é evidente que a seleção brasileira passou por altos e baixos, momentos de glória e de superação, mas também de desafios e questionamentos. 

À medida em que continuamos a escrever essa história, é crucial lembrar que os tropeços do passado não definem o futuro. Com uma base sólida de talentos emergentes e liderança experiente, o Brasil segue em busca de restaurar não apenas sua reputação, mas também o orgulho e a confiança de uma torcida apaixonada. Que os próximos capítulos nos reservem conquistas significativas e um legado que inspire gerações futuras a sonhar e a perseguir incansavelmente o sucesso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima