Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Vidas Partidas – quando o amor não é suficiente

por Juliana Lima juslimas@gmail.com No Brasil, muitas mulheres sofrem com a violência doméstica, seja a física, psicológica, patrimonial ou sexual. Essa violência pode vir de qualquer pessoa: o pai, irmão, vizinho, amigo, mas na maioria das vezes, o violentador é o marido. Vidas Partidas (2016) é livremente inspirado na história dessas mulheres. O filme é o …

Vidas Partidas – quando o amor não é suficiente Leia mais »

por Juliana Lima
juslimas@gmail.com

No Brasil, muitas mulheres sofrem com a violência doméstica, seja a física, psicológica, patrimonial ou sexual. Essa violência pode vir de qualquer pessoa: o pai, irmão, vizinho, amigo, mas na maioria das vezes, o violentador é o marido. Vidas Partidas (2016) é livremente inspirado na história dessas mulheres.

O filme é o primeiro longa-metragem do diretor Marcos Schechtman. Naura Schneider interpreta a personagem principal, a cientista Graça, e também assina a produção. Juntamente das atrizes Georgina Castro e Juliana Schalch – que interpretam a empregada Nice e a estudante Julia, respectivamente – ambos falam da importância que o enredo possui para a sociedade na coletiva de imprensa de São Paulo.

vidas partidas 1

Sobre o longa, Naura diz que “a ideia partiu de seu documentário sobre violência doméstica, chamado Silêncio das Inocentes (2011), que conta a trajetória da Lei Maria da Penha através de depoimentos de várias vítimas e da própria Maria da Penha”. E que esse documentário mostrou “um universo muito grande que estava próximo de todo mundo”, mas que mesmo assim não era o suficiente. Então, ela resolveu fazer um longa contando uma história “para que as pessoas pudessem se identificar mais” com o assunto. E nada melhor do que uma ficção para cumprir tal tarefa.

No filme, Domingos Montagner vive Raul, professor universitário e marido de Graça. No início, a relação de ambos parece normal, amorosa e feliz, mas já é possível notar algumas características dominadoras no homem. Com o tempo, ele vai se mostrando pouco aberto ao diálogo e violento, inclusive com as filhas. O ciúmes obsessivo e doentio que ele sente pela mulher o deixa transtornado em diversos momentos e prejudica a vida de Graça, inclusive sua carreira. Ao mesmo tempo, ele vive a vida que jamais admitiria que a mulher vivesse, tendo deixado uma mulher e um filho no passado e se envolvendo com sua aluna, Julia.

A história trata do julgamento de Raul em 1992 por um ato criminoso realizado 1982, em que ele teria atentado contra a vida da própria mulher e tramado para o ocorrido parecer um assalto. Esse seria o máximo de violência em que a relação do casal teria atingido.

imagem

O longa retrata com excelência alguns aspectos importantes de situações como essa. Graça, apesar do sofrimento e do medo vivido, ainda é uma mulher que sonha com o bem-estar da família e Raul é um homem inteligente e sedutor que, às vezes, aparenta ser apaixonado e um bom pai. Esse sonho e essa ilusão são o que dificulta ainda mais uma reação de Graça para sair do relacionamento.

Outro ponto levantado é o companheirismo entre as mulheres, percebido principalmente na relação de Graça com Nice, sua empregada e amiga, que é muito importante para a personagem.

Para o diretor e as atrizes, o filme possui um alto poder de identificação com o público por  mostrar pessoas reais com problemas reais, fugindo do maniqueismo bem versus mal, e consegue mostrar que o problema da violência doméstica pode acontecer com qualquer pessoa, independentemente de classe social.

O longa estreia dia 04 de agosto. Confira o trailer:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima