Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Voluntariado: seja o motivo do sorriso de alguém

Por Mariana Mallet (marimcp97@gmail.com) Grande parte da população brasileira passa por dificuldades de se sustentar e adquirir bens essenciais, como comida, luz e água. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2013) feita pelo IBGE, o país conta com aproximadamente 200 milhões de habitantes, dos quais cerca de 20 milhões vivem em …

Voluntariado: seja o motivo do sorriso de alguém Leia mais »

Por Mariana Mallet (marimcp97@gmail.com)

Grande parte da população brasileira passa por dificuldades de se sustentar e adquirir bens essenciais, como comida, luz e água. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2013) feita pelo IBGE, o país conta com aproximadamente 200 milhões de habitantes, dos quais cerca de 20 milhões vivem em situação de extrema pobreza e 7 milhões passam fome. Sem entrar na questão de desigualdade social, pode-se dizer que a sociedade em que se vive dissemina a ideia de que sucesso no âmbito profissional e financeiro é sucesso na vida. Em busca de um reconhecimento, as pessoas acabam se fechando em seus respectivos mundos e esquecem de propagar o bem. Segundo pesquisa feita pelo Instituto Datafolha em 2015, apenas 11% dos brasileiros se autodeclaram voluntários ativos. Entre os principais motivos que os fazem não praticar o trabalho voluntário, 40%  dos entrevistados disseram não ter tempo.

“Para ser voluntário basta você querer, se por no lugar do outro, acho que falta isso na sociedade. É um defeito nosso sempre almejar o que é do outro, nunca estar satisfeito com o que a gente tem e não enxergar o que o outro precisa”, diz Cristian Condori, voluntário da Instituição ADUS. Segundo Natalie Majolo, voluntária da ONG Teto, o trabalho voluntário substitui a falta de serviços do Estado. “A gente chega onde ele não chega e não quer chegar”, afirma ela. 

info
Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2013, realizado pelo IBGE, De cada dez brasileiros, um é voluntário ativo. (Arte: Mariana Mallet)

Atuamos em comunidades que se encontram em situações precárias para o bem-estar das famílias. A ideia é que a gente entre, ajude-os a criar independência e que nosso trabalho não seja mais necessário lá”, continua. 

Benefícios do voluntariado

Inúmeras são as vantagens ocasionadas pela prática do voluntariado. Em primeiro plano, temos aquelas que beneficiam a sociedade toda. Como já foi dito, um dos principais ganhos é transformar a vida de pessoas necessitadas, proporcionando-lhes melhores oportunidades. O voluntário leva nas mãos o poder de modificar, aprimorar e fazer a diferença. Mas, já pensou se aquela cumbuca de sopa quente que alguém deu a um morador de rua pode ter sido a razão de tê-lo feito sobreviver a um dia frio? Ou então, se aquela criança pobre que ensinaram a calcular conseguiu um diploma universitário? Talvez aquela conversa no telefone com alguém em depressão tenha feito ele desistir do suicídio?

27165521330_261c310040_z
Doutores da Alegria em Hospital Estadual Tavares Macedo, no Rio de Janeiro. (Foto: Wallace Martins)

O trabalho voluntário não está ligado apenas a indivíduos carentes do ponto de vista econômico. Muitos são os que exercem atividades em hospitais ou asilos. Estes, por sua vez, proporcionam alegria e entretenimento para aqueles que estão vulneráveis. Aí é que entramos no outro lado dos benefícios causados pelo voluntariado: o individual. “Depois que comecei a ser voluntária, minha vida mudou em vários aspectos: comecei a dar valor para coisas que não dava, como um simples banho quente, ou um remédio para dor de cabeça. Também comecei a perceber e tentar controlar alguns pensamentos fúteis que acabava tendo, como, por exemplo, reclamar do trânsito estando em meu carro. Acho que o melhor beneficio mesmo é a alegria e gratidão de poder ajudar ao próximo, e ao mesmo tempo ver a gratidão e amor que recebo deles”, declara Sofia Tercarolli, voluntária do projeto Entrega por SP.

De acordo com Rivonaldo Santiago, o Rivo, palestrante do Centro de Voluntariado de São Paulo (CVSP) e voluntário há 16 anos, não é preciso estar ligado a uma instituição para ser voluntário. Em entrevista, Rivo diz que toda atitude que faça o bem é voluntariado e que é preciso repensar como podemos ajudar ao próximo. Para ele, o indivíduo que pratica atividades do gênero muda totalmente, e não apenas a visão de mundo, mas também a maneira de agir, tornando-se uma pessoa mais solidária para com o outro. Segundo ele, aquele que acredita no que faz transforma a própria vida e a de todos ao seu redor. “Acredito muito que, depois que vesti a camiseta do TETO, virei muito mais gente do que já era”, diz Majolo. “Gente no sentido humanitário, de pensar mais nos meus privilégios e no dos outros. De acreditar que, se nos organizarmos, conseguimos mudar a realidade.” Para ela, o voluntariado quebrou seus próprios preconceitos e normas, sendo capaz de criarlaços de empatia e confiança “com pessoas que mal conhecemos”.

Segundo pesquisa do Instituto Datafolha, 51% dos entrevistados apontam que a principal vantagem da atividade voluntária é que ela faz com que se sintam bem. “Depois que comecei a ser voluntário, a minha visão da vida mudou. Comecei a dar mais valor para vida, a não querer muito bens materiais, sendo que tenho uma casa para morar, uma família. Me ajudou a repensar a vida, meu foco sempre foi financeiro e foi isso que mudou.”, conta Condori. Outros 40% acreditam que o trabalho faz com que se sintam úteis e 11% diz que o voluntariado faz com que desenvolvam novas habilidades.

13523910_10209108563458494_591419393_o

Como ser voluntário?

Muitos são os que anseiam ser voluntários, mas não sabem onde procurar ou o que fazer. Focando a cidade São Paulo, existem milhares de Instituições que necessitam de auxílio, entretanto não são procuradas. Em contrapartida, as grandes Organizações possuem listas de espera para que alguém seja chamado para a atividade. Aí é que entra o Centro de Voluntariado de São Paulo.

Uma das principais funções do CVSP é o cadastramento de institutos, dando visibilidade para as vagas existentes e a apresentação de oportunidades ao interessado no trabalho. Basicamente, o Centro faz a ligação entre o voluntário e a Intituição que necessita dessa mão-de-obra. Além disso, este também realiza palestras de sensibilização e ajuda na capacitação de pessoas e organizações para que possam executar o voluntariado.

Em relação as áreas de atuação, é preciso que o indivíduo tenha em mente suas habilidades, capacitações e anseios. O voluntário pode atuar praticamente em tudo que desejar. Entre as principais atividades, destacam-se: recreação de crianças, educação, alfabetização de adultos, cuidar de idosos, dar palestras, organização de eventos, tomar conta de animais, entretenimento de pessoas doentes, assistência psicológica, distribuição de alimentos para comunidades e moradores de rua, entre outras.

Ser voluntário não é algo temporário, que possui um começo, meio e fim. É um estilo de vida, uma escolha pessoal, um objetivo a ser seguido. É uma via de mão-dupla, na qual a satisfação pessoal não é nada menos que é a consequência do bem-estar do próximo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima