Home Escuta Aí A trajetória musical de Selena Gomez
A trajetória musical de Selena Gomez
Escuta Aí
25 dez 2018 | Por Jornalismo Júnior

Imagem: Samantha Prado / Comunicação Visual – Jornalismo Júnior

Por Laura Scofield (lauradscofield@usp.br)

Selena Gomez começou sua carreira em meados dos anos 2000, sendo uma das participantes do programa infantil Barney e Seus Amigos, juntamente com Demi Lovato. Depois, a artista seguiu para a Disney, onde estrelou o seriado Feiticeiros de Waverly Place (Disney Channel, 2007), como Alex Russo. Um fato que já mostra a intenção da emissora em investir numa carreira de cantora para Selena é música de abertura da série, chamada Everything Is Not What It Seems, que foi gravada pela atriz. Selena, em entrevistas posteriores, disse que começou a pensar seu primeiro álbum logo no início de sua carreira na Disney.

Imagem: Reprodução

O primeiro álbum de Selena foi Kiss & Tell, porém, antes do lançamento deste, a atriz e cantora já havia gravado algumas músicas para projetos cinematográficos. Entre essas, Cruella de Vil — para o filme 101 Dálmatas (Disney, 1996) —, New Classic e Tell Me Something I Don’t Know as duas para o filme Another Cinderella Story (Warner, 2008) e Magic para o filme de Feiticeiros de Waverly Place. A última foi apenas regravada, pertencendo, originalmente, a uma banda escocesa.

Kiss & Tell foi lançado em 2009 e representou o primeiro trabalho musical de Selena e sua banda. A escolha de atuar em um grupo partiu da própria cantora, que afirmou que, por ser nova e inexperiente no meio, necessitava de certo apoio e tutoria. Dessa forma, foram realizadas audições e os outros integrantes foram escolhidos. A artista publicou em seu Twitter que o nome da banda seria The Scene, porém, por exigência da gravadora Hollywood Records, ele foi mudado para Selena Gomez & The Scene.

Selena Gomez & The Scene na gravação do videoclipe Falling Down / Reprodução

Kiss & Tell – 2009

 

O primeiro álbum da banda contém 13 músicas, contando com dois singles: Falling Down e Naturally. Em entrevista, Selena afirmou que sua intenção com esta produção era fazer algo divertido, o que também foi mostrado nos photoshoots e videoclipes lançados. Uma tendência que se repete nos álbuns futuros da cantora é a de fazer música se utilizando de recursos tecnológicos e mixagens, o que se caracteriza como electro-rock; ou; synthpop.

No que diz respeito às temáticas abordadas, Kiss & Tell se diferencia dos outros álbuns por falar pouco e superficialmente sobre relações amorosas e românticas. Nesta produção, são tratadas as relações entre pessoas, amizades e conflitos cotidianos. Em outras palavras, pode-se dizer que a inspiração para o primeiro álbum da banda é bem colegial, do típico high school americano: intrigas adolescentes, formação e afirmação de personalidades e crushes — existe até uma música chamada Crush. A própria capa do álbum já deixa bem claro o tom juvenil e alegre das músicas.  

A única música que trata o amor de forma mais profunda é The Way I Loved You. Esta fala do fim de um intenso primeiro amor, o que também remete à vibe de colegial que o álbum contém. A canção rendeu performances cheias de emoção e alguns afirmam que está diretamente ligada ao relacionamento da cantora com Nick Jonas.

Neste álbum, a única música co-escrita por Selena é I Won’t Apologize, que fala sobre não se desculpar por ser quem é. A cantora afirmou que não compôs outras canções em função de querer aprender mais sobre música antes de fazê-lo.

Imagem: Capa do álbum / Reprodução

A Year Without Rain – 2010

O segundo álbum da banda se chama A Year Without Rain e traz algumas mudanças. As temáticas são um pouco mais melancólicas e o amor se torna um tema mais frequente. Além disso, a imagem de Selena nos videoclipes e photoshoots envelhece um pouco, fazendo parecer que muito mais tempo se passou entre os dois primeiros álbuns da artista. Com um total de 11 músicas e 3 singles: Round and Round, A Year Without Rain e Un Año Sin Lluvia — versão em español da música anterior —, a coletânea foi lançada em 2010.

Em entrevista, a cantora afirmou que a música que dá nome ao álbum fala de uma história real e vivida por ela. Diferentemente de como ocorre em The Way I Loved You, as músicas que falam de amor neste segundo álbum, em geral, falam de um eu lírico mais independente. O lançamento de uma canção em espanhol tem relação direta com a história da artista, que é texana e tem descendência mexicana.

Por se tratar de um álbum relativamente mais sério, seu photoshoot apresenta paleta de cores mais brandas e aposta em tons menos contrastantes. O rosa choque que aparece em grande parte das fotos de Kiss & Tell é substituído por rosa e azul claros, apresentando fotografias que exploram paisagens simulando o natural. A artificialidade do estúdio, presente e escancarada nas fotos tiradas para o primeiro álbum, é substituída pela tentativa de criar um ambiente mais tranquilo e harmônico.

Claro que o brilho não é de todo excluído, mas aparece de forma mais madura, com cinza e preto, na tentativa de representar a vida noturna de um ambiente urbano. Esta mudança, juntamente com a caracterização da cantora, auxiliam na sensação de amadurecimento em música e personalidade que o álbum propõe.

Imagem: Capa do álbum / Reprodução

When The Sun Goes Down –  2011

O terceiro álbum, When The Sun Goes Down, envelhece ainda mais a cantora, em música e imagem. Além disso, é o que garante maior sucesso à banda, tendo músicas muito adoradas, como Who Says, Hit The Lights e Love You Like a Love Song. A coletânea, lançada em 2011, também rendeu à cantora visibilidade suficiente para sua primeira turnê global, trazendo-a ao Brasil — Rio de Janeiro e São Paulo — em fevereiro de 2012 com a We Own The Night Tour.

A produção também contou com a participação de grandes nomes da música, possuindo canções co-escritas por Britney Spears (Whiplash), Katy Perry (That’s More Like It) e Pixie Lott (We Own The Night). Para este álbum, Selena afirmou ter buscado músicas para cima e inspiradoras, o que já foi mostrado, de forma majestosa, pelo primeiro single: Who Says. A artista define a canção como um hino que prega o amor próprio e a autoaceitação.  

Os dois outros singles Love You Like a Love Song e Hit The Lights também foram marcantes. O segundo, inclusive, teve dois videoclipes oficiais, um diurno e um noturno. Love You Like a Love Song se destacou pelo clipe divertido e conceitual, surpreendendo com os inúmeros contextos explorados, vibrante paleta de cores e com a beleza estética exótica e diversa retratada.

Depois de finalizada a We Own The Night Tour, Selena disse que pararia de cantar para focar em sua carreira enquanto atriz. Spring Breakers, The Getaway, Rudderless, The Fundamentals Of Caring e Behaving Badly foram alguns dos filmes gravados durante este momento de pausa na carreira musical da artista. Foram cerca de dois anos de hiato. Entretanto, em 2013, com o single Come & Get It, a cantora voltou aos palcos.

Imagem: Capa do álbum / Reprodução

Stars Dance – 2013

Stars Dance foi o quarto álbum da carreira geral de Selena, porém, o primeiro da artista em atuação solo. A cantora afirmou que, enquanto em 2009 precisava de certo aconselhamento, em 2013, já conhecia o suficiente da indústria musical e tinha as experiências necessárias para produzir seu próprio trabalho.

Come & Get It foi sucesso de primeira, tendo rapidamente alcançado o primeiro lugar nas rádios americanas. A música foi apresentada na Billboard e recebeu várias críticas positivas. O segundo single do álbum foi Slow Down, cujo videoclipe se passa na vida noturna parisiense. Birthday pode ser considerado o terceiro single e seu clipe foi gravado durante a festa de 21 anos da cantora.

Stars Dance apresenta Selena enquanto mulher, e não mais a adolescente do Disney Channel. As músicas, mesmo ainda dançantes e divertidas, trazem letras mais provocantes e com referências mais sensuais. Entretanto, se existe algo que permanece em toda a trajetória musical da artista, este algo são as batidas e mixagens. Músicas como B.E.A.T e Birthday, por exemplo, têm como componente essencial a edição e os efeitos técnicos e sonoros. Em diversas entrevistas, Selena afirmou ter ficado muito feliz com o resultado do álbum, chegando a dizer que foi a primeira vez em que se sentiu, realmente, a par e influente em todo o processo de produção. A separação com a The Scene trouxe mais autoridade e independência à cantora.

Imagem: Capa do álbum / Reprodução

Em 2014, a música The Heart Wants What It Wants foi lançada, sem divulgação ou aviso prévio aos fãs ou imprensa. Cerca de um ano antes, a cantora havia postado em seu Instagram uma foto misteriosa com a legenda Secret Project (Projeto Secreto), mas nada mais foi divulgado.

The Heart Wants What It Wants é uma canção extremamente íntima e sentimental. O videoclipe conta com uma introdução emocionante de Selena, com tom de desabafo. Em entrevistas posteriores ao lançamento, a cantora afirmou que guardou a música por tanto tempo porque queria lançá-la apenas quando estivesse emocionalmente pronta. A canção expõe algumas questões e experiências da vida pessoal da cantora, tratando do seu relacionamento com Justin Bieber. Veja o clipe a seguir:

Logo depois de The Heart Wants What It Wants, Selena anunciou que lançaria uma coletânea de seus melhores hits e sairia da Hollywood Records. Assim surgiu o álbum For You, que reuniu 15 canções, sendo 2 inéditas. Nesta obra, foi lançada uma segunda versão da música My Dilemma e a versão em espanhol de More — pertencente a Kiss & Tell. As músicas inéditas foram The Heart Wants What It Wants e Do It. A cantora também gravou e lançou a canção Bidi Bidi Bom Bom de sua xará Selena Quintanilla, totalizando duas músicas em espanhol nesta produção.

Imagem: Capa do álbum / Reprodução

Revival – 2015

 

Em 2015, o até então último álbum de Selena foi lançado: Revival. Este conta com 11 músicas e representou uma grande mudança e evolução no estilo da artista. O primeiro single lançado foi Good For You, com a participação do rapper A$AP Rocky. O videoclipe esbanja sensualidade e foi gravado em um ambiente íntimo. Ao contrário de muitos outros clipes de Selena, cuja atenção é desviada pelas paisagens ou personagens, em Good For You, o foco é todo na cantora.

O próximo single foi Hands To Myself. Este, uma balada romântica, tem um videoclipe ainda bastante sensual, mas mais desenvolvido em conceito e história. Selena interpreta uma amante obsessiva que invade a casa do amado, veste suas roupas e o espera em sua cama. A cantora afirmou que a intenção por detrás desta história era retratar as fantasias que por vezes surgem nas mente das pessoas que estão apaixonadas.

A primeira música, Revival, dá nome ao álbum e já o inicia com frases que explicitam que a obra veio para representar mudança e evolução. Revival é renascimento. Depois de expor grande fragilidade com The Heart Wants What It Wants, a próxima produção musical de Selena vem para falar de autoconhecimento, confiança e aceitação da vulnerabilidade. Ao mesmo tempo em que a artista é retratada como sensual e independente, em músicas como Hands To Myself e Body Heat, ela expõe grande fragilidade em canções como Sober e Perfect.

A foto de capa do álbum já mostra a relação entre confiança e vulnerabilidade que o álbum propõe. A imagem traz a cantora praticamente nua e com pouca maquiagem. Quando entrevistada, Selena afirmou que escolheu aquela foto por sentir que ela representava bem quem ela era.

Imagem: Capa do álbum / Reprodução

Depois do lançamento de Revival, Selena iniciou sua segunda turnê mundial, porém, em função de complicações de saúde, alguns shows foram cancelados e ela entrou em recesso. Em 2017, a cantora lançou uma música para compor a trilha sonora da série 13 Reasons Why (Netflix, 2017), chamada Only You. Além disso, ela liberou uma nova versão de Kill Em With Kindness — música pertencente a seu último projeto musical lançado.

Bad Liar, Fetish, Wolves e It Ain’t Me também foram lançadas neste ano. As três primeiras contaram com vídeos específicos para o Spotify e, algum tempo depois, tiveram seus vídeos oficiais disponibilizados. Para o videoclipe da primeira música, Selena investe em atuação e interpreta todos os personagens da trama. Porém, o vídeo é pouco sério e bem divertido, chegando a ser inocente.

Fetish trás mais conceito e causa até certo estranhamento. Selena surpreendeu com um projeto que trata o fetiche de forma diferente, pouco sexual. Quando questionada sobre o significado da produção, ela afirmou que vê os fetiches de outra maneira, tendo tentado fazer a produção audiovisual bem parecida com um filme de terror.

It Ain’t Me foi um feat com Kygo para um álbum do artista. Wolves, a última música do ano, foi uma parceria com o DJ Marshmello. A música foi bem recebida e apresentada no American Music Awards de 2017. A performance também trouxe um pouco do universo do terror, diferentemente do vídeo, que foca mais no sensual.

Em 2018, Selena lançou sua última música até o momento: Back To You. Parte da trilha sonora da segunda temporada de 13 Reasons Why, Selena diz que a canção representa muito bem o que ela pretende trazer em seus trabalhos e álbum futuro. O videoclipe também é bastante divertido e interessante, brincando com cores vibrantes, alegorias e se utilizando de um pouco de teatro mudo.

Nas últimas entrevistas, Selena afirmou que já vem trabalhando no próximo álbum há algum tempo e que ele será lançado em breve.

Confira, abaixo, o clipe de Back To You:

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*