Home Controle Remoto The Fosters se encerra com um legado de amor sobre todas as coisas
The Fosters se encerra com um legado de amor sobre todas as coisas
Controle Remoto
29 jun 2018 | Por Jornalismo Júnior

Imagem: Reprodução

SPOILER ALERT: a resenha pode conter alguns spoilers das temporadas e dos últimos episódios!

Nos dias 4, 5 e 6 de junho foram lançados os três episódios finais da série The Fosters, dos criadores Peter Paige e Bradley Bredeweg, nos Estados Unidos. Seu primeiro episódio foi ao ar em 2013 e marcou o início da história de uma família que, antes de tudo, prezava pelo amor e não pelas diferenças. Stef e Lena são duas mulheres com 3 filhos: Mariana, Jesus e Brandon, sendo os dois primeiros gêmeos adotados e o último, filho biológico de Stef.

O trama tem início com Lena indo até o reformatório para receber uma jovem que precisaria de uma casa temporária, Callie. Presa por seu acusada por seu pai adotivo anterior de danos, a jovem apresenta-se como um escudo a qualquer pessoa que não conheça e sua maior prioridade é seu irmão mais novo, Jude. As temporadas passam a explorar o envolvimento dos dois com a família Foster e a história dos diferentes integrantes.

Paralelas a essa história, o seriado tenta abranger diferentes questões muito discutidas na atualidade. A principal esfera em que são pautadas essas questões é o Sistema de Adoção americano e suas várias falhas. Há muitos momentos em que vemos as dificuldades de crianças que, desde cedo, estão nesse sistema. Outros casos discutidos são a imigração e a representação LGBTI+. A série, além de entreter, busca sempre dar espaço a assuntos que são vistos como polêmicos para conscientizar seus espectadores e fazê-los refletir.

Relembrando os últimos passos das personagens

Na temporada final, acompanhamos a difícil decisão de Callie para a escolha de sua carreira. A jovem luta para entrar no programa de artes da UCSD (University of California San Diego), mas, por fim, acaba escolhendo o programa de direito, sua verdadeira vocação. Brandon Foster decide seguir com a música, mas em um caminho diferente: trilhas sonoras para filmes e televisão em geral. No episódio 19, ele ainda sofre com a perda de Grace, sua namorada, que tinha câncer, mas decide por continuar seu novo sonho. Jesus ainda estava no processo de tratamento de sua condição. Após o acidente com o prego em sua cabeça, ele passa por cirurgias que comprometem seu cérebro e fazem com que ele tenha comportamentos agressivos e até convulsões, ameaçando seu ano escolar. Felizmente, ele consegue terminar os estudos em Anchor Beach. Mariana estava focada em entrar para o MIT, junto com Emma. Stef e Lena preocupavam-se com seu relacionamento depois que todos os filhos saíssem de casa, o que causava um cenário desconfortável entre as duas.

O episódio anterior aos finais mostra, por fim, todos se formando do Ensino Médio e o anúncio de que Brandon iria se casar com sua namorada Eliza, que tinha conhecido na faculdade. Este seria o ponto de início para a continuação da trama. A série ficou em hiatus por três meses, até o seu encerramento.

Imagem: Reprodução

 

O casamento e a reta final

Imagem: FreeForm

Finalmente, os episódios finais focam no casamento de Brandon e Eliza. A família Foster, já mais velha, vai para Turks & Caicos para a cerimônia com a família da noiva. É aí que se inicia a onda de choques entre as crenças tradicionalistas dos pais de Eliza e os Fosters. Esses choques, como na maioria dos episódios antigos, são o ponto de largada para as discussões dentro da série e a reflexão do espectador a respeito do assunto. É nesse quesito que a série resguarda sua importância: a reflexão sobre como algumas ideias permanecem ocultas em diferentes lugares. O movimento LGBTI+, a adoção, o casamento pautado na ideia patriarcal, entre várias outras.

Em alguns pontos, o encerramento da série passa a ser um tanto cansativa. Dentre as várias recordações, damos de cara com uma breve — muito breve — retomada dos sentimentos que Callie e Brandon tinham um pelo outro nas primeiras temporadas. Para os que não se lembram, os dois se envolveram romanticamente no início da série, colocando em cheque todo o processo de adoção de Callie. Essa retomada mostrou-se vaga, pôde contar com flashbacks de momentos que os dois tiveram e conflitos entre Eliza e Callie, mas talvez tenha sido um pouco exagerada.

Outra retomada falha foi o relacionamento de Mariana e Matt, que desde sempre foi confusa. Separados, os dois se reencontram no casamento e os episódios tentam explorar um pouco deles — sem muito sucesso. Por outro lado, as angústias de Mariana ao tentar ressuscitar algo e sua decisão final mostram o quanto ela cresceu e evoluiu ao longo dos anos, tornando-se algo positivo. Jesus e Emma — sua namorada desde o ensino médio — também passam por muitos conflitos com suas vidas após o término da faculdade. Entre as distâncias que teriam que enfrentar, o destino do casal também mostra uma forma de evolução necessária para os dois.

Jude era o que passava por momentos mais duros em sua vida e a parte genial é que suas angústias se assemelham às emoções do próprio espectador que acompanha o seriado desde o início. O menino sofre com a saudade que tem da vida antes da faculdade, com todos unidos, aproximando-se do que os fãs sentem também: assistir, toda semana, aos momentos da família, desde as intrigas até as horas de conquista. A vida de Stef e Lena também estava passando por muitas mudanças — e muito importantes. Lena estava pensando em concorrer a um importante cargo público e, para isso, as duas teriam que se mudar da casa tão conhecida e amada por eles — e claro, por nós. No fim, ela aceita o trabalho e chega o momento de se despedir daquele lar que sempre foi tão acolhedor.

A emoção do final é acompanhada por muitas cenas de episódios anteriores, desde o dia em que Callie e Jude foram tão bem acolhidos na família Foster. O caminho que cada um deles leva no fim mostra o quanto cada personagem cresceu pessoalmente. Isso dá uma realidade maior para a série: a vida é feita de acertos e erros e é a partir deles que nos descobrimos. A série, além de tudo, ensina a amar e que família não necessariamente pressupõe o sangue, mas o envolvimento e amor, não importa raça, gênero, orientação sexual, dinheiro. O final deixa isso claro e coloca essa “lei” em nós para segui-la em nossas vidas.  

Que essa série deixará saudades, não há dúvidas. Mas não desanime! A FreeForm (canal que produz The Fosters) anunciou que haverá um spin-off contando a história das vidas de Mariana e Callie alguns anos depois do casamento de Brandon. O lançamento está previsto para 2019 e o nome do seriado será “Good Trouble”. As atrizes Maia Mitchell e Cierra Ramirez (que interpretam Callie e Mariana, respectivamente) já até postaram fotos nos sets de gravação, incitando ainda mais a ansiedade pelo lançamento.

Por Mariana Cotrim
marirocot12@gmail.com

Sala 33
O Sala33 é o site de cultura da Jornalismo Júnior, que trata de diversos aspectos da percepção cultural e engloba música, séries, arte, mídia e tecnologia. Incentivamos abordagens plurais e diferentes maneiras de sentir e compartilhar cultura.
VOLTAR PARA HOME
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*