Home Especiais Tóquio 2020 | O salto para o ouro histórico de Rebeca Andrade
Tóquio 2020 | O salto para o ouro histórico de Rebeca Andrade

Ginasta é a primeira brasileira a ganhar duas medalhas em uma única edição dos Jogos Olímpicos

ARQUIBANCADA
01 ago 2021 | Por Gabriel Gama Teixeira (gabriel.gama.teixeira@usp.br)

Rebeca Andrade parece não se cansar de fazer história na Olimpíada de Tóquio 2020. Depois de conquistar a prata inédita no individual geral na última quinta-feira (29), a rainha do Baile de Favela subiu hoje ao topo do pódio da Ginástica Artística feminina: o primeiro ouro olímpico nacional na história da modalidade é da atleta de Guarulhos (SP).

Aos 22 anos de idade, Rebeca desbancou as concorrentes no salto para se tornar a primeira mulher brasileira a receber duas medalhas em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos. E ainda quer mais: ela vai disputar a final do solo.

Rebeca Ouro

Rebeca ganha ouro inédito no salto e é a primeira brasileira a receber duas medalhas em uma Olimpíada. [Imagem: Reprodução Twitter / Time Brasil]

A vitória inédita do ouro olímpico

A final do salto feminino na Ginástica Artística foi definida no início da manhã deste domingo (01). Entre as oito atletas que buscavam um lugar no pódio, Rebeca figurava como uma das favoritas e tinha como principais adversárias as estadunidenses Jade Carey e Mykayla Skinner, a substituta de Simone Biles, campeã na Rio 2016. Mas nenhuma delas foi suficiente para ofuscar o brilho da ginasta brasileira.

Cada ginasta executou dois saltos e a nota final foi dada pela média das duas performances. As primeiras a saltar foram Skinner e a mexicana Alexa Moreno. A estadunidense ficou com 14.916 pontos de média final, dois décimos acima da atleta do México.

Rebeca foi a terceira a se apresentar. No primeiro salto Cheng, a segunda melhor ginasta olímpica do planeta conquistou a nota 15.166, a maior até então em um único salto na prova. Na segunda apresentação, ela apostou no salto Amanar e cravou 15.000 na parcial. Sua média final ultrapassou a casa dos 15 pontos e a brasileira tomou a liderança com a nota 15.083. Desse momento em diante, o espectador teve fortes emoções para ver se outra atleta superaria Rebeca e tomaria sua tão esperada medalha de ouro.

Mas, para a felicidade da torcida brasileira, isso não aconteceu. Nas apresentações seguintes, a também favorita Jade Carey não conseguiu completar o primeiro salto e terminou na última colocação, com 12.416 pontos. A sul-coreana Seojeong Yeo conseguiu a maior nota em um único salto na prova, com 15.333 pontos, mas teve erros no segundo salto e ficou com 14.733 na média, atrás apenas de Rebeca e Skinner. As últimas apresentações se seguiram, mas o pódio já estava formado: ouro para Rebeca Andrade, prata para Mykayla Skinner e bronze para Seojeong Yeo.

Confira a apresentação que garantiu o ouro para a brasileira:

 

O que a conquista de Rebeca significa para o esporte brasileiro

Rebeca escreve seu nome na história do esporte nacional de várias formas. Ela é a primeira campeã olímpica da Ginástica Artística feminina do Brasil e a única atleta brasileira a subir duas vezes no pódio em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos. Com uma medalha de ouro e outra de prata, a campanha de Rebeca em Tóquio é a melhor de um brasileiro em todos os tempos em uma só olimpíada, entre homens e mulheres. Nunca antes um atleta representante do país ocupou o primeiro lugar e o segundo lugar em dois pódios numa mesma edição da competição.

Ganhadora das medalhas e do orgulho do Brasil, Rebeca tem muito a comemorar. Depois de premiada com o ouro no salto, ela dedicou esta conquista ao seu treinador, Francisco Porath. “A gente trabalhou muito, era um dos aparelhos que eu tinha mais chance. Fiquei muito satisfeita. Acho que fico mais feliz com a felicidade dele do que com a própria medalha. Ele só quer me ver brilhar e a única forma que eu posso retribuir é com a minha ginástica e nosso trabalho. É isso que eu vou buscar fazer, dar orgulho para as pessoas, para a minha família e para mim”, disse a mais nova campeã olímpica do Brasil.

Rebeca ainda concorre a mais uma medalha na manhã desta segunda-feira (02). A brasileira entra novamente no tablado para disputar o pódio no solo, a partir das 5h57 de Brasília.

Rebeca Tóquio

Rebeca comemorando o pódio [Imagem: Reprodução Twitter / Time Brasil]

 

*Imagem de capa: Reprodução Twitter / Time Brasil

 

Tóquio 2020 rebeca

Arquibancada
O Arquibancada é a editoria de esportes da Jornalismo Júnior desde 2015, quando foi criado. Desde então, muito esporte e curiosidades rolam soltos pelo site, sempre duas vezes na semana. Aqui, o melhor de todas as modalidades, de todos os pontos de vista.
VOLTAR PARA HOME
COMENTÁRIOS
Letícia da Silva Teixeira
Muito bom o seu artigo, Gabriel! Parabéns!
02 ago 2021
 
DEIXE SEU COMENTÁRIO
Nome*
E-mail*
Facebook
Comentário*