Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

O brilho de um brasileiro: Trinta

 Por André Meirelles, andremcdg@gmail.com No semestre em que são lançadas as cinebiografias de Paulo Coelho e Tim Maia, o cinema brasileiro se preocupa em contar a história de outro ícone brasileiro: o carnavalesco Joãosinho Trinta (1933-2011). Com a direção de Paulo Machline, “Trinta” chega a 60 salas de todo o Brasil na próxima sexta-feira, dia …

O brilho de um brasileiro: Trinta Leia mais »

 Por André Meirelles,
andremcdg@gmail.com

No semestre em que são lançadas as cinebiografias de Paulo Coelho e Tim Maia, o cinema brasileiro se preocupa em contar a história de outro ícone brasileiro: o carnavalesco Joãosinho Trinta (1933-2011). Com a direção de Paulo Machline, “Trinta” chega a 60 salas de todo o Brasil na próxima sexta-feira, dia 13 de novembro, e promete mostrar ao público o lado mais humano do artista que revolucionou uma das maiores festas do nosso país que é o carnaval.

trinta-filme
Matheus Nachtergaele interpreta o carnavalesco Joãosinho Trinta

Quem for assistir o filme esperando ver toda magia e o batuque que acontece dentro de uma avenida, saiba que isso não ocorre o tempo inteiro. As cenas do carnaval em sua essência são exibidas somente no final, em filmagens originais do desfile da escola de samba Salgueiro. A obra vai se dedicar essencialmente a mostrar mais os bastidores da elaboração do enredo da escola no ano de 1974 (O Rei da França na Ilha da Assombração) sob o viés de Trinta. Diversos personagens inseridos no contexto mostram como que é o dia a dia em uma quadra de escola de samba e todas as desavenças e disputas que existem entre os seus integrantes. “O que me interessava era contar como João Clemente Jorge Trinta se transformou no João Trinta”, disse o diretor Machline durante a coletiva de imprensa do filme.

A história começa com o desentendimento entre o presidente do Salgueiro Germano (Ernani Moraes) e o então carnavalesco Fernando Pamplona (Paulo Tiefenthaler). Com isso, Pamplona deixa a escola e Germano convida o novato alegorista Joãosinho Trinta (Matheus Nachtergaele) para comandar o carnaval daquele ano. Cercado de desconfiança dos outros membros em relação ao seu trabalho, Trinta supera todas as barreiras impostas e prova para todos que o desfile pode ser reinventado. Seu antagonista no filme é representado pelo personagem Tião (Milhem Cortaz), integrante do Salgueiro que não aceita o cargo obtido pelo carnavalesco.

filme trinta
O personagem Tião (Milhem Cortaz) é representado como o antagonista de Trinta

A trama se desenvolve e aborda o início da carreira do jovem artista que veio de São Luís para Rio de Janeiro. Em 1960, larga o emprego em um escritório e se torna bailarino de ópera no Theatro Municipal do Rio e por isso, acaba enfrentando um enorme preconceito por parte de sua família conservadora. A discriminação por ser homossexual e o machismo existente nas quadras da escola são outros temas abordados e que ganham espaço na narrativa. Um dos motivos de Tião ser tão oposto a Trinta é justamente essa postura homofóbica adotada, porém no fundo, há um enorme respeito pelo profissional maranhense.

trinta coletiva
Diretor, atores e produtores em evento de “Trinta”

O carnaval de 1974 foi o segundo dele a frente de uma produção enorme e seu primeiro título. O filme também mostra o processo de reinvenção de se projetar fantasias e adereços. Comandado pela famosa frase “o povo gosta de luxo, quem gosta de miséria é intelectual”, o carnavalesco foi o grande responsável pro implementar artigos luxuosos nunca antes usados em nenhum desfile. A simples transformação do lixo em luxo.

A produção conta ainda com a participação de Paolla Oliveira, Fabrício Boliveira e Mariana Nunes. Se o filme não conta com o brilho e espetáculo de um desfile na Sapucaí, é sustentado pelo talento de Matheus Nachtergaele. O ator apresenta de forma emocionante a vida de um homem artista, que não teve apoio durante alguns momentos, enfrentou preconceitos pela suas escolhas de vida e sexualidade, e tinha uma enorme dedicação ao trabalho de criação. “Eu aprendi que vale a pena insistir nas suas loucuras quando elas são para as pessoas. E acho que isso é uma coisa do Joãosinho”, diz Nachtergaele.

trinta estreia
O carnavalesco morreu em 2011, aos 78 anos, no Rio de Janeiro

“Trinta” é sem dúvida uma bela homenagem à vida e à obra de um dos grandes mestres do carnaval brasileiro. Joãosinho Trinta é o símbolo do indivíduo brasileiro e representa fielmente aquele que vêm da terra. Pobre, sem instrução, autodidata maranhense e com 1, 56 cm de altura. Alguém que durante toda sua trajetória produziu com determinação uma das festas que mais trazem alegria ao povo brasileiro, através do deboche, da ironia, e das histórias ricas em conteúdo. O filme é um verdadeiro convite a conhecer o brilho de um brasileiro que mudou para sempre a cultura popular de seu País.

Confira o trailer de “Trinta”:

https://www.youtube.com/watch?v=7RVfgFLisIA">https://www.youtube.com/watch?v=7RVfgFLisIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima