Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Um passo por vez: como completar os 10 quilômetros

Por Natália Belizario Silva Na largada, eu já senti que estava no lugar errado. Sem a meia de compressão, marcador cardíaco, tênis fluorescente. Natália, faz a atleta. Alonga aí. “Ayrton Senna Racing Day”: palavras do maior ídolo que esse país já teve ecoavam pelo autódromo de Interlagos. Ele descrevia o percurso que fez com carro, com …

Um passo por vez: como completar os 10 quilômetros Leia mais »

Por Natália Belizario Silva

Imagem: Natália Belizario Silva
Imagem: Natália Belizario Silva

Na largada, eu já senti que estava no lugar errado. Sem a meia de compressão, marcador cardíaco, tênis fluorescente. Natália, faz a atleta. Alonga aí. “Ayrton Senna Racing Day”: palavras do maior ídolo que esse país já teve ecoavam pelo autódromo de Interlagos. Ele descrevia o percurso que fez com carro, com uma marcha só. Contagem regressiva, vai Natália, corre. Eu era Fernanda na corrida; na hora da inscrição, minha irmã colocou o nome dela primeiro, mas quem abriria o revezamento era eu. Vai, Fernanda. Corre.

O primeiro quilômetro foi ok, aquecendo. Vi o S do Senna, vi a galera que sabia o que estava fazendo lááá na frente. Comecei a sentir a perna que eu tinha machucado no final de semana jogando basquete, meu esporte do coração. Correr nunca foi minha praia, mas minha irmã fez a inscrição e eu não gosto de desistir das coisas. Acordei 4h da manhã pra chegar aqui, agora eu vou terminar esse negócio. Quando vi a placa do segundo quilômetro, com o corpo já quente, minha perna parou de doer. Eu vi uma dupla correndo, ela em pé, ele numa cadeira especial para corridas. Arrepiei até a alma, sim. Pelo companheirismo de correr junto, de empurrar uma cadeira pesada e carregar o próprio corpo. Eu só carregava o meu corpo, bem mais leve do que de muitos que me ultrapassaram, mas ofegante. Reduzi, andei, tomei água e voltei a correr.

Na primeira subida, com uma curva no meio, comecei a ver pedaços de pneu. Lembrei do nome da corrida, de Ayrton descrevendo o percurso. No terceiro quilômetro, o movimento de corrida ficou mais instintivo, com “I am mine”, do Pearl Jam, tocando bem alto na minha cabeça. Entre uma música e outra, ouvia meu pé no chão e minha respiração forte, mas não ofegante como no final do jogo de basquete. O quilômetro quatro parecia longe demais. Marcaram essa distância errado, não é possível.

Comecei a prestar atenção nas pessoas que corriam por perto. Pouca gente da minha idade. Senhoras. Senhores. Um moço de macacão e capacete me ultrapassando. Natália… que vergonha. Gente que corria diferente. Resolvi testar outros jeitos de correr, o mesmo movimento já estava entediante. Vou igual ao moço do tênis legal ali, na ponta do pé. Dói. Deve ser o tênis. Quantas tatuagens de corrida… keep running, Natália. Caraca, que cara rápido. Que passada larga e leve. Parece bem mais fácil do que correr assim, que nem eu. Vou tentar. 30 segundos. Meu… que que é isso que tá doendo? Nunca senti.

A subida antes de chegar na largada e correr a segunda parte da prova. Vou correr a subida. Tá difícil. Vai só até a linha ali, Natália. Ok, deu. Agora o fotógrafo. Mais um pouco. Pronto, metade já foi.

A outra metade foi mais do mesmo, mais cansada. A subida antes do final pareceu mais longa. Não para não, Natália. Chega correndo. Antes de enxergar a largada, vi um caminhão das Paralimpíadas, avisando que o movimento estava chegando. Por motivos pessoais, abri um sorriso enorme. Passar na chegada foi bom e talvez seja esse o sentimento que as pessoas experientes em corrida, da meia de compressão e marcador cardíaco, procurem quando saem de casa antes do sol aparecer. Entreguei a pulseira do revezamento pro meu cunhado e chega de relato por aqui. Meu fôlego de escrever acaba junto com os 10km feitos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima