Jornalismo Júnior

logo da Jornalismo Júnior
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Há 50 anos, a Alemanha derrotou o Carrossel Holandês e conquistou seu segundo título mundial

Copa do Mundo realizada na Alemanha teve quatro seleções estreantes e emblemática seleção holandesa
Cruyff na Copa de 1974
Por Bernardo Carabolante (bernardonm0411@usp.br) e Breno Marino (brenomarino2005@usp.br)

No dia 7 de julho de 1974, encerrava-se a décima edição da Copa do Mundo da Fifa. Depois da conquista brasileira da taça Jules Rimet em 1970, que consagrava a posse definitiva da taça ao país pelo tricampeonato mundial, a federação internacional, depois de consultar 53 ideias, mudou o formato da taça da competição. O troféu foi projetado pelo italiano Silvio Gazzaniga e se mantém o mesmo até hoje.

A história por trás da Copa

Quase 30 anos após o fim da segunda guerra, a  Alemanha venceu a concorrência da Espanha, que trocou a candidatura por apoio alemão, oito anos depois, para a Copa de 1982 — prejudicada pelo período do regime nazista, a campeã em 1954 levou nove edições para receber uma Copa do Mundo. Existia a expectativa de receber o torneio antes dos anos 1970, mas a necessidade de reconstrução do país, além da sua situação com o resto do mundo, fez com que isso não fosse possível anteriormente.

Após a guerra, se estabeleceram a Alemanha Ocidental e Oriental, fundados em 1949, mas, na época, ambos países estavam banidos da Fifa e não puderam disputar a Copa de 1950. A equipe existente antes da Segunda Guerra Mundial se tornou a “ocidental”, enquanto que os “orientais” criaram sua própria seleção. Assim, os alemães estavam separados pelo Muro de Berlim, não só fisicamente, mas também socialmente.

Em 1966, a Alemanha Ocidental realizou movimentos para ser vista como a verdadeira Alemanha, conseguindo a sede para as Olimpíadas em 1972 e para a Copa dois anos depois. A Alemanha Oriental se classificou para uma Copa pela primeira vez em 1974, e no sorteio das chaves saiu a “briga entre irmãos”, como diria a imprensa alemã.

Jogo da Copa do Mundo de 1974 disputado entre Brasil e Alemanha Oriental

Alemanha Oriental x Brasil pela Copa de 1974, partida decidida por gol de Rivellino [Reprodução/MemóriaGlobo:Globo.com]

A Laranja Mecânica

Com um estilo de jogo revolucionário e intenso, a Holanda de 1974 se consolidou como a principal favorita à conquista da Copa. A equipe treinada por Rinus Michels aplicava à tática o famoso “futebol total”. Em entrevista ao Arquibancada, Rodrigo Bueno, jornalista esportivo da ESPN, comenta:  “A seleção da Holanda de 1974, em especial, não tinha nada engessado, fixo, pelo contrário, se destacava pela mobilidade e versatilidade dos atletas, que desempenhavam diversas funções em campo. No papel, a equipe de Rinus Michels jogava em um esquema 4-3-3, que é a base do futebol holandês até os dias de hoje”.

Além de aspectos táticos, a seleção europeia contava com grandes craques em seu plantel. Multicampeão no Ajax e um dos maiores jogadores de todos os tempos, o atacante Johan Cruyff era fundamental no esquema holandês, contribuindo com gols e assistências, além de gerar espaços aos seus companheiros.

No grupo C da competição, a Laranja Mecânica, apelido dado à equipe devido ao futebol ofensivo praticado, passou em primeiro lugar, ao vencer o Uruguai e a Bulgária por 2 a 0 e 4 a 1, respectivamente, e empatar com a Suécia sem gols marcados. A fase seguinte, diferentemente das Copas anteriores, seria decidida em nova fase de grupos, na qual o primeiro colocado iria à final e o segundo disputaria a terceira colocação do torneio.

Na segunda fase, a Holanda caiu em grupo com Alemanha Oriental, Argentina e Brasil, atual campeão do mundo em 1970. Sem muitas dificuldades, o Carrossel Holandês venceu os três confrontos, marcando um total de oito gols e sem sofrer nenhum. Ainda sem perder na competição, a seleção treinada por Rinus Michels chegou à final, justificando o favoritismo que recebia.

Elenco da seleção holandesa, conhecidos como Carrossel Holandês ou Laranja Mecânica

A numeração dos jogadores holandeses era fora do padrão acostumado. Por exemplo, enquanto o atacante Cruyff usou a camisa 14, o goleiro Jongbloed usou a camisa oito, numeração alternativa em relação ao adotado por outras equipes [Reprodução/WikimediaCommons]

Alemanha: anfitriã e em momento de união

Pela primeira vez na história das Copas, a Alemanha sediou a competição em 1974. Depois de décadas turbulentas pós-Segunda Guerra Mundial, a recepção de um dos torneios esportivos mais importantes do mundo representava a reconstrução da nação alemã, ainda dividida. Além disso, pela primeira vez, a Alemanha Oriental participou da Copa do Mundo. 

No grupo A, as duas Alemanhas se classificaram à segunda fase. Enquanto a porção estreante conseguiu o feito sem perder nenhuma partida, com duas vitórias e um empate, a Alemanha Ocidental passou na segunda colocação, com derrota para sua “irmã vizinha”.  As outras duas seleções do grupo eram Chile e Austrália.

Na fase seguinte, os papéis se inverteram — a vitória surpreendente da “azarona” Alemanha Oriental contra a Ocidental, na verdade, ajudou os perdedores do confronto a caírem em um lado mais tranquilo da chave. No grupo A, a Alemanha Oriental foi eliminada, com apenas uma vitória, sobre a Argentina, e duas derrotas, para Holanda e Brasil. Do outro lado, no grupo B, a equipe do defensor Franz Beckenbauer se classificou à final da competição, com três vitórias sobre Polônia, Suécia e Iugoslávia. Essa equipe, para Rodrigo Bueno, foi a melhor seleção alemã de todos os tempos: “A Alemanha Ocidental contava com diversos craques geracionais, destacando-se Gerd Müller, o goleiro Sepp Maier e Beckenbauer”. 

Assim, a seleção alemã buscava repetir o feito de 1954 e vencer o favoritismo de seu adversário. A Alemanha Ocidental, também, era a atual campeã da Eurocopa, conquistada em 1972.

A final: mais uma derrota do futebol arte

Realizada no Estádio Olímpico, em Munique, a final entre Holanda e Alemanha tinha tudo para ficar marcada na história do esporte. O embate consolidava o confronto entre um futebol revolucionário contra a qualidade técnica e paixão dos atletas alemães, que poderiam ser campeões em seu próprio país.

Cruyff e Beckenbauer antes do início da final da Copa do Mundo de 1974

Na imagem, dois dos maiores atletas da história do futebol antes da partida: Johan Cruyff à esquerda e Beckenbauer à direita [Reprodução/WikimediaCommons]

Logo no começo da partida, aos 2’,  Johan Cruyff sofreu pênalti, e Neeskens, que já havia feito dois gols na competição dessa mesma forma, abriu o placar do jogo. Mesmo com um início arrasador holandês, a Alemanha não se assustou e, aos 25’, Paul Breitner empatou a partida, após cobrança de pênalti. No fim do primeiro tempo, aos 43’, o craque alemão Gerd Müller virou o placar do jogo para 2 a 1. Em partida inspirada do goleiro Sepp Maier, a Laranja Mecânica não conseguiu concretizar seu ligeiro favoritismo e, com o apito final do árbitro Jack Taylor, a Alemanha conquistou seu segundo título mundial.

A derrota da Holanda representou mais uma perda para o futebol revolucionário, que já havia acontecido nas Copas de 1954, com a Hungria, e em 1966, com a seleção de Portugal. A marcação realizada pela seleção alemã foi um dos principais fatores que levaram à vitória da equipe. “Vogts foi escalado para fazer marcação individual em Cruyff, que brilhou nos primeiros segundos da decisão ao fazer a jogada que resultou no pênalti para a Holanda. A marcação forte e a aplicação tática já fizeram com que os alemães superassem, na final de 1954, a espetacular seleção da Hungria. Conseguiram anular em boa parte o poderio do adversário”, complementa Rodrigo.

Gerd Muller levantando a taça de campeão da Copa do Mundo de 1974

Gerd Müller é ídolo alemão e, até 2006, era o maior artilheiro da história das Copas, com 14 gols [Reprodução/WikimediaCommons]

O Brasil na competição

Depois da conquista em 1970, a seleção brasileira teve muitas mudanças para a Copa de 1974. Do time campeão quatro anos antes, apenas Piazza, Jairzinho e Rivellino permaneceram, além do técnico Zagallo. Mesmo sendo uma das favoritas à conquista da competição, a seleção não tinha o mesmo brilho e qualidade da geração anterior. “Na primeira fase, a seleção brasileira custou a engrenar. Empatou em 0 a 0 com a Iugoslávia e com a Escócia. Só balançou as redes contra o frágil time do Zaire, a quem venceu por 3 a 0”, comenta Rodrigo.

Na fase seguinte, o Brasil estreou com vitória sobre a Alemanha Oriental, por 1 a 0, com gol de Rivellino. Na segunda rodada, a seleção canarinho enfrentou seu principal rival do continente, a Argentina. Com gol do “furacão de 70”, Jairzinho, no segundo tempo, a equipe treinada por Zagallo venceu por 2 a 1. O gol dos argentinos, marcado por Brindisi, foi o primeiro sofrido pela defesa brasileira na competição.

Na última rodada ocorreu um embate contra a Holanda, em confronto decisivo para descobrir quem avançaria à final. Em partida pouco inspirada e com show de Johan Cruyff, o Brasil perdeu pelo placar de 2 a 0, resultado que o eliminou da competição. 

Contudo, com a segunda colocação do grupo, a seleção brasileira se classificou para a disputa de terceiro lugar, contra a Polônia. Com gol polonês do artilheiro da competição, Lato — que fez um total de 7 gols no torneio —, o Brasil se despedia da Copa do Mundo de 1974 com a quarta colocação, após derrota por 1 a 0. 

O desempenho do Brasil na Copa, mesmo com muitas mudanças em relação à competição realizada no México, foi decepcionante. “Zagallo zombou dos holandeses antes do jogo, dizendo que o rival jogava um futebol ‘tico-tico no fubá’. O treinador foi muito criticado, depois, por não ter se atualizado e aprendido com o futebol moderno dos holandeses. Além disso, a revolta do goleiro Leão no gol sofrido durante a disputa do terceiro lugar escancarou o clima ruim daquela campanha brasileira na Alemanha”, conclui Rodrigo.

Jairzinho jogando pela seleção brasileira

Jairzinho, um dos destaques da Copa de 1970, não conseguiu repetir o feito e desempenho da campanha anterior [Reprodução/WikimediaCommons]

A Copa que moldou os últimos 50 anos

“A partir do Carrossel Holandês, o futebol ficou muito mais dinâmico, e segue assim até hoje”

Rodrigo Bueno

Apesar da Alemanha ter saído campeã, a Holanda estabeleceu um estilo de jogo que ainda influencia até nos dias atuais. Um futebol mais livre, em que todos atacam e não se prendem exclusivamente à sua posição — assim como os times de Guardiola demonstram, nos quais um zagueiro pode virar volante ou lateral, e um lateral se tornar zagueiro ou meio campista. “Hoje, a ideia do jogador múltiplo, versátil, não é só aceita, como ela é exigida muitas vezes” diz Rodrigo Bueno. Os holandeses, além das trocas de posições e movimentações entre jogadores, também aplicavam uma tática conhecida como “perde-pressiona”, muito utilizada por diversos técnicos e presente em muitos estilos de jogo atuais. 

Rodrigo Bueno acrescenta: “O principal técnico de futebol do século 21, Pep Guardiola, bebeu muito na fonte de Cruyff, que era treinado pelo genial Rinus Michels, considerado, oficialmente pela Fifa, como o melhor treinador do século 20”. Os três técnicos tiveram, em seu estilo tático, o objetivo de ter o controle da bola e, com isso, mandar na partida e não sofrer defensivamente. Essa filosofia, estabelecida por Rinus Michel e, posteriormente, por Cruyff e Guardiola, é uma tentativa de muitos técnicos, mas sem eficiência em muitos casos — alguns exemplos são os de Fernando Diniz,  com sucesso em alguns momentos, mas também decaída do ritmo em outros, como o atual, e Xabi Alonso, na temporada fantástica do Bayer Leverkusen

A Holanda inovou também ao valorizar o controle de bola no ataque e jogar ofensivamente com os 11 jogadores, utilizando até seu goleiro Jan Jongbloed, no que já era um esboço do goleiro-líbero utilizado hoje em dia. “Se ganhássemos, talvez não tivéssemos deixado tantas lembranças como perdendo”, afirmou Cruyff anos depois.

Johan Cruyff na Copa do Mundo de 1974 com a seleção holandesa

Johan Cruyff em partida pela Copa do Mundo de 1974, a única de sua carreira [Reprodução/ QFL/ Terceiro Tempo]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima